Delação premiada e proteção aos réus colaboradores: Lei n° 9.807/99

0

São estes os dispositivos legais da Lei n° 9.807/99 que estabelecem as condições para a concessão do(s) benefício(s):

Art. 13: Poderá o juiz, de ofício ou a requerimento das partes, conceder o perdão judicial e a conseqüente extinção da punibilidade ao acusado que, sendo primário, tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e o processo criminal, desde que dessa colaboração tenha resultado:

I- a identificação dos demais co-autores ou partícipes da ação criminosa;

II- a localização da vítima com a sua integridade física preservada;

III- a recuperação total ou parcial do produto do crime

parágrafo único. A concessão do perdão judicial levará em conta a personalidade do beneficiado e a natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso.

Art. 14: O indiciado ou acusado que colaborar voluntariamente com a investigação policial e o processo criminal na identificação dos demais co-autores ou partícipes do crime, na localização da vítima com vida e na recuperação total ou parcial do produto do crime, no caso de condenação, terá pena reduzida de um a dois terços

Não se trata aqui de proteger testemunhas ou vítimas, mas réus que decidam colaborar com a investigação ou com o processo criminal – na identificação dos demais co-autores ou partícipes da ação criminosa; na localização da vítima com a sua integridade física preservada e na recuperação total ou parcial do produto o crime. Ao que tudo indica, o dispositivo legal trata de acusados que colaborem com a investigação ou processo relativos ao mesmo caso. Mas daí surge a primeira pergunta: E se os acusados colaborarem com a investigação de outro caso – com este relacionado, de alguma das formas acima descritas? Acreditamos que nesse caso o correto seria aplicar o instituto da delação premiada que vem previsto na Lei n° 9.034/95, pelas razões que especificamos logo abaixo quando nos referimos a ela.

Referindo a Lei a "demais co-autores ou partícipes", evidentemente que somente os casos em que o(s) crime(s) seja(m) praticados mediante concurso de pessoas serão alcançados pelos dispositivos, com nítida e evidente preferência para aqueles que envolvam atuação de organizações criminosas, mas parece também claro que tratando-se de quadrilha ou bando e mesmo nos casos de crimes graves haverá possibilidade de sua aplicação.

O que não se pode conceber é a utilização da aplicação do benefício a casos de prática de crimes de baixa ou média potencialidade ofensiva, pois nada justifica a desproporção entre o alto grau do benefício concedido e a pequena equivalência de retorno para a administração da justiça. Mas a análise sempre dependerá do caso concreto. Exemplificamos para melhor especificar o alcance do espírito do dispositivo. Tomemos duas situações distintas relativas a “furto de veículo”: 1) Se no decorrer da investigação ou do processo constata-se que a prática do crime decorreu de parceria entre aquele que o executa, quebrando o vidro e fazendo a ligação direta, com apenas aquele que vigia e dá cobertura, a princípio não se justificaria conceder o benefício ao primeiro para que delate o segundo; 2) Entretanto, se o ladrão pertence a uma organização criminosa voltada para o furto de veículos, existindo como verdadeira empresa, que depois mantém estrutura de retaguarda para adulterações, desmanche e/ou revenda, desde que a justiça tenha alguma dificuldade na identificação de co-autores ou fatos, pode justificar-se a concessão do benefício.

Evidente que o espírito da Lei é pelo acordo decorrente da colaboração e não da concessão gratuita de benefício.

Por isso que de nada adianta trazer ao conhecimento da Polícia ou do Ministério Público a identificação de co-autores cujas práticas criminosas já se tornaram conhecidos. Se revelarem novos fatos ou apontarem provas a eles referentes, quer nos parecer, igualmente seriam admitidos os benefícios, já que o intuito da Lei aponta no sentido de contemplar aquele criminoso arrependido que delata seus parceiros, incentivando essa prática. Com isto possibilita-se à Justiça o conhecimento de fatos que tardariam mais tempo a se conhecer mediante as vias comuns da investigação e concede-se algo em troca em termos de abrandamento ou até extinção de punibilidade.

O artigo 13 da Lei contempla o acusado primário com perdão judicial, a requerimento das partes ou mesmo por decisão de ofício do Juiz. Estabelece aí, na primeira hipótese,  o que a doutrina estrangeira chama de “princípio do consenso”. Como o dispositivo utiliza o termo “a requerimento das partes”, e considerando tratar-se de instituto relativo a colaboração, ou seja, mútua cooperação,  parece mais lógico supor que as partes acordem na colaboração e conseqüente delação – que seja proveitosa – e assinam acordo de perdão judicial. A redação do dispositivo – "a requerimento das partes" – sugere formulação de petição conjunta entre o Ministério Público e o acusado, afastando a possibilidade de requerimento apresentado apenas por uma das partes. A discordância terá peso fundamental, pois o Promotor é que estará apto a dizer se a colaboração terá sido mesmo eficaz ou não, tópico que analisamos pouco à frente.

Importante que nos atenhamos preferencialmente ao inciso “I” do dispositivo, pois os demais não oferecem maiores dificuldades de interpretação. Queremos crer que a colaboração deva ser de fato muitíssimo eficiente para viabilizar a um criminoso pertencente a uma organização criminosa obter o perdão judicial. Significa, segundo parece, uma espécie diferenciada de “perdão judicial”. Isso porque segundo o conceito originariamente implantado no nosso sistema jurídico, o “perdão judicial” busca deixar de punir aquele que tenha sofrido conseqüência social tão grave decorrente da sua própria conduta, que pode-se considerar por aplicada e cumprida a sua pena.

No caso em pauta o agente não sofre conseqüências sociais quaisquer, mas tão somente legais, na medida em que a sua autoria foi desvelada e com razoável grau de convicção pela justiça, a ponto do acusado compreender e admitir essa situação e dar-se por vencido, confessando a sua participação e a de outros. Difere-se na causa. Enquanto aquela decorre das conseqüências sociais experimentadas pela prática do fato criminoso, esta decorre da colaboração voluntária e efetiva à Justiça. Voluntária – porque deve tomar a iniciativa de colaborar e efetiva porque deve trazer pessoas e fatos novos que efetivamente ou eficazmente auxiliem a persecução penal. O termo efetividade confunde-se aí portanto com eficácia ou eficiência. Voluntariamente significa  – que procede espontaneamente, derivado da vontade própria; e efetivo, provém da qualidade do que tem efeito, real, verdadeiro, positivo, permanente, ou eficiência: virtude de produzir efeito, eficáciaque produz efeito, que dá bom resultado. Seria evidentemente repetitivo dizer voluntário e efetivo com o mesmo significado. A Lei não contém palavras inúteis e então o termo “efetividade” significa, em sua segunda acepção – eficiência, ou ser eficaz.

Além do mais, não se poderia imaginar um criminoso confesso envolvido por exemplo em criminalidade organizada pretender ter colaborado ineficientemente com a investigação e receber em troca o perdão judicial. Seria dar muito em troco de nada, e o espírito da Lei é exatamente a contraprestação. Para ter direito ao benefício, voluntariedade não basta, é preciso que seja realmente eficaz.

Mesmo não se tratando de integrante de organização criminosa, pelas mesmas razões, a colaboração deve ser de considerável benefício à investigação ou ao contexto probatório. Considerando que se trate de verdadeira “negociação” das situações jurídicas, – contexto probatório <> situação processual do suspeito/acusado, deve existir correlação de equivalência, com vantagens para ambos, para que se perfaça o “acordo”. Não se pode conceber a entrega de perdão judicial a troco de pequena ou ineficaz colaboração, para que não se transforme em injusto instrumento de impunidade.

As condições estabelecidas no caput e nos incisos do artigo 13 da Lei são objetivos, mas a sua concessão é facultativa, pois, mesmo preenchidos aqueles requisitos, decreta a Lei: "Poderá o juiz"… Então, se o acusado colaborar voluntária e eficientemente, reconhecidamente pela Justiça, sendo primário e dentro dos parâmetros estabelecidos, poderá ser aplicado o perdão judicial. Para tanto a justiça deve decidir se a colaboração foi eficiente ou não – como um todo. Não existirá razoável eficiência, na medida em que o beneficiário informe apenas os nomes e condutas de alguns dos co-autores, ocultando intencionalmente outros, por qualquer razão. Como a Lei não contém palavras inúteis,  deverá o Juiz, nesse exemplo, decidir se, com os nomes e fatos revelados ele auxiliou eficientemente ou não, para então conceder-lhe, ou não, o único benefício previsto, o perdão judicial.

Estabelece o parágrafo único do mesmo artigo que “a concessão do perdão judicial levará em conta a personalidade do beneficiado e a natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso”. Se a voluntariedade e a efetividade previstos no caput são requisitos intrínsecos, relativos à participação do agente; já a personalidade diz respeito ao seu aspecto subjetivo e os demais – natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso são requisitos objetivos – ou seja, ligados aos fatos criminosos praticados. Assim, ainda que a colaboração tenha sido efetiva e voluntária existirão ainda estes requisitos à aprovação da medida, que deverão ser inevitavelmente enfrentados na sua fundamentação. Nestes termos, intuitivamente, não haverá como conceder perdão judicial ao réu confesso e colaborador que, por exemplo, no âmbito de suas condutas criminosas houver praticado, por exemplo, algum crime considerado hediondo.

Já o artigo 14 da Lei estabelece a redução da pena, de um a dois terços, ao acusado não primário (a contrariu sensu) que colaborar da mesma forma. Embora a Lei não diga expressamente, acreditamos que a realização de acordo – em petição conjunta entre as partes aí também seja viável. Apesar da Lei utilizar o termo "terá a pena reduzida", trata-se, igualmente, de facultatividade do juiz, desde que preenchidos aqueles requisitos previstos. Não haveria sentido a previsão de facultatividade para a concessão de perdão judicial – no artigo 13, em caso de primariedade, e obrigatoriedade de diminuição de pena – no dispositivo seguinte, em caso de não primariedade. Seria premiar o reincidente em detrimento do primário, quando as demais condições legais são equivalentes. Seria entregar o garantido ao reincidente e o incerto ao réu primário. Ademais, em ambos os casos as circunstâncias são claramente vantajosas ao acusado e, como dito, exigem a sua contraprestação a contento, cujo teor deve ser analisado pelo Poder Judiciário.

Os dispositivos indicam que a delação somente pode ter alcance para as situações do processo em trâmite, sem alcançar outros Feitos. A literalidade do dispositivo quando determina: I- a identificação dos demais co-autores ou partícipes da ação criminosa; ao invés de I- a identificação de demais co-autores ou partícipes da Organização Criminosa; (grifos nossos), interpretamos, quer apontar solução para que não se aproveite a delação a casos externos, mas tão somente ao Feito em que se inserem os fatos. A solução de aplicação da delação em sentido mais amplos, para outros Feitos, acreditamos, é encontrada na Lei n° 9.034/95, como veremos adiante.


Informações Sobre o Autor

Marcelo Batlouni Mendroni

Promotor de Justiça/SP – GEDEC, Doutor em Processo Penal pela Universidad de Madrid, Pós-Doutorado na Università di Bologna/Italia


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais