Exame de esforço físico em concurso sem a previsão legal

0

O art. 37, caput, da Carta de 1988, traz consigo os princípios que vinculam a Administração Pública no Brasil em todos os níveis de competência, dentre os quais, o da legalidade, e a mesma norma constitucional em seu inciso II prevê: a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração; ( redação da  E. C. nº 19, de 04.06.98).” A lei que criar o cargo público definirá o número de vagas e a forma do seu provimento, concurso público, além das provas que o candidato regularmente inscrito deverá se submeter.

O ato de convocação de concurso público é por Edital que vincula a todos, não podendo, contudo, nele, se fazer exigências não previstas em lei, isso, em face do princípio da legalidade, e ainda em razão do disposto no inciso II do art. 1º da CF que dispõe: “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;.” Recentemente, recebi a visita de alguns candidatos que se submeteram a concurso promovido por determinada Administração Pública Municipal, aprovados na prova de conhecimento e de títulos e desclassificados na prova de exame de esforço físico. Pretendiam saber se a exclusão deles no último exame estava ou não dentro da legalidade. Todos haviam participado do concurso para preenchimento do cargo de agente de trânsito.

A lei municipal que criou o cargo de agente de trânsito, não fazia a exigência da realização do exame de esforço físico para o seu provimento, diferentemente da lei municipal que criara o cargo de Guarda Municipal, onde estava previsto o exame. A resposta é que houve ato de ilegalidade por parte da Comissão que administrou o concurso, podendo, por via de consequência, ser declarada a ilegalidade pela ação sumária constitucional, art. 5º, LXIX, resguardando-se em favor deles o direito de obter classificação com base nas notas obtidas nas provas de conhecimento e de títulos.

Não havendo previsão na lei, a exigência da prova de esforço físico constante do Edital se constituiu em ato de ilegalidade. José da Silva Pacheco (1), sobre a ilegalidade, doutrina: “Em resumo, a ilegalidade se configura pela prática de ato ou omissão de praticá-lo quando: a) haja lei que impeça sua prática ou a determine; b) não haja lei que atribua a competência para praticá-lo ou haja dever de praticá-lo; c) contrariar lei expressa, regulamento, ou princípio de direito público; d) não observar os princípios e normas do art. 37 da CF/88 e outros estabelecidos na Constituição e no direito (lei, costume e princípios gerais de direito); e) não se incluir nas atribuições legais do agente ou se incluir e houver omissões;.”

Para Hely Lopes Meirelles (2), o conceito de ilegalidade ou de ilegitimidade, para fins de anulação do ato administrativo, não se restringe somente à violação frontal da Lei. Abrange não só a clara infringência do texto legal como, também, o abuso por excesso ou desvio de poder, ou por relegação dos princípios gerais do Direito. Em qualquer dessas hipóteses, quer ocorra atentado flagrante à norma jurídica, quer ocorra inobservância velada aos princípios do Direito, o ato administrativo padece de vício de ilegitimidade e se torna passível de invalidação pela própria Administração ou pelo Judiciário, por meio de anulação”.

Já Petrônio Braz (3), diz que “Em presença do Estado-de-Direito, onde se sobressai a autolimitação do Estado às suas próprias leis, a motivação do ato administrativo torna-se relevante objetivando regular a atuação da autoridade administrativa dentro dos limites da lei, mesmo porque, como lembra Hely Lopes Meirelles, no Direito Público o que há de menos relevante é a vontade do administrador. Seus desejos, suas ambições, seus programas, seus atos não tem eficácia administrativa, nem validade jurídica, se não estiverem alicerçados no direito e na lei.”  

Quanto à realização de exame de esforço físico sem previsão legal, no RE 447.392-5-PB, o eminente Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, ao negar seguimento ao recurso, j. de 21.06.2005, se pronunciou no seguinte sentido:

 “DECISÃO : RE, a, contra acórdão do TJPB assim ementado, no que interessa (f. 230): "MANDADO DE SEGURANÇA. CONCURSO PÚBLICO. POLÍCIA CIVIL. TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA. EXIGÊNCIA DO EDITAL. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. AFRONTA AOS PRINCÍPIOS DA LEGALIDADE E DA RAZOABILIDADE. ORDEM CONCEDIDA. DESPROVIMENTO. MANUTENÇÃO DO DECISUM. – É possível ao Poder Judiciário declarar a ilegalidade dos atos administrativos, pois é incumbência do Judiciário analisar limites de proporcionalidade e razoabilidade dos atos praticados pelo Administrador. – Como não pode a Administração restringir direitos sem autorização legislativa, eivado de nulidade encontra-se o desarrazoada (sic) teste de capacitação física realizado sem amparo legal e que reprovou os candidatos impetrantes (grifo)."

A Minª. ELLEN GRACIE, decisão publicada no DJ de 20/09/2005, p. 00072, no RE 248.515-2 – MA, também ao negar seguimento ao recurso do Estado do Maranhão, manifestou o seguinte:

 “Despacho:
1. Trata-se de recurso extraordinário, alínea a, interposto contra acórdão do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão que concedeu a segurança para garantir a continuidade dos candidatos no concurso público para o provimento do cargo de delegado de polícia estadual. O aresto recorrido fundamentou que o exame de aptidão física, em que os recorridos foram eliminados do certame, é ilegal e abusivo, uma vez que, apesar de disposto em edital, não está previsto na Lei estadual 6.124/94 – Estatuto do Policial Civil do Estado do Maranhão. 2. Não se encontram prequestionados os arts. 2º, 5º e 37, caput, da CF/88, em que busca apoio a petição de recurso extraordinário, porque não abordados pelo acórdão recorrido, ao qual não foram opostos os respectivos embargos de declaração. E mesmo que a mencionada violação tivesse surgido no próprio julgamento de segundo grau, far-se-ia necessária a sua provocação por meio de declaratórios, para satisfazer o requisito do prequestionamento (Súmulas STF nºs 282 e 356). 3. Ademais, para que se pudesse modificar a decisão impugnada, seria imprescindível a análise da legislação local, hipótese inviável em sede extraordinária (Súmula STF nº 280). 4. Ainda que superado tais óbices, o recurso não merece prosperar, pois, em caso semelhante, o STF, no julgamento do RE 344.833/MA, rel. Min. Sepúlveda Pertence, 1ª Turma, unânime, DJ de 27.06.2003, assentou que não viola o art. 37, I, da CF/88 a decisão que considera abusiva a exigência de exame físico em concurso público sem substrato fático e jurídico. 5. Diante do exposto, com fundamento no art. 557, caput, do CPC, nego seguimento ao recurso. Publique-se. Brasília, 31 de agosto de 2005. Ministra Ellen Gracie Relatora.”

Se não há lei prevendo a realização de prova de esforço físico no provimento de cargo público, não poderá a Administração Pública fazer a exigência da realização dele no Edital. Se assim ocorrer, haverá violação ao princípio da legalidade, art. 37, caput, e ao disposto no inciso II do art. 1º, ambos da CF, podendo o ato ser passível de apreciação pelo Poder judicial, via mandamental, inciso LXIX, art. 5º, do mesmo texto citado. E no dizer de Galeno Lacerda (4), “A Constituição não tolera a ilegalidade ou o abuso de poder praticados pela autoridade. Tanto não os tolera, que confere ao prejudicado mandado de segurança para reprimi-los, sem cogitar de prazos ou preclusões e sem ressalva, sequer, à lei ordinária."

Paulo Afonso, 16 de janeiro de 2006.

 

Material de pesquisa:
www.soleis.adv.br;
www.stf.gov.br – jurisprudência;
www.tj.rs.gov.br – jurisprudência;
1) Pacheco, José da Silva, O Mandado de Segurança e outras Ações Constitucionais Típicas, RT, 3ª. Edição, pág. 165;
2) Hely Lopes Meirelles, Hely Lopes, Direito Administrativo Brasileiro, 9ª edição, Ed. RT, pág. 149.;
3) Braz, Petrônio, Direito Municipal na Constituição, 4ª edição, LED, pág. 277;
4) Lacerda, Galeno, Comentários ao CPC, Forense, Vol. VIII, tomo I, Forense, 5ª ed., pág. 102.

Informações Sobre o Autor

A. Fernando D. Montalvão

Titular do escritório Montalvão Advogados Associados, concluinte na Turma de 1975 da FD da UFBA, ex-Presidente da OAB.Subs. Paulo Afonso-BA, por três mandatos, ex-advogado credenciado no antigo BANEB e do INSS, consultor jurídico de empresas, Câmaras Municipais e Prefeituras, coloborador de diversos sites jurídicos como jusvi, jusnavigandi, escritorioonline, jurista.com, trinolex, e outros, além da revista Impressa Gazeta Juris


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais