STF e política

0

Conforme estabelece a nossa Constituição Federal, os Juízes – Ministros do Supremo Tribunal Federal são escolhidos entre cidadãos de conduta ilibada e notório saber jurídico. Nem sempre são oriundos do Poder Judiciário. São indicados pelo Presidente da República – chefe do Poder Executivo Federal.

Embora seja difícil conseguir entender como alguém, nestas condições, consiga manter a sua imparcialidade ao julgar, devemos considerar que trata-se de tema demasiadamente complexo para ser discorrido em apenas algumas linhas.

O STF, não é novidade nem segredo, deve tomar decisões jurídicas que se amoldem ao sistema constitucional vigente, mas que por vezes deixam transparecer as suas conotações jurídico-políticas. Tratam, por assim dizer, de interpretar os ditames constitucionais de forma a tornar viáveis as situações que se afiguram, muitas vezes envoltos de questionamentos e situações que devem fazer girar a engrenagem da ação e da complementação dos Poderes constituídos.

É exatamente essa situação jurídica que torna absolutamente incompreensível a  inclinação do STF de aplicar, em jurisprudência da Corte Maior, a impossibilidade do Ministério Público de realizar investigações criminais, diretamente.

Não se trata de usurpar a atuação da Polícia, já se disse e repetiu-se. Trata-se de cumprimento dela, da própria Constituição Federal, pelo seu espírito, pela sua sistemática. Mas considerando que os Ministros do STF tenham “notório saber jurídico”, e isso é indiscutível, o que os levaria a decidir contrariamente ao que parece óbvio? Se a Constituição estabelece à Polícia a apuração de infrações penais, não o faz de forma exclusiva, pois também permite que o façam as CPIs, o próprio Judiciário quando investigar crime de seu membro, à Receita Federal e Secretarias das Fazendas Estaduais nos crimes fiscais, ao INSS nas mesmas condições, etc., por que então impedir o Ministério Público de fazê-lo, cumprindo as suas funções?

Se não há previsão expressa no Código de Processo Penal, como deveria ser, veja-se que a própria Constituição Federal também estabelece, nos artigo 129, IX, que é sua função institucional – exercer outras funções que lhe forem conferidas, desde que incompatíveis com sua finalidade, (…). As Lei Orgânica do Ministério Público, de outra parte, o autoriza expressamente a realizar atos investigatórios, expedindo notificações, ouvindo pessoas, requisitando documentos, etc. Discute-se, na verdade, a instauração de Procedimento Investigatório por parte do membro do Parquet.

Como entender que o novo Presidente do STF, que acaba de tomar posse, guardião da Constituição Federal, ao invés de interpretá-la de forma lógica e sistemática, conforme o seu espírito (no dizer de Montesquieu) declare que: “Está dito na Constituição que compete à Polícia presidir inquéritos”. E como entender que outros Ministros o acompanhem no raciocínio?… Não haverá aí excessiva dose de decisão Política, que, ao revés, ainda por cima contraria a vontade do povo?

Trata-se de interpretação que – data maxima venia – não resiste à mais singela análise do próprio texto Constitucional. É interpretação que não dá o menor suporte jurídico a si mesma; que atira no lixo tudo o quanto de eficiente foi produzido pelo Ministério Público desse País afora, que retrocede a evolução do Processo Penal em 200 anos; que premia o crime organizado, a corrupção e a impunidade que graçam neste País; que afronta os sistemas processuais penais mais modernos do mundo, dando as mãos a somente outros 3 Países da África; e que, por conseqüência fará espalhar a desgraça da injustiça no País.

Há, ao meu ver, um verdadeiro preconceito instalado em alguns setores jurídicos e políticos deste País, em relação à atuação de investigação do Ministério Público. Profissionais que, por razão qualquer não o querem, e ponto. E assim pretendem firmar entendimento, desgraçadamente para toda a sociedade brasileira, que arcará com os respectivos prejuízos.

Toda essa situação me faz lembrar as palavras de Goethe: “Nós devemos aprender a enxergar com os olhos do espírito da inteligência, sem o que tatearemos cegamente. E o resultado é que enxergaremos apenas a nós mesmos”.


Informações Sobre o Autor

Marcelo Batlouni Mendroni

Promotor de Justiça/SP – GEDEC, Doutor em Processo Penal pela Universidad de Madrid, Pós-Doutorado na Università di Bologna/Italia


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais