OAB e a falta de políticas razoáveis para regular o atendimento ao cliente

0

No mês em que se comemora o dia da
advocacia, é de se lamentar a falta de políticas da OAB para que o pequeno
advogado possa sobreviver. Como a nossa histórica OAB está sob o comando dos
grandes advogados em face do complexo e antidemocrático processo eleitoral
previsto na lei 8906/94, simplesmente tentam esmagar os pequenos escritórios de
advocacia ao não estabelecer políticas de revisão do mercado de atendimento aos
cidadãos e isso acaba permitindo uma concorrência predatória com a Defensoria e
outros entes. E para piorar, em vários locais Defensores estão desfiliando da
OAB e continuam atendendo, ou seja, prestando assistência jurídica, sob o olhar
silente dos dirigentes da OAB.

A forma de atendimento atual, sem
criérios, tem provocado mais prejuízos ao setor advocatício do que o  Juizado Especial, pois Defensores estão
atendendo sem comprovar nos autos a carência dos seus clientes. E o advogado
ainda enfrenta processos éticos se cobrar abaixo da tabela de honorários e nem
pode se organizar em Cooperativas ou Planos de Atendimento Jurídico com
pagamento mensal, independente de se provar boa qualidade do serviço. Na
verdade, parece um movimento para se eliminar a advocacia privada de pequeno
porte. Basta citar que até hoje a OAB não regulamentou a lei 9790/99 que prevê
a possibilidade de criar OSCIPs para atendimento jurídico gratuito aos
carentes. Na verdade, a clientela atendida pela Defensoria recebe mais de dois
salários mínimos e poderia pagar um advogado se a tabela de honorários fosse
revista ou se a OAB permitisse a formação de Cooperativas ou Planos de
Atendimento Jurídico.

Os Defensores querem ter monopólio
da gratuidade jurídica e nada a OAB faz para reverter isso. Em suma, querem
negar ao cidadão o direito de escolher o seu advogado de confiança.

Medidas simples poderiam auxiliar os
pequenos escritórios a se reorganizarem, como criarem nº de OAB-pessoa
JURÌDICA,  para permitir a integração
dos pequenos ou que no Imposto de Renda fosse abatidas despesas com advogados
no valor anual de até R$ 1.000,00, mais ou menos.

Ou, também estimularem que montem
OSCIPs e recebam recursos públicos e privados para prestarem o serviço aos
carentes e receberem pelo mesmo.

Ou, a própria OAB implantar uma
Cooperativa ou um Plano de Atendimento Jurídico para os seus advogados.

E ainda permitir que os advogados
cobrem abaixo da tabela desde que mantenham comprovadamente a qualidade do
serviço e principalmente reduzir a tabela para os advogados dativos, pois a
concorrência deve ser livre.

Não faz sentido a atitude da OAB de
empurrar todo mundo para a fila da Defensoria e exigir tabela mínima dos
advogados privados. O ideal é a sobrevivência dos dois sistemas, mas é preciso
que o privado e o social tenham um novo perfil com apoio da OAB. Afinal, a
Defensoria pode ir à TV, rádio, atender todo mundo e a OAB nada faz. Os médicos
do serviço público estão sujeitos tanto à Corregedoria do órgão público como ao
CRM. Mas os Defensores estão fazendo uma concorrência predatória e a OAB nada
faz.

É preciso rever isso. A OAB tem o
dever de debater formalmente o tema.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Pedro Borges Lima

 

O autor é bacharel em Direito e cidadão brasileiro.

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais