Considerações preliminares das provas no processo penal

0


Um dos temas mais apaixonantes no Direito Processual Penal é a prova. Esta vem do latim probatio e pode ser praticada pelas partes, juiz ou terceira pessoa.


Serve para que o magistrado fique convicto acerca do fato, se é verdade ou não determinada afirmação, podendo declarar a existência ou não da responsabilidade criminal do réu. O magistrado deve se convencer de que os fatos são verdadeiros e, para isso, precisa das provas, a fim de que a sua idéia se ajuste perfeitamente com a realidade dos fatos.


Provar, no processo penal, é produzir um estado de certeza.


Necessário deixar bem claro que não precisam ser provados os fatos intuitivos (exemplo: encontrando-se um cadáver putrefato é desnecessário comprovar que a pessoa estava morta); fatos notórios (exemplo: não precisa provar que ocorrem secas no Nordeste ou que o Natal é comemorado no dia 25 de dezembro); fatos presumidos (Presumir é tomar como verdadeiro um fato, independentemente de uma prova, levando-se em conta aquilo que em geral acontece. A presunção absoluta não admite prova em contrário -inimputabilidade do menor de 18 anos. A presunção relativa pode ser afastada quando há prova que contradiz – presunção de violência em determinados crimes contra os costumes); fatos inúteis (exemplo: A testemunha afirma que o crime se deu em momento próximo ao do jantar e o juiz pretende saber quais os pratos que foram servidos durante tal refeição – desde que não sejam elementos do crime).


É proibida a produção probatória toda vez que houver violação de normas legais ou de princípios do ordenamento de natureza processual ou material.


Há uma divisão:


provas ilícitas são aquelas que contrariam as normas de direito material. Exemplo: escuta telefônica sem autorização judicial, confissão mediante tortura.


provas ilegítimas são aquelas que afrontam normas de direito processual. Exemplo: juntada de documentos na fase do artigo 406, Código de Processo Penal, exibir em plenário prova não juntada no processo 03 dias antes (artigo 475, Código de Processo Penal).


Ressalte-se que podem as provas ilícitas se tornarem lícitas desde que o interessado consinta na violação de seus direitos assegurados constitucionalmente e que sejam disponíveis. Exemplo: entrada na residência com consentimento do morador; gravação em fita magnética de conversa entre 02 pessoas, desde que gravada por uma delas.


È muito importante falarmos acerca dos princípios que norteiam o tema, são eles: 1) Princípio da auto-responsabilidade das partes: As partes assumem as conseqüências. Se fizerem algo de errado, atos intencionais, ou deixarem de fazer algo para provar o fato ou a inexistência dele; 2) Princípio da audiência contraditória: Toda prova admite a contraprova. A parte contrária tem que ter o conhecimento; 3) Princípio da aquisição ou comunhão da prova: No campo penal, a prova não pertence a uma das partes; as provas são pertencentes ao interesse da justiça. São do processo. È errôneo dizer que as testemunhas são da acusação. Elas são arroladas pela acusação e pertencem ao interesse da justiça. Às vezes, a testemunha arrolada pela acusação serve de defesa para o réu; 4) Princípio da oralidade: Deve existir uma predominância na palavra falada (depoimentos, debates, alegações); 5) Princípio da concentração: Como corolário do princípio acima citado, busca-se concentrar toda a produção da prova na audiência, tendo em vista a proximidade do juiz com as partes; 6) Princípio da publicidade: Em regra, os atos judiciais são públicos, exceto os que são de segredo de justiça. Exemplo: tráfico de drogas; 7) Princípio do livre convencimento motivado: As provas não são valoradas previamente pela legislação. O julgador tem liberdade de apreciá-las.


O Princípio da proporcionalidade serve quando a prova obtida de um bem protegido pela Constituição Federal for de maior valor que o violado; é a teoria do sacrifício. Por esse princípio, já se deu como lícita a prova obtida com gravação de conversa telefônica de preso efetuada no interior do presídio.


Em processo penal, especificamente quando se estuda provas, utiliza-se o termo “fruto da árvore envenenada”, que quer dizer o seguinte: há nulidade das provas subseqüentes, se estas forem obtidas com fundamento na original ilícita. Não há nulidade se há nos autos outras provas que levaram à condenação.


A Prova emprestada é a prova transportada por translado, certidão ou algum outro meio autenticatório para produzir efeito como prova em outro processo. Se a prova originária for testemunhal ou pericial, ela é transportada para novo processo como prova somente documental. É aceita desde que formada entre as mesmas partes, e quando há contraditório.


Os sistemas de apreciação são apresentados a seguir: 1) Sistema da certeza moral do legislador ou da verdade legal ou formal: a lei impõe ao juiz o valor de cada prova. Pode-se dizer que existem casos no processo penal que assim são tratados, como por exemplo: óbito: somente com certidão de óbito, não admitindo prova testemunhal; 2) Sistema da certeza moral do juiz ou da íntima convicção: A lei não diz sobre o valor de cada prova, cabendo ao julgador. Não há aqui o menor critério balizador. Há ilimitada liberdade para decidir. Exemplo: julgamento pelo Tribunal do Júri; 3) Sistema da livre convicção ou da verdade real ou do livre convencimento: É o sistema mais utilizado no Código de Processo Penal, mais especificamente no artigo 157, do Código de Processo Pena. È preciso que as provas estejam nos autos. O que não está nos autos não está no mundo.


Conclui-se, portanto, que a prova, além de ser um assunto interessantíssimo, é de extrema importância no mundo jurídico, porque é através dela que o juiz decide se condena ou não o réu, explicitando motivadamente as razões de seu convencimento. È a partir dela que o defensor do réu requer a sua absolvição ou o Agente Ministerial pede ou não a condenação do denunciado.


 Bibliografia utilizada


ARANHA, Alberto José de Camargo. Da Prova. São Paulo: Saraiva, 1999, 5.ed.


CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 1999. 3.ed.


CAPEZ, Fernando. Processo Penal. São Paulo: Damásio de Jesus, 2005. 14.ed.


TOURINHO FILHO. Fernando da Costa. Código de Processo Penal Comentado. São Paulo: Saraiva, 1997. 2.ed.


MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo Penal. São Paulo: Atlas S/A, 2000. 10.ed.


NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Pena Comentado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006. 5.ed.



Informações Sobre o Autor

Gislaine F. de Oliveira Mascarenhas Aureliano

Bacharel em Direito pela Faculdade Estadual de Direito do Norte Pioneiro-Jacarezinho; Funcionária Pública do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná; Pós-graduada em Direito Aplicado pela Escola da Magistratura do Estado do Paraná.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais