Direito, subjetividade e interpretação

0


No século passado as descobertas mais importantes, tanto nas ciências humanas quanto nas exatas, tiveram o condão de alterar o conceito de realidade, passando esta a não ser vista de uma maneira estática. Segundo a Teoria da Relatividade, de Albert Einstain, a verdade, seja ela política, moral, religiosa ou científica, varia conforme a época, o lugar ou o indivíduo. A física quântica também ensina que, a depender de observador, a matéria irá se manifestar, nos seus níveis subatômicos, em partículas ou em moléculas. A própria semiótica, ciência geral dos signos, entende que cada um guarda dentro de si um referencial singular capaz de filtrar a realidade. Em se tratando de direito essa relatividade não é menor, já que o objeto desta ciência é a dissolução dos conflitos entre os membros da sociedade através de um processo, no decorrer do qual cada parte oferecerá o seu ponto de vista.


O escritor cearense Ricardo Kelmer lembra a história de um acidente de trânsito no qual um motorista atropelou um pedestre na avenida mais movimentada da cidade. Este alegou que o motorista vinha em velocidade maior que a permitida, e que por isso não o viu. Aquele afirmou que o pedestre atravessou a rua quando o sinal estava verde, e que não desviou o seu veículo porque havia um ônibus ao seu lado. O segurança do banco, que presenciou tudo, falou que o motorista tinha sido trancado por outro carro, não lhe restando outra opção senão avançar para o local onde estava o pedestre. E um executivo, que observou o ocorrido da janela de seu escritório, disse que o sinal na verdade estava vermelho. Esse é exatamente o papel do direito, fazer com que cada um tenha direito e relatar a sua versão para que, ao final, baseado em argumentos, provas, testemunho e leis, se possa chegar a um consenso e, com isso, se fazer justiça.


Todavia, não será apenas a versão de cada parte na contenda que influenciará o resultado final, mas também, e talvez principalmente, a de todos os profissionais da área jurídica. O funcionário do cartório, por exemplo, desempenhará o seu trabalho de uma forma burocrática, tentado se ater estritamente às responsabilidades que lhe foram dadas. Ao Ministério Público caberá atuar como fiscal da lei, descobrindo as falhas do advogado a apontando ao juiz o caminho de maior justiça. E o advogado deverá agir com objetividade, de modo a fazer com que o seu cliente atinja efetivamente o seu direito. Quanto ao juiz, o seu trabalho é em certo sentido o mais importante de todos, já que a ele cabe proferir a decisão final do processo. Para tanto ele tem de filtrar a subjetividade de cada um desses profissionais, e a dele própria, com relação à entrega da prestação jurisdicional. O problema é que nem sempre o direito se resume a esse maniqueísmo simplório entre quem tem e quem não tem razão. Para colorir isso, vale lembrar uma história passada na velha Grécia, retirada do livro de Bertrand Russell “História da Filosofia”, que muito gostava de contar o advogado e poeta recifense Edmir Domingues:


Conta-se que o grande sofista Protágoras, aquele que disse não haver a Verdade, e sim a verdade individual, a verdade de cada um, e que o homem é a medida de todas as coisas, foi o primeiro mestre que cobrou honorários pelos ensinamentos que ministrava Antes dele os mestres recebiam, apenas, as dádivas voluntárias dos seus discípulos. Protágoras inaugurou a fase do ensino pago. No entanto, um de seus alunos, o discípulo amado Evalthus, era muito pobre e não podia pagar o curso de jurisprudência, que pretendia fazer. Então, fizeram ambos um contrato, pelo qual Evalthus pagaria o seu curso, de uma só vez, se ganhasse a sua primeira causa. Conta-se que Evalthus, concluído o curso, não passou a advogar, até que, um dia, perdida a paciência, Protágoras ajuizou contra ele uma ação de cobrança, dizendo que o discípulo, sabendo o mestre muito velho, estava esperando que ele morresse, para furtar-se ao pagamento. E a fundamentação da ação de cobrança era de que agora, naquele tempo, Evalthus pagaria de qualquer modo. Protágoras, se ganhasse a ação, receberia em virtude da sentença, e, se perdesse, receberia em virtude do contrato. Porque Evalthus tinha ganho a sua primeira causa.


Parecia irrespondível.


Mas Evalthus contestou a ação, dizendo que não estava esperando que o mestre morresse, e, sim, que ele ajuizasse aquela ação. Porque, agora, não pagaria mais. Se vencesse a ação, estaria desonerado pela sentença. E se perdesse, nada deveria, em razão do contrato, porque havia perdido a sua primeira causa.


É claro que são verdadeiras as duas teses, o que pode diferir é o ponto de vista do profissional do meio jurídico que, diante de um caso prático, terá de optar entre um ou outra. Entretanto, essa história nos deixa uma lição, que é a certeza de que o direito não deve ser tratado feito uma ciência exata, como querem os mais apegados à letra da lei. Direito é interpretação, é subjetividade, é percepção, logo há certa parcela de variação a depender de quem o aplique. E para melhor se aproveitar dessa subjetividade, cabe aos operadores do direito aplicar a equidade, que é a justiça do caso particular e suas peculiaridades, de modo que o bom senso prevaleça na sentença. O inciso III do art. 1º da Constituição Federal inclusive aponta nesse sentido, quando coloca que a dignidade da pessoa humana é um dos fundamentos da República Federativa do Brasil. Sendo o direito feito pelo homem e para o homem, e não o oposto, esse princípio deve conduzir o aplicador do direito na resolução dos conflitos, aliando a sensibilidade àqueles valores intrínsecos à vida e à qualidade de vida humana. Com isso a prestação jurisdicional deve se tornar mais sensível e humanizada, e a paz social será mais amplamente difundida.



Informações Sobre o Autor

Talden Queiroz Farias

Advogado com atuação na Paraíba e em Pernambuco, Especialista Direito Processual Civil pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e em Gestão e Controle Ambiental pela Universidade Estadual de Pernambuco (UPE), Mestre em Direito Econômico pela Universidade Federal da Paraíba. Professor da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas da Paraíba e da Universidade Estadual da Paraíba. Assessor jurídico da Coordenadoria de Meio Ambiente da Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Campina Grande (PB).


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais