Ética pública

0


Conforme o artigo 2º de nossa Constituição Federal existe uma tripartição de poderes estatais. Ou seja, o Legislativo, o Executivo, e o Judiciário são independentes e harmônicos entre si. Esta aparente divisão não é absoluta, pois vigora em nosso ordenamento jurídico o sistema de freios e contrapesos. Isto quer dizer que cada poder, além de exercer suas competências, deve fiscalizar os demais a fim de preservar a harmonia entre si. Montesquieu em seu livro O Espírito das Leis diz que “o poder deve limitar o poder, para evitar o abuso de poder”.


Hoje o Brasil passa por um momento funesto em sua história. Recentemente alguns episódios vergonhosos para a nação envolveram o Legislativo e o Executivo. Mensalão, Mensalinho, escândalo dos correios, dança da absolvição, malas e cuecas recheadas de dinheiro público, caixas-dois, abusos de autoridade, dentre outros esquemas, mostraram à população quão honestos são nossos agentes políticos. E o pior não foi que tudo tenha acabado em pizza (nossa velha conhecida impunidade), mas sim que o povo tenha reeleito a maioria dos envolvidos.


Por sorte o Judiciário estava incólume até o momento. Quem acreditou nessa honestidade 100% se equivocou. A Máfia da Toga não perde em nada para as do Legislativo e do Executivo. A quantidade de dinheiro sujo e a importância das pessoas envolvidas chocam a todos de igual modo. A Operação Hurricane deflagrada pela Polícia Federal prendeu muitas pessoas ligadas aos jogos e à corrupção no estado do Rio de Janeiro. Desembargadores, juízes, delegados, procuradores, bicheiros, pessoas ligadas ao carnaval carioca, e advogados, devido à ganância mandavam e desmandavam nos jogos de azar sem medo da lei, ou pior, eles próprios eram os agentes da lei. Para dimensionar o poderio da quadrilha, indícios revelam que inclusive um ministro do Superior Tribunal de Justiça pode estar envolvido.


É lamentável existir corporativismo nestes casos, pois “abaixada a poeira” dificilmente alguém será punido, como ocorreu a título exemplificativo nas eleições passadas com os mensaleiros. Também não se podem aplicar punições irrisórias aos culpados, como, por exemplo, aposentá-los recebendo o salário integral.


É o fim da moralidade pública? Lógico que não. A regra é existir profissionais honestos nestes cargos. Algumas exceções mancham o nome do Poder Público e envergonham a maioria de seus membros. Um fruto podre não pode contaminar a árvore toda. A sociedade deve cobrar por punições daqueles que cometerem ilicitudes, e continuar acreditando na honestidade, integridade e ética dos demais.



Informações Sobre o Autor

Guilherme Didomenico

Advogado. Pós-graduando em Direito Constitucional e Direito Público. Bacharel em Administração de Empresas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais