Abuso dos juros bancário. Atentado contra a justiça

0

Toda semana, inúmeras pessoas e empresas procuram o nosso
escritório para saber seus direitos porque se sentem espoliados pelos bancos do
qual são clientes. A maioria das reclamações é sobre a cobrança excessiva e
ilegal de juros em empréstimos bancários e contratos de cheque especial em
conta-corrente.

Nesses casos, o direito está totalmente do lado do consumidor
(leia-se, correntista), pois a nossa Constituição proíbe a aplicação de
“juros sobre juros”. A ação jurídica cabível é uma ação ordinária que
vise reconhecer e decretar a nulidade da cobrança de juros de forma
capitalizada, determinando-se, por conseguinte, a incidência de juros simples,
capitalizados anualmente.

Somente no meu escritório, é uma média de três a quatro ações
propostas por semana, sendo que os Tribunais têm decidido na maioria dos casos
em favor do cliente, reduzindo o valor da dívida e condenando, em muitos casos,
o banco a devolver em
dobro
tudo aquilo que ele cobrou
indevidamente quando aplicou uma metodologia ilegal de capitalização mensal dos
juros.

Como na maioria dessas ações o banco
sai perdedor, pois a aplicação de juros compostos ofende o ordenamento jurídico
e colide com as normas do Código de Defesa do Consumidor, por ser uma prática
abusiva e excessivamente onerosa, a Justiça começou a dar ganho de causa, em
todo o País, às pessoas de quem os bancos cobram juros em cascata, os chamados
“juros sobre juros”.

A Constituição é clara quando estabelece, dentre os princípios
gerais da ordem econômica e financeira, a repressão ao abuso de poder econômico
com vista ao aumento arbitrário de lucros e a proibição de juros capitalizados.
Como na maioria dessas ações o banco sai perdedor e percebendo o exagerado
volume ações de revisão de contratos, o lobby dos bancos está pressionando o
governo para regularizar a matéria, numa tentativa para impedir que seus lucros
diminuíssem.

Em 2000, os bancos, sobretudo os grandes, nunca lucraram tanto.
Até aí, tudo bem, não há nada contra o lucro em si. Muito pelo
contrário. É saudável para o Brasil que suas empresas e instituições
financeiras sejam fortes economicamente para gerarem empregos e competirem na
economia mundial. Torço para isso. O problema é o governo violar a nossa
Constituição da República, num verdadeiro ato de estupro contra a Justiça,
permitindo que os bancos tenham lucros excessivos em prejuízo do cliente comum,
que é a parte mais fraca.


Informações Sobre o Autor

Sergio Tannuri

Advogado especializado em Direito do Consumidor e jornalista atuante em São Paulo


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais