A expectativa de privacidade


Atualmente, observa-se a existência de inúmeras situações que, obviamente, restringem o exercício pleno do direito à privacidade, tais como: câmeras nos mais variados locais (nas ruas, no ambiente de trabalho, no elevador, nas portarias, etc.); monitoramento de e-mails no local de trabalho; os imensos bancos de dados formados com nossos dados cadastrais, preferências, operações bancárias e os mais variados tipos de informações, até mesmo nossas imagens, dos quais não se sabe ao certo, se há a devida proteção.


Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto para Livraria do Âmbito Jurídico!

Diante disso, é extremamente pertinente indagarmos: Até que ponto estamos resguardados pelo direito à privacidade? Quais são os limites à privacidade?


Como tentativa de solucionar tal questão, é possível sugerir a adoção de mecanismos juridicamente válidos, aptos a evitarem a temerária “expectativa de privacidade”. Nesse caso, a transparência é a alma do negócio.


No âmbito corporativo, no que tange ao monitoramento de mensagens eletrônicas e demais recursos tecnológicos, muito embora as ferramentas de trabalho pertençam ao empregador, o qual está sob a proteção do direito à propriedade, recomenda-se a adoção de políticas internas que tenham o condão de cientificar o empregado acerca da existência de monitoramento na empresa, pois assim evita-se a problemática “expectativa de privacidade”. Entretanto, convém ressaltar que tais políticas internas devem passar pelo crivo do departamento jurídico, visando o respeito à legislação vigente.


No que tange às câmeras, recomenda-se a colocação de avisos que indiquem a filmagem do local, sendo que a gravação deverá recair sobre o local e não sobre determinada pessoa.


Com relação aos bancos de dados, é importante a existência de softwares aptos a resguardarem a segurança desses arquivos, acompanhados de políticas de privacidade.


Igualmente, é importante que o titular do direito à privacidade não se coloque nas chamadas situações de risco. Não se deve tratar de assuntos particulares pelo e-mail corporativo, mormente se há monitoramento na empresa. Em outras palavras, não deve despir-se em frente a uma janela aberta, pois impossível exigir o respeito à privacidade em tal situação.


Assim, voltando à questão inicial, uma forma de averiguar se no caso concreto houve violação à privacidade é respondermos uma valiosa pergunta: Existia “expectativa de privacidade” naquela situação?



Informações Sobre os Autores

Renato Opice Blum

Advogado e Economista, sócio do Opice Blum Advogados Associados/SP
Professor de Direito na Florida Christian University, FGV, UNINOVE, PUC, Centro Técnico Aeroespacial e outras

Rubia Maria Ferrão

Advogada do Opice Blum Advogados Associados e professora de Direito Eletrônico


Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto para Livraria do Âmbito Jurídico!

Deleite dos hackers em escritórios de advocacia: aspectos de…

Natasha Reis de Carvalho Cardoso Resumo: O presente artigo busca analisar, a partir de precedentes estabelecidos pela doutrina americana e com base na legislação...
MariaEduarda
28 min read

Pandemia de Dados – Incapacidade cultural para acolher o…

Carlos Henrique Tadeu Ferraz Santos Resumo: O emparelhamento com as novas tecnologias ainda é visto como uma fantasia distante para a maioria da população...
MariaEduarda
13 min read

Aspectos Jurídicos no Combate e Prevenção ao Ransomware: Uma…

Luiza Brito Ling Pedro Henrique Machado da Luz Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto...
MariaEduarda
21 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *