Gestantes e o direito à pensão alimentícia

0


A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, no último dia 15 de julho, projeto de lei que concede as gestantes o direito ao recebimento de pensão alimentícia desde a concepção até o nascimento de seu filho. De acordo com o projeto, a gestante que comprovar a gravidez através de laudo médico e provar, mesmo que com indícios apenas, a paternidade da criança, indicando as condições nas quais se deu a concepção, poderá receber pensão alimentícia para que o provável pai contribua com suas necessidades, de acordo com as possibilidades dele.


O suposto pai deverá auxiliar no pagamento de exames, remédios, alimentação especial, assistência médica e psicológica, internações, parto, prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis, a juízo do médico, além de outras que o juiz considere pertinentes. A gestante será ouvida, juntamente com testemunhas, e o possível pai. Caso o suposto pai conteste a paternidade, deverá ser realizado exame que isso comprove ou não. O exame no caso, o único capaz de fazer tal constatação com o máximo de segurança, é o de DNA.


A lei beneficiará as gestantes que são abandonadas durante ou até mesmo antes da constatação da gravidez e que acabam por arcar com todas as despesas para uma gestação minimamente saudável, ficando o pai desonerado de suas obrigações para com seu filho, já que a pensão visa o bem estar da mãe e, consequentemente do feto.


É certo é que o pai que abandona a mãe de seu filho ao saber da gravidez, o que não é raro, dificilmente aceitará a paternidade apenas por indícios apresentados por ela. Certamente contestará a paternidade, o que exigirá a realização de exame de DNA, iniciando-se uma verdadeira investigação de paternidade. Mas a lei fará com que a gestante tenha direito ao recebimento da pensão desde o momento em que houver a citação do suposto pai para o processo no qual pede a pensão.


Não resta dúvida de que haverá pedidos infundados, sem qualquer critério, que poderão induzir o juiz em erro, determinando o pagamento de pensão àqueles que não são responsáveis pela paternidade, exigindo-se por isso o exame de DNA.


Sob um dos aspectos que envolvem a lei, foi “criado” algo que já existia: a investigação de paternidade.


Além disso, dizem médicos especialistas, que o procedimento para retirada de material para o exame de DNA não é aconselhável para a gestante que está passando por uma gravidez sadia. É criar uma situação de risco expondo o feto de maneira desnecessária, do ponto de vista médico.


O que temos por ora é a incerteza de como será aplicada à lei nos casos práticos. Só o tempo dirá se a lei atingiu seus objetivos considerando-se que visa agir sobre terreno repleto de subjetividades como ocorre em todas as questões que envolvem o Direito de Família.



Informações Sobre o Autor

Sylvia Maria Mendonça do Amaral

Advogada especializada em Direito Civil, atua na área de indenizações, e sócia do escritório Mendonça do Amaral Advocacia


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais