Sistema de Pagamento em Moeda Local – Uma inovação na forma do comércio exterior entre Brasil e Argentina

0


Brasil e Argentina caminham juntos para a consolidação de suas relações comerciais e também propiciam o fortalecimento do Mercado Comum do Sul (Mercosul). Através do convênio firmado em Brasília no dia 8 de setembro de 2008 quando da visita da presidente da Argentina, Sr. Cristina Fernandez de Kirchner, foi o criado o Sistema de Pagamentos em Moeda Local entre a República Argentina e República Federativa do Brasil (SML). Trata-se de operação em que o pagamento das importações e exportações entre Brasil e Argentina poderá ser realizado através das respectivas moedas de cada país. Explica-se. O exportador argentino que vê no mercado brasileiro um potencial comprador poderá receber em pesos pelo pagamento de sua mercadoria e o importador brasileiro, que vislumbra a qualidade dos produtos argentinos, poderá pagá-los em reais, ou seja, não existe mais a conversão tanto do real quanto do peso em dólar para a realização de uma operação comercial entre Brasil e Argentina. Importante ressaltar que tal medida adotada pelos governos de Brasil e Argentina não se trata de uma lei propriamente dita e sim de uma concessão pelos governos de uma outra maneira de realização das transações comerciais entre brasileiros e argentinos. A utilização do Sistema de Pagamentos em Moeda Local não é obrigatória nas transações realizadas entre Brasil e Argentina, assim configurando a voluntariedade da utilização do sistema, quando do interesse dos exportadores e importadores, que ainda também podem realizar uma transação comercial em outra moeda de seu interesse, com operação de câmbio específica. Segundo texto contido no Convênio celebrado o objetivo do Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML) é criar “um sistema bilateral de pagamentos em moedas locais, cujo objetivo é facilitar as transações entre os dois países em moedas locais e reduzir as transferências em divisas (dólares dos Estados Unidos) entre si”.


A moeda americana era largamente utilizada como fator cambial para uma operação entre Brasil e Argentina e quase todas as transações de comércio exterior entre Brasil e Argentina estavam vinculadas ao dólar. Com a eliminação de uma terceira moeda nas transações diretas entre as empresas, o exportador, ao fixar o preço da exportação na moeda de seu país, deixará de ficar exposto a variações nas taxas de câmbio e terá a certeza de que receberá exatamente o valor negociado na sua moeda, o que confere mais segurança no cálculo dos seus custos. Cria-se assim uma forma simplificada de transação comercial, propiciando também uma redução nos custos operacionais, pois, conforme já comentado, não é mais necessário qualquer operação de câmbio.   


Procedimentalmente o SML funciona da seguinte forma: “o relacionamento dos bancos centrais com as instituições financeiras participantes do SML e destes com os exportadores e importadores será efetuado nas respectivas moedas locais, seja para fins de pagamento das exportações, seja para fins de recebimento das importações.
O SML será acionado pelo importador que deverá registrar sua operação e executar o pagamento da operação em sua própria moeda em uma instituição financeira conveniada. A partir de então, ocorrerá a compensação entre os bancos centrais dos valores em moeda local. Após esta compensação, os bancos centrais executarão o crédito aos exportadores via sistema bancário. Por parte do importador, tem-se que o mesmo deverá se dirigir a uma instituição financeira participante para registrar a operação e efetivar o pagamento. Este pagamento será realizado com base em uma taxa de câmbio negociada com a instituição financeira ou na própria Taxa SML divulgada no final do dia. Para o exportador basta que forneça seus dados bancários ao importador, que será encarregado de ingressar a operação no SML. Após a efetivação da operação, o exportador recebe em sua conta corrente os valores correspondentes.” [1] Atualmente são permitidos no SML pagamentos relativos a operações de qualquer natureza entre pessoas físicas ou jurídicas, residentes, domiciliadas ou com sede na Argentina ou no Brasil. Pode ocorrer a restrição do SML a operações de determinada natureza, todavia até o presente momento, nenhum medida neste sentido foi adotada e assim operações de qualquer natureza são válidas.


No que tange as instituições financeiras, denota-se que elas são “parceiras” dos importadores e exportadores quando da escolha da utilização do SML.  Toda instituição financeira que operar com o SML terá que ser autorizada pelos Bancos Centrais de Brasil e Argentina, que se comprometeram a trocar entre si regularmente a lista de Instituições Autorizadas em seus respectivos sistemas financeiros, com o fim de se manterem informados sobre eventuais modificações e evitar a aceitação de registros de pagamentos destinados a instituições financeiras que não sejam ou deixem de ser autorizadas pelo outro Banco Central. Assim sendo, tem-se que destacar a relevância que o empresário deve dar quando escolha da instituição financeira, pois esta será a “porta de entrada” do pagamento e da efetivação da transação comercial à ser realizada, sendo que as instituições financeiras autorizadas assumirão total e qualquer responsabilidade pelo registro de operações e de pagamentos no SML.


Importante ressaltar a relevância dada a assinatura deste convênio, consubstanciada por uma vontade política imensa entre os Governos de Brasil e Argentina. De comum acordo foram estabelecidas várias premissas entre Governo do Brasil e o Governo da Argentina que visam fortalecer a consolidacão do Sistema de Pagamentos em Moeda Local como forma à ser utilizada nas relações comerciais entre Brasil e Argentina. Cita-se as menções de compromisso dos Bancos Centrais, que visam adotar inúmeros esforços para a adoção de todas as medidas cabíveis para a ampla utilização do SML. Ficou também estabelecido que quaisquer controvérsias que surjam entre Brasil e Argentina sobre a interpretação, aplicação ou descumprimento do Convênio do SML serão submetidas aos procedimentos previstos no Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no Mercosul. Todavia o que percebe-se é que dificilmente acontecerá qualquer problema e controvérsia na aplicação do SML, pois Brasil e Argentina notaram que trata-se de uma forma de pagamentos das transações comerciais inovadora que irá ainda mais fomentar o comércio entre estes dois países.


Com a consolidação e a aplicação efetiva deste convênio, renasce a ideia da adoção de uma moeda comum para o Mercosul, assim como acontece na União Européia, contudo pode-se dizer que para a confirmação desta moeda existe um grande caminho à ser percorrido e os passos a serem dados precisam ser lentos e graduais, pois primeiro necessita-se de medidas que visam fortalecer as economias internas dos países do Mercosul, para que assim, com uma maior vontade política dos países integrantes, o sonho de um moeda única possa virar realidade.


 



Notas:

[1] Informação obtida junto ao Banco Central do Brasil.

Informações Sobre o Autor

Luiz Felipe de Matos

Advogado no Paraná


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais