Responsabilidade tributária

0


A primeira seção do Superior Tribunal de Justiça acaba de consolidar o posicionamento de que o administrador e/ou sócio administrador de empresa quando estiverem com seus nomes escritos na dívida ativa terão que provar que não agiram com excesso de mandato, infração a lei, violação do contrato social ou estatutos para não terem ser bens pessoais comprometidos.


O artigo 135 do Código Tributário Nacional estabelece:


Art. 135. São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos:( … )


II – os mandatários, prepostos e empregados;


III – os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado. “


A responsabilidade dos sócios administradores e/ou administradores pelos créditos tributários corresponde, segundo o artigo em questão, a obrigações tributárias que resultarem de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos. Ainda deve ser acrescido ao artigo a responsabilidade do sócio administrador quando houver dissolução irregular da sociedade.


A dúvida que permaneceu durante muito tempo era se o Fisco deveria provar estas situações ou se o ônus da prova era dos sócios e administradores quando seus nomes estivessem escritos na dívida ativa. Agora, a dúvida foi solucionada ficando claro que o ônus da prova caberá ao responsável, sendo ele administrador ou sócio-administrador. O Superior Tribunal de Justiça entendeu que se o nomes dos sócios administradores e administradores estiver constando na dívida ativa, esta inscrição goza da presunção de liquidez, certeza e exigibilidade, ou seja, se o nome do sócio administrador e/ou administrador está lá é porque deve e fez algo errado. Se não fez, prove o contrário!
Mais e se o nome do sócio administrador ou do administrador não estiver escrito na dívida ativa, de quem é o ônus da prova? Neste caso, caberá ao Fisco o ônus da prova, assim, este deverá demonstrar que o sócio administrador ou o administrador agiu com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos.


Em que momento deverá ser feita esta prova? Excepcionalmente será admitida a discussão desta matéria através de exceção de pré-executividade, devido a necessidade de dilação probatória. O que normalmente ocorrerá é que a discussão será realizada através dos embargos à execução ou de terceiros, dependerá de cada caso.


Enquanto se discute esta responsabilidade por meio de embargos certamente que haverá a penhora de bens dos sócios administradores e/ou administradores. E estes o que podem fazer? Ficando constato que não são responsáveis pela dívida tributária eles poderão ajuizar ação de reparação por danos morais e materiais que sofreram face a terem seus bens particulares penhorados indevidamente.



Informações Sobre o Autor

Robson Zanetti

Advogado. Doctorat Droit Privé pela Université de Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Corso Singolo em Diritto Processuale Civile e Diritto Fallimentare pela Università degli Studi di Milano. Autor de mais de 150 artigos , das obras Manual da Sociedade Limitada: Prefácio da Ministra do Superior Tribunal de Justiça Fátima Nancy Andrighi ; A prevenção de Dificuldades e Recuperação de Empresas e Assédio Moral no Trabalho (E-book). É também juiz arbitral e palestrante


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais