Subjetividade e liberdade em Jean-Paul Sartre

0

“Em-si” designa uma realidade outra, uma realidade “radicalmente outra” que não o ser da consciência. O em-si está em uma perspectiva puramente formal que exclui qualquer abertura para qualquer conteúdo em sua realidade. “A consciência em-si do ser está além do ativo e do passivo”. Afirmação e negação se relacionam com a consciência. “O ser é o que é”. O em-si é absolutamente idêntico a si mesmo. O princípio de identidade, portanto, aplica-se ao em-si de modo absoluto. E a identidade do em-si é antes de tudo sua opacidade. “O ser-em-si não tem um interior que se oporia e um exterior”. Apresenta-se como realidade maciça; constitui uma síntese absoluta. “As passagens, o devenir, tudo o que permite dizer que o ser ainda não é o que será e que já é o que não é, tudo isso lhe é recusado por princípio. Por ser “pura positividade”, ignora necessariamente a alteridade. O em-si esgota-se em ser o que ele é; e isto o faz escapar à própria temporalidade. O  “ser-em-si é”, está alheio às noções do possível e do necessário. O ser-em-si é o pleno: “o em-si é pleno de si mesmo e não se poderia imaginar plenitude mais total, adequação mais perfeita do conteúdo ao continente: não existe o menor vazio no ser, por onde se pudesse introduzir o nada”; e por estar soberanamente fechado em si mesmo, confinado na sua inacessibilidade, o ser torna impossível dar a conhecer sua estrutura interna.


Já o “Para-si”, o sujeito em seu mundo, o homem, é o nada. A consciência é para-si. “A consciência nada tem de substância, é uma pura ‘aparência’, no sentido de que só existe na medida em que se aparece”. O para-si é pura interrogação: “este homem que eu sou, se o apreendo tal como é neste momento no mundo, constato que se mantém diante do ser numa atitude interrogativa”. A interrogação instaura uma relação primitiva do homem ao em-si, pois pressupõe um que pergunta e um que é perguntado: “relação original da consciência com o ser”. Uma relação ambígua, porém, que admite uma resposta negativa e uma resposta afirmativa. Coloca-se por princípio a possibilidade de uma resposta negativa, pois a situação do que pergunta configura-se uma “não-determinação: ele não sabe se a resposta será afirmativa ou negativa. Assim, a pergunta é uma ponte lançada entre dois não-seres: não-ser do saber no homem, possibilidade de não-se no ser transcendente”. A pergunta, pois, remete à negação do sujeito, o nada de saber do sujeito, depara com a negação no ser transcendente, e, implica a existência de verdade: o “não-ser da limitação”. O pressuposto da pergunta, a princípio, é o ser e sua afirmação, pois quando se pergunta, parece haver criada a possibilidade de se instalar no próprio seio do ser; mas o que ocorre é justamente o contrário: a pergunta manifesta o nada. A pergunta sobre o ser fica condicionada pela possibilidade permanente do “não-ser”, no sujeito e no objeto: “e é também o não-ser que circunscreverá a resposta: o que o ser será manifestar-se-á necessariamente sobre o fundo daquilo que ele não é”. “O ser é e o nada não é”.


A negatividade conduz ao nada. Mas “não se pode conceber o Nada fora do ser, nem como noção complementar e abstrata, nem como meio infinito no qual o ser estaria suspenso”; “é necessário que o Nada seja dado no coração do Ser”. O nada deve nascer de dentro do ser. Mas não se trata do Ser-em-si, pois este é fechado em si, totalmente opaco, plena positividade, dele não se poderia emprestar o nada, nem mesmo relacionar o nada ao ser. A força nadificadora do nada revela-se no negativo. Também o processo de nadificação supõe o ser, pois ao passo que o nada não é, tal processo não poderia a ele ser atribuído: “o Nada não se nadifica, o Nada é nadificado”. Deve haver um Ser, que não o Ser-em-si, que possua a propriedade de nadificar o Nada, e o Nada deve vir de um ser que o traga dentro de si. Por isso, o Nada se manifesta no mundo através daquele ser que se pergunta sobre o nada de seu próprio ser, ou que deve ser o seu próprio nada. Esse ser bizarro é o homem: “o homem é o ser pelo qual o nada vem ao mundo”. O nada é algo que derivado do homem, possibilitado pela sua consciência. O paradoxo da realidade humana provém da singular unidade entre o ser e o nada; o homem é um ser habitado pelo próprio nada, e que permanece em sua negatividade. O processo nadificador se desdobra em duas direções: o em-si é nadificado, mas apenas na medida em que se processa “uma espécie de recuo nadificador” por parte do para-si; e, o processo nadificador atinge nuclearmente a própria realidade do para-si. Não há, pois, relação de causalidade tanto entre o para-si e o em-si quento no para-si em si mesmo, no seu próprio seio. “Todo processo nadificador só pode tirar sua origem de si próprio”.


O conhecimento da origem do nada permite desdobrar o problema das possibilidades que tem o homem de produzir o nada que o isola da transcendência: o problema da liberdade. Mas liberdade aqui deve ser definida como ontologicamente negativa, pois qualquer tentativa de determinação incide na indeterminação: a liberdade é indeterminação absoluta. A liberdade deve ser desprendimento do passado, seja em um sentido objetivo, seja em um sentido subjetivo: “essa liberdade, que se descobre a nós na angústia, pode caracterizar-se pela existência desse nada que se insinua entre os motivos e o ato”. O passado demarca o homem por um em-si. O reconhecimento do passado deve dar-se em direção oposta: não a partir do ser que é determinado, mas pelo oposto, a partir do nada. O reconhecimento da liberdade implica no reconhecimento do nada como sua raiz geradora. Daí a angústia: “é na angústia que o homem toma consciência de sua liberdade ou, se se prefere, a angústia é o modo de ser da liberdade como consciência de ser, é na angústia que a liberdade, em seu ser, se problematiza para ela mesma”. Eu sou a angústia na medida em que “eu me faço não ser esse passado de boas resoluções que eu sou”. A liberdade humana traz o nada ao mundo.


O homem adota atitudes negativas em relação a si mesmo. “A Consciência é um ser que, em seu ser, é consciência do nada de seu ser”. O homem é um processo de auto-negação, que pode ser caracterizado por um comportamento privilegiado: a má-fé. O homem veste-se constantemente em uma condição superposta a sua. Daí o problema central: “O que somos nós se temos a constante obrigação de nos fazer ser o que somos, se somos segundo o modo de ser do dever ser que somos?”. Assim como o garçom que adota certos gestos típicos de garçom, como o soldado que assume a posição de soldado, o homem  intenta dar corpo a um ser-em-si de sua representação. Mas um homem não pode ser um ser-em-si. Ele busca ser algo sem poder sê-lo. O homem somente consegue realizar um ser-em-si negativamente, conforme o “modo de ser que eu não sou”. Por isso o homem mantém-se distante daquilo que deve ser. Por isso, o homem não coincide com o ser. É, pois, o sentido da má-fé, “fazer que eu seja o que eu sou segundo o modo de ‘não ser o que se é’ ou que eu não seja o que sou segundo o modo ‘de ser o que se é’”. A má-fé repousa no fato da realidade humana procurar ser o que não é, e não ser o que é. A má-fé reside no dualismo constitutivo do existir humano: ser-para-si e ser-para-outro. “A má-fé – ou consciência da má-fé – , embora não seja propriamente um saber, está na origem de todo saber porque transforma a crença em saber; e nessa transformação começa a se esboçar o entendimento daquilo que o homem é. A descrição do fenômeno da má-fé mostra, por um lado, o risco permanente a que se acha submetida a consciência e, por outro lado, permite o acesso ao estudo ontológico dessa mesma consciência (BORNHEIM, 2007:52)      


“O ser da consciência não coincide consigo mesmo em uma adequação plena”. A consciência é o que não é e não é o que é. A consciência é o ser-em-si. A consciência está em oposição ao em-si, portanto, não está plena e adequada para si, pois estes são atributos do em-si. Na consciência as coisas não estão perfeitamente compressadas, mas, ao contrário, pois a consciência é uma descompressão do ser; é impossível defini-la como coincidência consigo própria. “A consciência é consciência de… ela é intencional, e, nesse sentido, o para si é o que não é e não é o que é. A vida da consciência consiste em tender a algo que ela não é, buscando como que coincidir plenamente com o outro que não ela mesma, com um intencionado; assim, ela é o que não é” (BORNHEIM, 2007:54). A intencionalidade é o modo de ser da consciência. Sendo pura intenção, “a consciência não possui ‘parte real’, ‘propriedades’, nem sofre ‘causalidade’” (MOUTINHO, 1995:44). A consciência representa uma degradação do em-si: o ser mesmo da consciência está em sua exterioridade, por isso, a consciência é nada. É a consciência que introduz o nada no ser; e disso deriva uma relação de separação e distância entre em-si e para-si, que se realiza precisamente no “si”. O nada separa o sujeito de si mesmo. Portanto, o fundamento da presença a si está no nada. “A realidade humana é o ser enquanto ele é em seu ser e para seu ser fundamento único do nada no sei do ser”. Embora seu ser consista em ser o que não é e não ser o que é, o Para-si é. O modo de ser do homem resolve-se em termos de pura contingência: sua presença no mundo. O para-si é sustentado por uma perpétua contingência. Também o “para-si sustenta a nadificação determinado-se a si próprio  como falha do ser”. Esta falha elucida-se no conceito de “privação”. A privação adquire significado a partir da totalidade que a motiva: ela é o oposto da totalidade. A privação se faz possível através de um fundo de totalidade. A realidade humana é, pois, uma eterna procura de uma coincidência consigo que nunca é alcançada: o para-si reivindica o ser-em-si para a sua própria condição de para-si – uma síntese que permanece definitivamente impossível. Ainda é possível identificar o ser dos possíveis como estrutura imediata do para-si. O possível se caracteriza como contrapartida da privação. 


A temporalidade constitui a ponte entre as estruturas imediatas do para-si e a sua transcendência. Intenta Sartre fundamentar a temporalidade pela subjetividade. As dimensões que compõem o tempo são “momentos estruturados de uma síntese original”. O tempo não deve pois ser explicado de um modo exterior; como um elemento objetivo no qual o homem se insere, porque isto pode conduzir a uma falsificação do para-si, transformando-o num em-si. Por isso, o tempo deve ser reduzido à temporalidade, que é uma estrutura do próprio para-si. Fora da estrutura de uma síntese original, os momentos que compõem o tempo – futuro, presente e passado – passam a ser reificados e por isso assumem características próprias do em-si. As três dimensões do tempo são estruturas secundárias da temporalidade. “O tempo é uma vasta continuidade de escoamento”. O para-si só pode ser sob a forma temporal; o para-si se faz contingência temporal. “O para-si é o ser que deve ser e o seu ser sob a forma ‘diaspórica’ da temporalidade. E é o conceito de espontaneidade que indica o nunca poder ser em si mesmo que demarca o para-si e a sua necessidade de dispersar nas dimensões da temporalidade. Mas a compreensão do para-si precisa de mais que a elucidação de suas estruturas imediatas e da compreensão da temporalidade. Com efeito, para compreensão do para-si é preciso ainda saber qual a relação original da realidade humana com o ser dos fenômenos e com o ser-em-si. A questão é a transcendência do para-si


Pois bem, é preciso antes compreender a definição de consciência; o que Sartre define como “um ser para o qual se trata, em seu ser, do problema de seu ser enquanto esse ser implica um ser outro que não ele”. Por isso, o conhecimento deve ser entendido como “presença a..”, isto é, presença da consciência à coisa, retomando-se, pois, a questão da intencionalidade. Então, se consciência deve ser consciência de algo, logo, deve o conhecimento deve ser algo interno do para-si. O conhecimento constitui o próprio ser do para-si, enquanto ele é presença a …, “enquanto ele deve ser o seu ser fazendo-se não ser um certo ser ao qual ele é presente”. O para-si apresenta-se a si mesmo como não sendo o que ele não é. Mostra-se, pois, o para-si fora de si: uma negação original. Não se pode, portanto, apreender o sujeito nesta relação. E a relação do para-si ao em-si não pode ser aleatória, pois a totalidade é presença ao mesmo passo que presença só pode ser instaurada pelo para-si. A totalidade permanece aqui como totalidade “destotalizada”, pois, o ser mantém-se diante do para-si como tudo aquilo que o para-si não é. Logo, a realidade humana deve impor-se como negação radical pela qual o mundo se desvela. E é o mundo que se revela como totalidade destotalizada; portanto, como totalidade evanescente. A realidade humana desvela o ser como mundo; um mundo surgido como a possibilidade do para-si poder ser sem poder sê-la. Daí a possibilidade do para-si como ser no mundo. Todo esforço para determinar o em-si instaura-se a partir de um fundo de mundo. Portanto, o mundo se constitui em uma ambigüidade radical: de um lado, o para-si e presença imediata ao ser, e, de outro, há uma distância infinita entre o para-si e o ser.


Com o conhecimento do mundo, sendo o para-si um ser no mundo, surge o problema da intersubjetividade: o para-si descobre a realidade do outro. O olhar mostra-se como modo de ser de uma outra consciência. O outro surge como mediador indispensável do eu consigo mesmo. A presença do outro mostra-se iniludível. “Reconheço que sou como o outro me vê”. O outro, portanto, integra o processo pelo qual me constituo: é pelo para-outro que consigo compreender certas estruturas de meu próprio ser. O outro me olha; a todo instante o outro me olha. E embora se manifeste nos olhos do outro, o olhar me devolve a mim mesmo. “O olhar é, antes de mais nada, um intermediário que remete de mim a mim mesmo”. A conseqüência fundamental desta relação demonstra que já não mais sou o “mestre da situação”: dominado pelo olhar do outro, meu olhar pede seu poder.  E ao olhar o homem reage. O olhar, portanto, revela a existência deste outro para quem é o sujeito. O olhar do outro suscita reações e defesas; logo, o para-si não se caracteriza por uma passividade absoluta em relação ao outro: há o conflito, a luta. A intersubjetividade dá-se pela negação: o para-si nega o outro como aquele que o nega, e pela negação do outro reconhece-se como para-si. As relações concretas com o outro são determinadas também pela intencionalidade. Assim, “olhar o olhar do outro, é colocar-se a si mesmo na liberdade própria de tentar, do fundo dessa liberdade, afrontar a liberdade do outro”. Duas liberdade defrontam-se em sua condição de liberdade. Um outro problema fundamental nas relações com o outro, é que circularmente o para-si é devolvido em uma relação do ser-que-olha ao ser-visto, sem poder jamais sair deste círculo.


Mas o homem é a liberdade de seu próprio ser. A liberdade e a consciência circunscrevem-se reciprocamente. A consciência, por ser um poder nadificador, repele toda tentativa de determinismo da liberdade. Todo ato possui motivo, mas o motivo não é causa do ato. A consciência é temporalidade. E na perspectiva da ação, pode-se dizer que a ação é intencional.  A ação é sempre um ultrapassamento do dado em direção a um fim. A ação possui uma finalidade. Mas a liberdade não tem essência, instaura-se desprovida de qualquer necessidade lógica. No entanto, a liberdade conhece uma necessidade: o homem  não é livre para deixar de ser livre; qualquer outra necessidade, acarreta na recusa à liberdade. O homem reside na liberdade. A negação original e interna do para-si faz da liberdade um incondicionado e absoluto. A liberdade relaciona-se intimamente com a faticidade, pensada esta relação em termos de uma relação entre ser e nada. Com efeito, a liberdade deriva do nada do para-si, mas, ao mesmo tempo, “graças ao em-si bruto, enquanto tal, que ela surge como liberdade”. Por isso, são as resistências que se apresentam nos entes ao ato livre, que permitem o surto da liberdade. Neste sentido, a liberdade pode encontrar limites que ela ultrapassa e nadifica o dado. Mas o dado não pode ser causa da liberdade; no entanto, “há qualquer coisa como um condicionamento ontológico da liberdade”. E este condicionamento ontológico da liberdade diz respeito ao terreno da “situação”.


Toda liberdade está em situação, e não pode haver situação sem liberdade. A situação se apresenta como o produto do que o ato livre faz do em-si: o modo como o para-si nadifica o em-si. Quando a realidade humana se depara com resistências e obstáculos que não foram produzidos por ela, esses obstáculos e resistências somente adquirem tais sentidos por meio da livre escolha, que é a realidade humana. Portanto, a situação se estabelece em um fundo de faticidade. O para-si nada acrescenta às coisas, mas pelo projeto da liberdade, a faticidade é trazida para dentro da esfera humana. O homem só é livre, pois, em situação. Mas essa liberdade, que é autonomia do querer, encontra limites que a tornam impotente: os limites externos da situação podem tornar-se “situação-limite”. Sartre trata aqui do “absurdo da morte” e do “absurdo do nascimento”, fatos puros e contingentes que, por isso mesmo, não podem possuir dimensão ontológica: são fatos que se subtraem do poder nadificador do para-si. Portanto, o para-si livre não pode ser fundamento de si mesmo, isto é, não é a liberdade que decide seu ser-livre, não é a liberdade que escolher ser liberdade, pois o para-si não escolher a liberdade, é ele antes lançado nela. A liberdade deve ser pois engajamento: é fazer algo de algo. Daí que se é a liberdade que cria uma situação, só há liberdade engajada no mundo, isto é em situação. 


O para-si é liberdade, e uma liberdade compreendida como autonomia de escolha. Por essa escolha determina-se o conceito-chave da ética: o valor. O valor, em Sartre, deve brotar da subjetividade. O projeto de liberdade existencial intenta demonstrar ao homem que “ele é o ser pelo qual os valores existem”. Por isso, a liberdade é o único fundamento dos valores que o nada justifica ao adotar tal e tal valor, tal ou tal escala de valores. Logo, como não há natureza humana que determine o que o homem deve fazer, também não pode haver qualquer estrutura ou ordem pré-estabelecida de valores. O valor deve encontrar sua gênese no ato livre. Mas liberdade se faz sinônimo de libertação. E libertação de tudo que não se confunde com subjetividade. Mas libertação também de si mesmo. Nesse sentido, a liberdade é fuga de si, é manter-se à distância de si próprio e haver-se com a angústia de não poder ser. A realidade humana, portanto, nunca está em si mesma, e quando pensa que está, incide em má-fé. O homem habita a si mesmo como um perpétuo estranho de si.


Pautando-se na sua concepção de liberdade e valor, Sartre intenta edificar sua moral da responsabilidade e do compromisso. Definido o valor como criação da subjetividade, a responsabilidade deve ser entendida como consciência de ser do para-si: condenado a ser livre, o homem carrega o peso do mundo; ele se torna responsável pelo mundo e por si mesmo enquanto maneira de ser no mundo. Tudo o que acontece é meu., tudo que me acontece, acontece por mim, se cada pessoa é uma escolha absoluta de si, “eu sou responsável por tudo, salvo por minha responsabilidade, porque eu não sou o fundamento do meu ser”. O mesmo subjetivismo que enceta a responsabilidade, atinge a concepção de compromisso. “Cada vez que o homem escolheu seu compromisso e seu projeto com toda sinceridade e com toda lucidez, qualquer que seja esse projeto, torna-se-lhe impossível preferir outro”. Responsabilidade e compromisso são, de modo geral, tomados no projeto existencial de Sartre como diretrizes, pois o homem é livre projeto de si mesmo, porque escolhe livremente seus fins, seu futuro. Ele deve assumir a situação, com a conseqüência orgulhosa de ser o seu autor, sem desculpas. E esta assunção deve ser, pois, o termo para o qual deve apontar a doutrina sartriana da liberdade. Quer diga sim, que diga não, o homem deve assumir a situação em que está mergulhado: o mundo, a vida. Em síntese – e para concluir – o projeto de liberdade de Sartre está intimamente ligado à constituição subjetiva do para-si, o processo histórico de constituição do sujeito. Não se pode pensar liberdade sem consciência. Não se pode pensar a liberdade sem sujeito, pois, a filosofia para Sartre deve ser uma antropologia, vista no sentido de conhecimento integral do homem, “de um indivíduo considerado ao mesmo tempo como singular e como universal ou, nas palavras de Sartre, como universal concreto” (SILVA, p. 117).  


 


Bibliografia

BORNHEIM, Gerd Alberto. Sartre: metafísica e existencialismo. 3ª ed., 3ª reimpressão. São Paulo: Perspectiva, 2007 (Debates ; 36 / dirigido por J. Guinsburg).

COX, Gary. Compreender Sartre. Tradução de Hélio Magri Filho. Petrópolis: RJ: Vozes, 2007.

MOUTINHO, Luiz Damon S. Sartre: existencialismo e liberdade. São Paulo: Moderna, 1995 (Coleção Logos).

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. 17ª ed.. Tradução de Paulo Perdigão. Rio de Janeiro: RJ: Vozes, 2009.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Sartre. In: PECORARO, Rossano (Org). Os Filósofos clássicos da filosofia: Vol. III – de Ortega y Gasset a Vattimo.. Petrópolis;RJ: Vozes; Editora Puc Rio, pp. 103 a 125.

Informações Sobre o Autor

Carlos Henrique Pereira de Medeiros

Mestre em Filosofia, área de concentração Ética e Filosofia Política, pela Faculdade de São Bento – FSB. Professor nos cursos de Direito e Comunicação Social/Jornalismo da Universidade São Judas Tadeu – USJT, Professor no curso de Direito da Universidade Nove de Julho – Campus São Roque FAC/São Roque, Professor no curso de Direito da Faculdade Integrada Torricelli – FIT. Membro de equipe de pesquisa do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba – CCJ/UFPB. Palestrante do Instituto Parthenon. Vice-presidente da Comissão de Assuntos Legislativos e Parlamentares da 57ª Subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais