Ira e paz

0

O mundo assistiu a uma declaração
histórica. O líder do braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA), Gerry Adams, anunciou que o grupo católico que visa a liberdade da Irlanda do Norte, está se desfazendo de suas
armas, renunciando a política de confronto armado. Logo após, em Londres, o
premiê britânico Tony Blair anunciou a redução de
tropas e a destruição de dois postos de comando militar na região. Enfim, o
mundo pode estar assistindo a fase final de um confronto que nos últimos 30
anos deixou mais de 3.700 mortos e cerca de 33.000 feridos.

Mas de onde se originou o IRA e o confronto entre católicos e protestantes na
Irlanda no Norte? Para responder esta pergunta devemos analisar um pouco da
história da região. Ao que tudo indica, o conflito teve o seu embrião quando no
século XVII a Irlanda foi invadida pela Inglaterra, dividindo o país entre
irlandeses católicos e ingleses protestantes. Com a continuidade da colonização
inglesa na região, o conflito resultou em uma divisão entre os republicanos de
origem católica, que desejavam a formação de uma república irlandesa
independente e os protestantes, a esta altura já irlandeses,
que procuravam manter-se ligados à coroa britânica. A situação se
agravou com o advento da Revolução Industrial no final do século XIX. Enquanto
o sul da Irlanda permanecia extremamente agrário e pobre, o norte da ilha,
formado por maioria protestante, se desenvolveu, beneficiando-se dos avanços
proporcionados pela modernização da indústria. O confronto entre as duas regiões
resultou em uma forte guerra civil que tornou o sul independente do Reino Unido
em 1921.

Décadas após a guerra civil, na década
de 60, a
Irlanda do Norte assistiu ao aumento das tensões entre a minoria católica e a
maioria protestante, ligada a Londres, que liderava o país. Nesta época, o
desemprego era cinco vezes maior entre os católicos e 90% da polícia era
formada por protestantes. A tensão havia chegado no
limite. Então, neste momento, em 1969, com a revolta dos católicos surge o IRA, que buscava a liberdade da Irlanda do Norte através
da implantação da política do medo, via atentados terroristas. Não tardou para
os protestantes constituírem suas próprias milícias armadas, como a UDA e a
UFF.

Mas porque o IRA está se desarmando? De
um lado, pode-se caracterizar como o resultado de um esforço político realizado
pelas lideranças inglesas e irlandesas, pois o Sinn Fein, braço político do IRA,
percebeu o brutal avanço alcançado pelos católicos através do debate pacífico e
democrático desde o “Acordo da Sexta-Feira Santa”, em que a Irlanda do Norte,
apesar de continuar parte integrante do Reino Unido, recebeu autonomia política
através do governo provincial em Belfast e a presença de partidos católicos e
protestantes em seu parlamento. Contudo, de outro lado, o IRA percebeu a
desconfiança dos americanos com sua política desde que foi descoberto o
envolvimento de integrantes do grupo irlandês com guerrilheiros das FARC (grupo
comunista guerrilheiro colombiano patrocinado pelo tráfico de drogas).
Entretanto, o golpe fatal no IRA ocorreu com as ações
terroristas em solo americano. Desde lá, a maioria do povo norte-americano,
inclusive os descendentes de irlandeses, se juntaram em uma só voz contra
qualquer tipo de ato terrorista. Hoje não há dúvidas para o
IRA:  a solução política se tornou a melhor saída para a região.

Apesar de alguns analistas europeus
acreditarem que o confronto está controlado no curto prazo, mas que o IRA tentará a reunificação das duas Irlandas,
o que pode causar um ressurgimento de confrontos, do outro lado, o grupo
irlandês tem a grande chance de se livrar da acusação de ser uma organização
sectária, nacionalista e antiprotestante. A história
tem mostrado que a solução através do saudável diálogo político-democrático é a
mais eficiente e recomendável. O próximo passo é o controle dos grupos
extremistas de ambos lados, seja o IRA Autêntico do
lado católico, sejam as milícias do lado protestante. Hoje a Irlanda do Norte é
formada por 60% de protestantes e 40% de católicos. As pesquisas mostram que
80% da população deseja o desarmamento. O caminho para
paz foi aberto. Será tarefa dos líderes das duas vertentes religiosas cristãs acabar com o sectarismo entre as populações na região e
tornar harmônica a convivência entre protestantes e católicos na Irlanda do
Norte.


Informações Sobre o Autor

Márcio C. Coimbra

advogado, sócio da Governale – Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Mestrando em Relações Internacionais pela UnB.
Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE – Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese – IOB Thomson (www.sintese.com).


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais