Gestão brasileira de recursos hídricos

0


Não obstante a existência de um texto sobre Direito da Água desde 1934, o Código de Águas, tal ordenamento não foi capaz de congregar meios para combater o desperdício, a escassez e a poluição das águas, resolver os conflitos de uso, bem como promover os meios de uma gestão descentralizada e participativa.


Na década de 70 e, especialmente, na de 80, os brasileiros começaram a perceber as ameaças a que estavam sujeitos caso não mudassem de comportamento quanto ao uso da água. Nestas décadas, percebendo o alerta mundial sinalizadas pela comunidade científica em diversas conferências, congressos e eventos internacionais, várias comissões interministeriais foram formadas, além da realização de diversos congressos e simpósios de associações técnicas e científicas brasileiras, para encontrar meios de aprimorar o sistema de gerenciamento de recursos hídricos e minimizar os riscos de comprometimento de sua quantidade e qualidade, pois sua fragilidade já era percebida.


Na década de 90 surgiu a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei nº 9.433/97), instituindo que a gestão hidrológica brasileira deveria continuamente visar os usos múltiplos das águas. Em outras palavras, toda e qualquer medida de gestão adotada deve objetivar sempre a que o aproveitamento dos corpos hídricos seja feito concomitantemente pelos diversos setores produtivos e, ainda, para o consumo, todos em igualdade de condições em termos de acesso. Para tanto, a gestão deve ser descentralizada, com a participação do Poder Público, dos usuários e da comunidade.


É necessário ressaltar que, o desafio da gestão no Brasil é tarefa de grande vulto, pois se trata de país continental cujos passivos ambientais são colossais, a máquina pública é ineficiente, faltam recursos humanos e extremamente escassos são os recursos financeiros realmente disponibilizados. Não obstante estas dificuldades, cabe frisar que as potenciais riquezas naturais brasileiras estimulam o enfrentamento desses empecilhos.


Ocorre que, com uma área de 8.512.000 km2 e mais de 160 milhões de habitantes, o Brasil é, atualmente, o 5° país do mundo em extensão territorial e população, ocupando posição elevada perante a maioria das nações quanto à disponibilidade hídrica de suas bacias hidrográficas estimada em aproximadamente 12% das reservas mundiais de água doce.


Assim, diante o tamanho substancial e contrastes climáticos, populacionais e sócio-econômicos, o Brasil apresenta, à semelhança do restante do mundo, uma distribuição irregular da quantidade de água para os diversos usos requeridos.


Frise-se o posicionamento de João Alberto Alves Amorim (Direito das Águas: O Regime Jurídico da Água Doce no Direito Internacional e no Direito Brasileiro. São Paulo: Lex, 2009, p. 276/277) a respeito das grandes dimensões do Brasil, bem como da disponibilidade hídrica: “O Brasil possui a mais extensa malha hidrográfica do planeta, 55.457 km2 de rios – o que corresponde a 1,66% da superfície do planeta – com uma vazão anual média de 160.000 m3/s. A precipitação média anual no país é de 1.783 mm/ano, e seu potencial hidrológico corresponde a 12% de toda a água doce existente no planeta (53% de toda a água doce superficial da América do Sul) para utilização imediata. Este montante equivale a aproximadamente 8.233 km3/ano (se considerarmos influência da vazão total da bacia amazônica) e de 5.418 km3/ano, se considerarmos valores apenas da Amazônia brasileira. Estes valores colocam o país em primeiro lugar mundial em riqueza hídrica, à frente, respectivamente, de Rússia Estados Unidos da América, Canadá e China. Contudo, em termos de acesso e distribuição per capita a situação altera-se drasticamente, caindo o país para a 26ª posição (48.314 m3/hab./ano), atrás de países com riqueza e potenciais hidrológicos muito mais modestos, como Guiana Francesa (3º), Suriname (6º), Gabão (9º), Bolívia (16º), Chile (20º) e Costa do Marfim (22º). Isto quer dizer que os problemas hidrológicos e a falta de abastecimento perene ou sazonal em algumas regiões do país não são fruto da inexistência ou indisponibilidade de água doce, mas sim de má gestão e de questões envolvendo interesses políticos e econômicos. Mesmo sendo o país mais rico em disponibilidade de água doce, o Brasil ainda possui aproximadamente 20% de sua população sem acesso à água potável, e uma parcela ainda maior submetida ao consumo de água com baixos padrões de potabilidade e com tarifação elevada”.


Ocorre que as políticas públicas aplicadas em terra tupiniquim falharam ao não usar a água como fator de ordenamento da ocupação do solo, o que implicaria distribuir a população pelos Estados e Municípios de forma equilibrada com a disponibilidade dos recursos hídricos e compatível com as características do solo. Aliás, este é um dos grandes desafios da Política Nacional de Recursos Hídricos instituída para garantir às próximas gerações água em quantidade e qualidade necessárias ao bem-estar da população.


Infelizmente a agressão aos recursos hídricos por parte de diversos tipos de usuários chegou a um estado alarmante. Para se ter ideia da dimensão da degradação das águas brasileiras, o professor Plauto Faraco de Azevedo (Ecocivilização – Ambiente e direito no limiar da vida. 2. ed. São Paulo: RT, 2008, p. 92) reuniu o que aqui se denominam tragédias. Veja-se a colocação do autor: “Basta abrir os jornais, cujo relato de fatos recorrentes e recentes é impressionante. Dentre tantos, o vazamento de 1,5 bilhão de litros de lixo tóxico dos reservatórios da empresa Cataguases Papel, que atingiu severamente o rio Pomba, Minas Gerais, e envenenou o rio Paraíba do Sul, no Rio de Janeiro; os sucessivos e graves derramamentos de substâncias nocivas ao ambiente, na Baía de Guanabara; o drama vivido pelo Município de Pirapora do Bom Jesus, onde blocos de espuma de até quatro metros de altura invadiram casa em praças, interrompendo o trânsito da cidade, também vitimada pelo gás sulfídrico, proveniente da poluição do rio Tietê, determinante de dores de cabeça e ânsia de omito em seus habitantes. Estas “são tragédias anunciadas, como a ficção de Gabriel García Marquez, que não são combatidas diante da falta de ação dos governantes”, permitindo-se que se pergunte quando ocorrerá a próxima”.


Diante os exemplos citados, fica evidente a necessidade de se buscar e executar uma gestão de águas de forma a, acima de tudo, proteger os mananciais brasileiros, sob pena de se perder o maior e mais importante patrimônio natural que o homem dispõe.



Informações Sobre o Autor

Tatiana de Oliveira Takeda

Advogada, assessora do Tribunal de Contas do Estado de Goiás – TCE, professora do curso de Direito da Universidade Católica de Goiás – UCG, especialista em Direito Civil e Processo Civil e mestranda em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais