Saneamento básico no Brasil

0


Saneamento básico é a atividade relacionada com o abastecimento de água potável, o manejo das águas pluviais, a coleta e tratamento de esgoto, a limpeza urbana, o manejo dos resíduos sólidos e o controle de pragas e qualquer tipo de agente patogênico, visando a saúde das comunidades.


Sob uma visão jurídica, Hely Lopes Meirelles explica que a lei considera como saneamento básico: a) o abastecimento de água potável, desde a sua captação e tratamento até as ligações prediais; b) a coleta, transporte, tratamento e disposição final dos esgotos sanitários; c) a limpeza urbana de manejo dos resíduos sólidos, com tratamento e destino final do lixo; e d) a drenagem a manejo das águas pluviais urbanas.


Por sua vez, a Lei nº 11.445, de 05.01.2007, que define e estabelece as diretrizes para o saneamento básico, assim como para a Política Federal de Saneamento Básico, também traz um grande avanço na articulação deste tema com o setor de recursos hídricos, pois evidencia que os planos de saneamento básico deverão ser compatíveis com os planos de bacia hidrográfica.


No que pese a importância do saneamento básico na vida de todo cidadão, num contexto mundial, vislumbra-se que tanto o abastecimento de água, como o serviço de saneamento de água não são realidades vivenciadas por todas as pessoas. Ainda é assente a carência destes serviços em grande parte do globo.


Na busca pela interação das políticas de saneamento básico e recursos hídricos, o Ministério das Cidades, publicou o documento denominado Pacto pelo Saneamento Básico – PLANSAB, aduzindo, sinteticamente que “deve-se considerar, também, a ampla interface do Saneamento Básico com a gestão das águas, conforme as diretrizes da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei nº 9.433/1997). Essa legislação tem influência direta na organização e no desempenho do setor, tanto no controle sobre o uso da água para abastecimento, como na disposição final dos esgotos e, ainda, na complexa e sensível interação das cidades com as bacias hidrográficas em termos da situação de disposição dos resíduos sólidos e do manejo das águas pluviais urbanas”.


Diante a tentativa de se reunir esforços para a prestação de um serviço básico à sociedade, eivado de princípios e cuidados para com o meio ambiente, o Brasil tem caminhado no sentido de dar maior enfoque ao assunto em cotejo.


Todavia, a realidade porque passam os brasileiros é preocupante, sendo criado um instrumento visando auferir informações precisas sobre saneamento básico no país. Trata-se do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS, que consiste em um “banco de dados que contém informações sobre a prestação de serviços de água e esgotos, de caráter operacional, gerencial, financeiro, de balanço contábil e sobre a qualidade dos serviços prestados”.


É pelo SNIS que foi possível a constatação de que a população brasileira produz, em média, 8,4 bilhões de litros de esgoto por dia. Desse total, 5,4 bilhões não recebem nenhum tratamento, ou seja, apenas 36% do esgoto gerado nas cidades do país é tratado. O restante é despejado sem nenhum cuidado no meio ambiente, contaminando solo, rios, mananciais e praias do país inteiro, sem contar nos danos diretos que esse tipo de prática causa à saúde da população.


Diante estes números alarmantes, o poder público tem entendido que o assunto saneamento básico é urgente e envolve a qualidade de vida de toda a população, razão pela qual o governo federal tem procurado inserí-lo nas providências de mister.


No dia 21.06.2010, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou de plenária da 4ª Conferência Nacional das Cidades, em Brasília, aonde assinou o Decreto Federal nº 7.217/2010 que tem o papel de regulamentar a Lei nº 11.445/2007, afim de fortalecer a regulação do setor, contribuir para eficiência na gestão e universalização dos serviços. O texto assinado cria mecanismos e canais de participação da sociedade no setor e reforça os instrumentos de planejamento com a exigência de planos de saneamento básico pelos titulares e pela própria União.


A norma em cotejo amplia o conceito de saneamento básico, abrigando as 04 (quatro) modalidades: abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de águas pluviais e resíduos sólidos. Além disso tem o cunho de regular a segurança jurídica entre titular e prestador de serviço e entre prestadores públicos e privados.


Não obstante as tentativas de levar saneamento básico aos que dele não desfrutam, o resultado satisfatório ainda está longe de ser alcançado se não houver investimento massivo, conscientização da população para cobrar dos administradores públicos e atuação política em agenda.




Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais