Sistema partidário e o modelo brasileiro

0

1) Introdução


Instituições de profunda importância, os partidos políticos constituem o cerne de qualquer regime democrático, com importantes funções em termos de representação.


Como evidencia a doutrina, inicialmente procuraremos expor um retrato sobre a definição e as devidas funções dessas organizações. Para tal suporte e observados os limites deste trabalho, calha trazer à observação uma descrição sobre a divisão do sistema partidário e breves características.


A partir do exposto pela doutrina, cumpre identificarmos os traços descritos na realidade brasileira, principalmente no que tange ao multipartidarismo, e o papel dos partidos, de fato, ressaltando dados estatísticos das últimas eleições e sobre as prováveis alianças nas eleições presidenciais de 2010.


Feitas referidas ponderações, concluiremos contrastando nosso ponto de vista à doutrina inicial, evidenciando a realidade do sistema partidário segundo nossa análise.


2). Argumentação


Conceito amplamente aceito pela doutrina dominante, o Brasil é categorizado como uma democracia consensual multipartidária (sistema partidário) e proporcional (sistema eleitoral).


Para discordarmos dessa classificação, iniciemos expondo os tipos de sistemas partidários para depois analisarmos a situação brasileira.


O sistema partidário é subdividido em 3 categorias. São elas:[1]


a). Bipartidário: modelo mais simples conhecido. Característica básica é a existência de dois partidos políticos com significativas condições de alcançar o poder político. São considerados mais estáveis e eficazes na administração pública.[2]


b). Multipartidário: como bem evidenciou Dallari (2005), caracterizam-se pela existência de vários partidos com iguais possibilidades de chegar ao poder. Por vezes é considerado como a forma mais legítima de democracia, uma vez que possibilita representação e atendimento de interesses das minorias. É a tendência atual, de acordo com respeitados doutrinadores.[3]


c). Partido único: identificado como aquele em que um partido conquista postos suficientes para governar sozinho. Mesmo não sendo estritamente ligado à ditadura, sua relação fática é evidente, tendo como exemplos pontuais os regimes autoritários do século XX.[4]


A proibição de constituir partidos contraria o artigo 17 da Constituição Federal[5], o qual está intimamente relacionado com o princípio fundador de nosso regime (art. 1º, V)[6].


Compreendida essa breve exposição, pode-se perceber que os partidos políticos ocupam posição fundamental em nossa sociedade como meio de comunicação entre população e o Estado[7] e com finalidade de solidificar os princípios democráticos. No entanto, esses muitas vezes são subestimados pelo “senso comum”, sendo desvalorizados e acabando por interferir diretamente no conceito de representação.


Nesse sentido, Rodriguês (2002) desmitificou em seu estudo empírico os pré-conceitos sociais, demonstrando que existe coalizão, coesão e previsibilidade de comportamento nos partidos políticos.


De forma semelhante, Lipjhart (2003) evidenciou as muitas dimensões temáticas (socioeconômicas, religiosas, etnoculturais) de conflito partidário existente nas trinta e seis democracias analisadas.


Suas funções elementares são:[8] a) servir de agente catalisador de uma determinada corrente de opinião . b) selecionar e enquadrar os eleitos,  c) educar e informar o eleitor.


Ante o exposto, analisemos se esses conceitos se aplicam à realidade partidária brasileira.


Aplicando os ensinamentos de Duverger (1980), vemos que o multipartidarismo brasileiro não passa de uma ficção mascarada de um bipartidarismo.


Explicamos.


A existência de inúmeros partidos em nosso país não significa que todos têm a capacidade de assumir o poder. Como podemos evidenciar, basicamente nos remetemos a quatro partidos dominantes: PSDB, DEM, PT e PMDB. No entanto, de “partido dominante” não se infere diferença de programas ou ideologias. Basta observar que as políticas econômicas são mantidas e as propostas são basicamente idênticas nos conteúdos centrais (educação, saúde, economia). O exemplo de continuidade das eleições de Lula em 2002 e em 2006 corroboram essa concepção que ignora categorização em “direita-centro-esquerda”.


O mesmo está sendo montado nas eleições presidenciais de 2010. O confronto já evidenciado entre PT e PSDB para o posto presidencial não condiz com as coalizões municipais entre seus candidatos.[9] Ora, se coligações existem para compatibilizar ideais, como explicar esse fato? Como explicar o fato de PT-PSDB estarem unidos em 55 governos municipais? Como compreender o apoio do PMDB ao PSDB nas eleições de 2002 e ao PT nas eleições de 2010? Como entender a coligação PMDB-PSDB em quatro governos estaduais e PMDB-PT em outros três?[10] Evidente que as coalizões formadas são absolutamente independentes de pretensões ideológicas.


Longe de estarem em jogo, os ideais políticos dão lugar a interesses próprios dos partidos (principalmente na busca por cargos ministeriais ou demais formas de participação no governo). Como consequência, vemos a falta de credibilidade por parte da população para com o sistema eleitoral e partidário, gerando déficit de representação e descaso com assuntos políticos.


3). Conclusão


Diante das informações apresentadas, conclimos que embora existam inúmeros partidos inscritos no TSE (total de 27),[11]longe estamos de construir uma sociedade multipartidária, uma vez constatadas a falta de distinções puramente ideológicas entre os partidos, a inexistência de programas políticos com conteúdos alternativos e principalmente as coalizões por interesses secundários às funções dos partidos.


Vê-se, pois, que essa constatação apresenta-se completamente avessa aos ideais democráticos e multipartidários.  Evidenciamos, na realidade, um grande partido de situação[12] sem qualquer oposição[13] devidamente equiparada. E as eleições de 2010 mostram-se plenamente dentro desse entendimento.


Uma frase do renomado cientista político Maurice Duverger sintetiza nosso ponto de vista quanto à relação entre o binômio democracia/sistema partidário e o desenvolvimento econômico: “O Brasil só será uma grande potência se primeiro construir uma democracia”.[14]


 


Bibliografia:

Sites pesquisados:









http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7297

Livros utilizados:

LIPJHART, Arend: Modelos de democracia. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gian Franco. Dicionário de Política. 4. ed. Brasília: Edunb Universidade de Brasília, 1992.

DUVERGER, Maurice. Os partidos políticos. Brasília: Ed: UNB, 1980.

RODRIGUÊS, Leôncio Martins. Partidos; Ideologia e Composição Social – um estudo das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo, EDUSP, 2002.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do estado. 25. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

AVELAR, Lucia. Participação Política.  In AVELAR, Lucia; CINTRA, Antônio Octávio (org). Sistema Político Brasileiro. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

 

Notas:

[1] NOTA: O trecho a seguir de Duverger (1980, p.243) mostra a dificuldade de se estabelecer critérios bem definidos para as divisões: “Nem sempre é fácil distinguir entre o dualismo e o multipartidarismo, por causa da existência de pequenos grupos ao lado dos grandes partidos”

[2] Lipjhart, Arend: Modelos de democracia. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003 (p. 86)

[3] Lipjhart, Arend: Modelos de democracia. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003 (p. 85-111)

[4] BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gian Franco. Dicionário de Política. 4. ed. Brasília: Edunb Universidade de Brasília, 1992.

[5] Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes preceitos.(…)

[6] Art. 1º A República Federativa do Brasi, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos; V – o pluralismo político.

[7] SILVA, Lívia Matias de Souza. A infidelidade partidária e seus reflexos negativos sobre a consolidação das instituições políticas democráticas no Brasil Disponível em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7297

AVELAR, Lucia. Participação Política.  In AVELAR, Lucia; CINTRA, Antônio Octávio (org). Sistema Político Brasileiro. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

[8] FONSÊCA, Josoniel. Partidos Políticos – Uma reflexão. Disponível em: http://www.josonielfonsecaadv.com.br/PARTIDOS%20POL%C3%8DTICOS.pdf

[9] Disponível em: http://www.eleicao2010.net/ Acesso em: 23/05/2010.


[11] Disponível em: http://www.tse.jus.br/internet/partidos/index.htm Acesso em: 23/05/2010.

[12] Como enunciado na revista eletrônica Dom Total. Disponível em: http://www.domtotal.com/colunistas/detalhe.php?artId=907 Acesso em: 22/05/2010.

[13] Oposição e inclusão são os dois princípios básicos de uma democracia, segundo Liphjart (2003)


Informações Sobre o Autor

Victor Hugo Marcão Crespo

Acadêmico de Direito na FGV/SP


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais