Denominação e conceito do trabalho infanto-juvenil nos tratados internacionais e no ordenamento jurídico brasileiro

0

Numa breve pesquisa na legislação infraconstitucional brasileira, observamos que o termo utilizado pela Consolidação das Leis do Trabalho – CLT é “menor”, como se verifica no art. 402, seja na sua redação original, determinada pelo Decreto-Lei n° 229/1967, seja na redação atual, oriunda da Lei n° 10.097, de 19 de dezembro de 2000. 


“Art. 402. Considera-se menor para os efeitos desta Consolidação o trabalhador de quatorze até dezoito anos.”


A Carta Política de 1988, por sua vez adota os vocábulos “Criança e Adolescente” (art. 203, inciso II e art. 227), o que é seguido pela Lei n° 8.069/1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).


Destaca Gustavo Filipe Barbosa GARCIA (2009) que, na realidade, o termo “menor” é pouco esclarecedor. Além disso, o trabalhador com menos de 18 anos, em certas situações, pode trabalhar, com que não é propriamente incapaz para essa atividade, mas sim merece a proteção especial da legislação trabalhista. Por isso, em termos científicos e doutrinários, reconhece-se que a expressão “Criança e Adolescente” revela-se mais atual, específica e adequada.


A definição dos termos Criança e Adolescente estão explicitados no art. 2° caput da Lei n° 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente:


“Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade.


Parágrafo único. Nos casos expressos em lei°, aplica-se excepcionalmente este Estatuto às pessoas entre dezoito e vinte e um anos de idade.”


A Convenção sobre os Direitos da Criança de 1989[1] em seu art. 1° estabelece o conceito de criança, como sendo o ser humano menor de 18 anos de idade. Verbis:


“Art. 1°


Para efeitos da presente Convenção considera-se como criança todo ser humano com menos de dezoito anos de idade, a não ser que, em conformidade com a lei aplicável à criança, a maioridade seja alcançada antes.”


A Convenção Interamericana sobre a Restituição Internacional de Menores, adotada em Montevidéu, em 15.07.1989, e promulgada pelo governo brasileiro através do Decreto n° 1.212, de 03.08.1994, considera menor toda pessoa que não tiver completado 16 anos de idade (art. 2°).


A Convenção Interamericana sobre Obrigação Alimentar, adotada em Montevidéu, em 15.07.1989, e promulgada pelo Brasil em 17.12.1997, pelo Decreto n° 2.428, de 17.12.1997, considera menores as pessoas que não tiverem completado a idade de 18 anos (art. 2°).


Para os efeitos da Convenção Interamericana sobre o Tráfico Internacional de Menores, assinada na Cidade do México, em 18.03.1994, e promulgada pelo Presidente da República em 20.08.1998, pelo Decreto n° 2.740, de 20.08.1998, entende-se por “menor”, todo ser humano menor de 18 anos de idade (art. 2°).


A Convenção sobre os Aspectos Civis do Seqüestro Internacional de Crianças, concluída na cidade de Haia, em 25 de outubro de 1980, e promulgada pelo Brasil através do Decreto n° 3.413, de 14.04.2000, cessa a sua aplicação quando a criança atingir a idade de 16 anos (art. 4°). 


No Estado brasileiro, o trabalho infanto-juvenil tem regras para o seu limite desde a idade mínima até as atividades onde o trabalho poderá ser exercido ou vedado[2].


 


Notas:

[1] Promulgada pelo Decreto n° 99.710, de 21 de novembro de 1990 (DOU de 22.11.1990).

[2] Para melhor aprofundamento da matéria, leia nosso livro – Resumo de Direito Internacional e Comunitário, 2 ed. Publicado pela Editora Impetus.

Informações Sobre o Autor

Jair Teixeira dos Reis

Professor Universitário. Auditor Fiscal do Trabalho. Autor das seguintes obras: Manual de Rescisão de Contrato de Trabalho. 4 ed. Editora LTr, 2011 e Manual Prático de Direito do Trabalho. 3 ed. Editora LTr, 2011.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais