Embargos de declaração na Lei 9099/95. Suspensão do prazo para outros recursos. Quando a pressa é inimiga da perfeição


O advento da Lei 9099/95 para a solução das infrações penais de menor potencial ofensivo, sem dúvida constitui um grande passo no sentido da desburocratização e agilização do sistema penal, aliada a uma redução da violência deste mesmo sistema com a adoção de diversos institutos de caráter despenalizador e descarcerizador. Entretanto, como qualquer obra humana, não deixa de ser passível de críticas, em especial no que tange a determinados aspectos em que ao supervalorizar a presteza da resposta jurisdicional, acaba por negligenciar as garantias de ampla defesa constitucionalmente asseguradas, chegando a um indesejável retrocesso.


É dentro deste quadro lamentável que se assiste à implantação do art. 83, § 2o. daquele diploma legal, tratando como mero caso de suspensão do prazo para recursos a oposição dos embargos de declaração.


Sabe-se que os embargos de declaração têm por fim o esclarecimento da sentença ou acórdão que apresente obscuridade, contradição, omissão ou dúvida, de modo que antes deste esclarecimento não é possível ao opositor atacar a decisão embargada por qualquer recurso, pelo simples fato de que ainda não tem seguro conhecimento daquilo que deverá combater. Este conhecimento quanto ao conteúdo da sentença ou acórdão equivale à imprescindível ciência quanto aos termos da imputação no sentido de possibilitar o exercício livre da ampla defesa e do contraditório de acordo com os ditames do art. 5o., LV, da Constituição Federal. Portanto, nenhuma validade terá o prazo transcorrido antes da oposição dos embargos, enquanto manifestação das mencionadas garantias constitucionais, coarctadas pela própria indefinição da situação jurídico – processual.


O Código de Processo Penal em seus artigos 382 e 619, ao tratar respectivamente dos embargos de sentença e de acórdão, foi silente quanto aos prazos para os demais recursos. Seguiu-se sempre as diretrizes do art. 538 do CPC, considerando a “suspensão” dos prazos. Com as diversas reformas por que passou a lei adjetiva civil, em especial as trazidas pela Lei 8950/94, passou-se a ter por “interrupção” o efeito gerado sobre os prazos de interposição de recursos, enquanto não declarada a sentença ou acórdão. Eis um progresso na amplitude de defesa e uma mudança consentânea com o moderno processo, voltado para a efetiva garantia dos direitos individuais em harmonia com a funcionalidade e eficácia do sistema.


A justiça desse novo mecanismo é evidente, pois que o prazo “interrompido volta depois a ser contado do marco zero; o prazo meramente suspenso é retomado do ponto em que estava antes da suspensão”. A sistemática em destaque possibilita evitar o prejuízo daquele prazo transcorrido antes da oposição dos embargos (Princípio da inteireza dos prazos processuais), quando ao oponente não havia como analisar a decisão e formar qualquer convicção para interposição de eventual recurso. Note-se que nem mesmo o aceno ao chamado “Princípio da Complementaridade” dos Recursos teria o condão de justificar a mera suspensão em detrimento da interrupção. Ocorre que se o recorrente ingressar com o recurso pretendido concomitantemente aos embargos e deixar para complementar suas razões eventualmente após a declaração da decisão também pode sofrer prejuízos em sua ampla defesa e contraditório dependendo da situação, o que seria totalmente evitado pelo respeito à integralidade dos prazos conferido pelo sistema da interrupção.


Por isto, o retorno pela Lei 9099/95 à antiga sistemática de mera suspensão dos prazos, constitui um retrocesso deletério e um golpe doloroso nas garantias individuais, cuja supressão, infelizmente, tem tido em grande incidência a pretensão de erigir-se em meio ou instrumento gerador de maior eficácia e celeridade do sistema penal.



Informações Sobre o Autor

Eduardo Luiz Santos Cabette

Delegado de Polícia, Mestre em Direito Social, Pós – graduado com especialização em Direito Penal e Criminologia, Professor de Direito Penal, Processo Penal, Legislação Penal e Processual Penal Especial e Criminologia na graduação e na pós – graduação da Unisal e Membro do Grupo de pesquisa em bioética e biodireito do programa de mestrado da Unisal.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Malha fina: quais as inconsistências mais comuns e como resolvê-las?

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail! Por Daniel Lima O número de contribuintes que caem na chamada malha fina está aumentando. Ocasionado por inúmeros motivos de inconsistências, divergências de informações

Cassinos no Brasil: da origem aos dias atuais

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Os cassinos no Brasil já foram sinônimo de luxo, poder e diversão. O até hoje famoso hotel Copacabana Palace foi, originalmente, um cassino.

Compliance para startups cresce, mas exige cuidados

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail! Especialista aponta caminhos para um desenvolvimento sólido A quem acredite que as práticas de Compliance devem ser atribuídas exclusivamente às grandes corporações e aos