Direito do Trabalho e exclusão social

0

Introdução

O presente artigo tem como escopo, desenvolver uma reflexão sobre o processo de flexibilização do Direito do Trabalho Brasileiro frente à exclusão social na sociedade contemporânea. Num primeiro momento, discute-se algumas causas que contribuíram para a modificação do conceito de emprego – o avanço tecnológico como causador do desemprego e a conseqüente criação de um contingente de “excluídos” ou como responsável pela criação de novos postos de trabalho não subordinados e despersonalizados.

Posteriormente, passa-se a analisar a flexibilização das condições de trabalho proposta sob a égide do falacioso argumento de que normas mais flexíveis implicariam menores custos e aumento do postos de trabalho. Todavia é imperioso considerar que a negociação entre empregadores e trabalhadores vê-se ameaçada, na medida em que um exército de excluídos se rende à precariedade de qualquer condição de trabalho.

Num último momento, estabelecem-se as considerações finais nas quais se procura não fixar um conceito rígido, pois se assim fizesse, estaria atestando que problemas globais e complexos poderiam ser solucionados de uma única forma.

1. O paradoxo do mercado de trabalho frente à globalização

“Depois da exploração do homem pelo homem em nome do capital, o neoliberalismo e seu braço operacional, que é a globalização, criaram mantêm e ampliam, em nome da sacramentalização do mercado, a exclusão de grande parte do gênero humano. O próximo passo será a eliminação? Caminhamos para o holocausto universal, quando a economia modernizada terá repugnância de custear a sobrevivência de quatro quintos da população mundial? Depois de explorados e excluídos, bilhões de seres humanos, considerados supérfluos, serão exterminados?…” (Carlos Heitor Cony).

A questão que escolhemos abordar refere-se ao seguinte tema: com o irrefreável progresso tecnológico, nos direcionamos a uma redefinição do conceito de empregado, diverso daquele utilizado pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), qual seja: “considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário”[1]. O que nos remonta ao desemprego ou a informalidade do emprego. Na realidade, procuramos compreender como se comporta o Direito Trabalhista ante o “vir a ser” das relações de trabalho ou mais especificamente das novas relações de trabalho produzidas por um mundo globalizado.

É valido destacar que a tecnologia e o processo de globalização influenciam também as relações de trabalho e as normas jurídicas, uma vez que atuam na produção de novos sentidos, novos hábitos e costumes que atuam no campo da cultura.

Para a reflexão dessa realidade, partimos do pressuposto que a globalização constitui um fenômeno complexo, cuja dimensão mais visível é a econômica.

Nesse espaço, econômico, o processo de globalização traz em seu bojo a subproletização do trabalhador face à chamada precarização do trabalho e valorização do uso da tecnologia avançada. Esse fenômeno de natureza estrutural vem tendo efeitos significativos sobre o mercado de trabalho. As reiteradas demissões nos setores de produção que se utilizam da robótica, não geram um contingente de desempregados, mas de excluídos, pois a máquina substituiu definitivamente o homem nesta atividade.

A extinção dos postos de trabalho sem perspectivas próximas de reaproveitamento de trabalhadores em novos afazeres acaba gerando o que denominamos “excluídos”. Anteriormente, o trabalhador que fosse demitido de uma empresa poderia procurar outra e desenvolver o seu trabalho, porém o que se vê hoje é a exclusão, já que perdem o emprego não conseguem mais exercer aquela atividade novamente.

Em sendo um processo relativamente rápido, o desaparecimento de vagas ocorre, quase ao mesmo tempo, na maior parte das empresas, tendo em vista a necessidade da concorrência pela produção mais eficiente. Então, há uma falta generalizada de vagas, que não serão substituídas; daí a característica de permanência e velocidade do desemprego estrutural.

Como observado por Forrester[2]: “o emprego, tal qual concebemos juridicamente, tornou-se um anacronismo”, ou seja, para que se caracterize legalmente o emprego, ele deve ser subordinado, personalizado, oneroso e não eventual. Contudo, constata-se que a subordinação jurídica do empregado vem sofrendo uma certa mitigação, que redunda numa “nova forma de vínculo”, diverso do subordinado.

1.1 O declínio do emprego formal e o crescimento da informalidade

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, no setor formal de mercado do trabalho, onde estão os trabalhadores protegidos por contratos de trabalho e estatutos públicos, foram eliminados cerca de 2,5 milhões de empregos, entre janeiro de 1990 e dezembro de 1997. Cerca de 60% desses empregos situaram-se na indústria de transformação. O volume e a rapidez do declínio do número de postos de trabalho originam-se da substituição da produção doméstica nacional de alguns bens pelo produto importado, do processo de abertura comercial e da terceirização dos serviços pela indústria que, no contexto de uma ampla reestruturação produtiva, conduziu à transferência de postos de trabalho do setor formal para o informal.

A informalidade que abarca os trabalhadores sem carteira assinada tem crescido ao longo desses anos e, a despeito dos direitos consagrados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), está caindo o grau de proteção aos trabalhadores brasileiros, contribuindo assim para a formação de um grupo de excluídos. Conforme o Juiz Trabalhista, Augusto Cesar Ramos,[3] de Santa Catarina “há no mundo, cerca de 1,1 bilhão de pobres e 850 milhões de desempregados, o que equivale dizer que um terço da população planetária está à margem dos falaciosos benefícios da globalização”.Segundo Márcio Pochamnn[4]: “o cenário brasileiro deteve em 1999, a terceira maior quantidade de desempregados em 141 países pesquisados”.

Descomprometido com os novos tempos de globalização, Fernando Henrique Cardoso comenta: “a realidade é que a economia globalizada cria pessoas dispensáveis no processo produtivo, que são ‘inempregáveis’.” O Excelentíssimo Presidente esqueceu que tornar os cidadãos aptos a exercer um de seus direitos sociais é tarefa do Estado.

Como está posto na Lei: “são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho…” (Artigo 6º da CF/88), ou seja, todo cidadão tem direito ao trabalho e para tanto deve ser adequadamente preparado, fator que não se vislumbra, uma vez que a maior parte da nossa população é composta por analfabetos. Como enfrentar essa situação? Como garantir um Direito Constitucional ante as “leis do mercado”?

2. Repensando o direito do trabalho

“Quem não vive o espírito do seu tempo, do seu tempo aproveita apenas os males” (Voltaire)

2.1 O duro caminho da flexibilização

A disciplina jurídica das relações de trabalho acompanha a evolução social e econômica dos tempos, desta feita, atualmente, com a formação da economia, a organização do modo de produção e as circunstâncias sócio-econômica apontam a necessidade da adequação da tutela jurídica do trabalho, através da quebra da rigidez quase absoluta de suas normas, o que vem sendo denominado flexibilização.

O termo “flexibilizar” significa tornar algo “maleável, complacente, submisso”.[5]

No âmbito do Direito do Trabalho, segundo Nelson Mannrich, a flexibilização apresenta-se como um processo de ajustamento das instituições jurídico-trabalhistas à nova realidade capitalista, constituindo-se muito mais em “uma postura de reação a alguma prática ou comportamento rígido do que em um conceito ou ação positiva” e configurando-se como meio pelo qual “a empresa ajusta sua produção, mão-de-obra e condições de trabalho às flutuações do sistema econômico”[6].

Neste quadro, um dilema se apresenta. Como compatibilizar a proteção ao trabalhador? Como determinar a prevalência da norma a ele mais favorável ante a flexibilização das normas trabalhistas?

Uma forma de flexibilização das condições de trabalho consiste na alteração in pejus do contrato de trabalho. Os doutrinadores dividem-se entre os que propõem um modelo individualista, de retorno a autonomia da vontade e do contrato individual, e aqueles que defendem um modelo coletivista, em que a autonomia privada-coletiva predominaria sobre o Estado como fonte normativa. Neste último, que tem a preferência dos doutrinadores, poderiam ser estabelecidas condições de trabalho menos favoráveis do que as previstas em lei, convenção ou acordo anterior, por meio de negociação coletiva, o que fere categoricamente um dos princípios do direito do trabalho, qual seja o da aplicação da norma mais favorável. Dado princípio é enunciado por Américo Plá Rodriguez[7], da seguinte forma: “não se aplicará a norma correspondente dentro de uma ordem hierárquica predeterminada, mas se aplicará, em cada caso, a norma mais favorável ao trabalhador.”

“Pondere-se, neste passo, que vem se desenvolvendo a tese da flexibilização, que a Constituição Brasileira adotou, ainda que timidamente, capaz de proporcionar a adaptação de condições de trabalho, mediante tutela sindical, a situações conjunturais ou exigências de nova tecnologia, assim como a peculiaridades regionais, empresariais ou profissionais.”[8]

O Juiz do Trabalho, Francisco Jucá[9], estabeleceu que é preciso reconceituar a favorabilidade e que a determinação deste favorável precisa ter a percepção do tempo. Para ele, a fórmula encontrada pelo constituinte, neste ponto, tem levado em conta um dos princípios básicos que o direito do trabalho exportou para outros ramos do atuais do direito,

qual  seja o de  que  nenhum interesse  individual ou de  classe  deve ou pode prevalecer sobre os interesses gerais, e legitimou para essa escolha exatamente a entidade de representação dos trabalhadores, o Sindicato.

Eximiu-se o magistrado de esclarecer se os entes sindicais encontram-se efetivamente preparados e em condições de celebrarem ajustes flexibilizadores, que não coloquem em risco a pacificação social e a própria harmonia entre o capital e o trabalho.

Com efeito, objetiva-se com a flexibilização nas relações de trabalho, propiciar novos métodos opcionais ou flexíveis de estipulação das condições de trabalho, alicerçado única e exclusivamente nos aspectos econômicos e exigências do mercado globalizado e competitivo, sem a preocupação com o lado social. Busca-se o aumento da produtividade, a redução dos custos, a implantação da tecnologia, deixando à margem dessa conquista a garantia Constitucional de direito ao trabalho e à legislação de proteção aos trabalhadores.

É de se ressaltar que, os meios pelos quais se persegue a flexibilização dos direitos trabalhistas variam desde os instrumentos da negociação coletiva, na qual exige-se a presença do sindicato profissional (art. 8.º, inc/. VI da CF/88), até a conveniência e interesse do empregador, passando pelo ajuste firmado entre os agentes da relação laboral, via acordo individual de trabalho.

Deste modo, concluímos que ainda que se argumente a necessidade de flexibilização como forma de manter a empresa em condições de competitividade, inclusive como “fator de sobrevivência”, são inquestionáveis os riscos de tal prática, posto que acarretam prejuízos para a classe trabalhadora, na medida em que pode minorar, via negocial, a remuneração e alterar o tempo de trabalho.

2.2 A flexibilização já existente na seara do direito do trabalho

Apesar da alegação que o ordenamento trabalhista, composto pela Consolidação das Leis do Trabalho, das Leis Esparsas e previsões Constitucionais, retarda o desenvolvimento empresarial, não se deve olvidar que tais asseguram os direitos sociais básicos do trabalhador, ressaltando-se que muitos dos seus dispositivos não são sequer cumpridos, mesmo por parte do Governo Federal – como é o caso do salário mínimo previsto no art. 7º, inciso IV da CF/88, cuja previsãoelenca que tal deveria atender às necessidades vitais básicas do trabalhador e às de sua família.

O nosso ordenamento contempla normas flexibilizadoras como: a lei n. 6-19/74, que regula o Trabalho Temporário; a Lei n 9.601/98, que disciplina o contrato por prazo determinado e cria o banco de horas; a medida provisória n 1.952-20/2000, dispondo primordialmente acerca do trabalho a tempo parcial e da suspensão temporária do contrato de trabalho e ainda, a Constituição Federal de 1988, no art. 7º incisos VI, XIII e XIV.

Conclui-se assim, que já existem regramentos que possibilitam flexibilização do direito do trabalho, inclusive para questões primordiais como: salário, jornada de trabalho, forma de contratação. Contudo, é importante destacar que a flexibilização é fundamental para a viabilização de algumas relações de trabalho, todavia, não deve desconsiderar o princípio da proteção do trabalhador.

Considerações finais

O que se deseja de uma conclusão? Um resumo do que já foi dito? Uma crítica das idéias já tratadas no decorrer do artigo?

A conclusão aqui esboçada está apresentada em forma de itens, e nestes o discurso se mistura aos já tratados no decorrer do trabalho, tornando-o plural e não conclusivo.

Convém salientar que as conclusões obtidas nada têm de definitivas, pois o definitivo se constitui na negação da possibilidade de evolução do saber. O conhecimento nunca pode ser visto como final, isso o tornaria conservador. Pelo contrario, deve ele estar sempre em estado de alerta, à procura dos sinais do novo.

São elas:

a)      As novas formas de produção industrial que usam a robótica têm formado um contingente de excluídos, e não de desempregados, uma vez que eles não encontraram em outro lugar um espaço para desempenhar a mesma atividade, pois ela desapareceu quase por completo.

b)      O direito ao trabalho é um direito social de todo cidadão. Quando o Estado descumpre o seu papel de garantidor desse direito, há uma flagrante violação à ordem constitucional, que inclui dentre suas cláusulas pétreas, os direitos e garantias individuais. Na qualidade de direitos constitucionais fundamentais, os sociais são intangíveis e irredutíveis, sendo proibidos qualquer ato que tenda a restringi-los ou aboli-los.

c)       A flexibilização pode gerar um retrocesso social, na medida em que o contrato de trabalho pode ser realizado entre trabalhador e empregador mediante livre negociação, ou seja, sendo as partes tão desiguais, não há que se falar em igual capacidade de negociação e nem em conservação de uma relação minimamente justa de trabalho.

É imprescindível que, ante o imperativo da eficácia econômica a flexibilização deve estar atrelada a exigência de uma ética de justiça social, inspirada em uma ordem democrática que conserve o exercício de direitos fundamentais e não colabore para a formação de um grupo de excluídos.

Referências bibliográficas:
DE MAIS, Domenico. O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-moderna. 4.ed. Brasília: UNB, 2000.
________. Desenvolvimento sem trabalho. São Paulo: Esfera, 1999.
FORRESTER,Viviane. O horror econômico.São Paulo: UNESP, 1997.
JUCÁ, Francisco Pedro. Norma mais favorável ao trabalhador e flexibilização. In: 15.º Congresso Brasileiro de Direito Coletivo e Individual do Trabalho. Jornal do congresso. São Paulo: LTr, 2000.
MANNRICH, Nelson. Limites da flexibilização das normas trabalhista. Revista do Advogado, n.º 54, pág. 30, dez.1998.
Moderno Dicionário Enciclopédico Brasileiro, vol II, Ed. Educacional Brasiliense S/A: Curitiba,1980.
ROCHA, Dalton Caldeira. Cláusula social. In: BARRAL, Welber (Coord.). O Brasil e a OMC. Florianópolis: Diploma Legal, 2000.
RIFKIN, Jeremy. O fim dos empregos: o declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da força global de trabalho.São Paulo: Markron Books, 1995.
RODRIGUEZ, Américo Plá. Princípios de direito do trabalho. São Paulo: LTr, 1978.
SÜSSEKING, Arnaldo. Instituições de direito do Trabalho. Vol. 1. 17.ed. São Paulo: LTr,1997.
Notas:
[1] Artigo 3.º, caput, da Consolidação das Leis do Trabalho.
[2] FORRESTER,Viviane. O horror econômico. p. 13.
[3] RAMOS, Alexandre Cesar. O mundo do trabalho ante a globalização. Busca Legis.[online], Santa Catarina, 4 de março de 2000. Disponível: http:// www.buscalegis.ccj.ufsc.com.Br/arquivos/artigos/a6-mundoTAG.htm [capturado em 4 mar. 2000].
[4] POCHAMNN, Márcio. O desemprego na economia global. Folha de São Paulo, São Paulo, 08 mar. 2000.
[5] Moderno Dicionário Enciclopédico Brasileiro, vol II,Ed. Educacional Brasiliense S/A: Curitiba,1980, pág. 745.
[6] MANNRICH,Nelson.Limites da flexibilização das normas trabalhistas. Revista do advogado, n.º 54, pág. 30, dez.1998.
[7] RODRIGUEZ, Américo Plá. Princípios de direito do trabalho. P.83.
[8] SÜSSEKING, Arnaldo. Instituições de direito do Trabalho. p. 153.
[9] JUCÁ, Francisco Pedro. Norma mais favorável ao trabalhador e flexibilização. In: 15.º Congresso Brasileiro de Direito Coletivo e Individual do Trabalho. Jornal do congresso. p.15.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Liziane Paixão Silva Oliveira

 

Acadêmica de Direito

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais