Negligência e recusa em cumprir ordem judicial levou paciente a óbito em hospital em São Paulo

0

Apesar de ordem judicial paciente luta pela própria vida e tem sua morte antecipada por negligência do hospital. O Advogado Dr. Anselmo Ferreira Melo Costa pede indenização à família da vítima.

Jheison da Silva Feliciano, de 33 anos, foi vítima da violência que assola o país, levando tiros que o deixaram paraplégico aos 17 anos de idade. Desde então começou sua luta para ter uma vida normal.

Além disso, há três anos Jheison lutava contra um câncer em estado grave e tinha uma determinação judicial em seu favor para receber todo o tratamento no hospital de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. No entanto segundo relatos do próprio e de familiares e amigos do paciente, a instituição agiu de forma desumana e afrontosa para com o enfermo, em um caso que segue na justiça, onde há indícios de má fé e recusa ao atendimento por parte do hospital, que teriam levado o paciente a óbito no domingo, 28 de junho, após uma extenuante luta contra a doença.

O paciente tinha seu plano de saúde pela Unimed em dia justamente para ter um tratamento digno, já que o estado não dava. No entanto, mesmo pagando o plano, teve a recusa do seu tratamento, o que o levou a buscar seus direitos na justiça através do advogado e consultor jurídico Dr. Anselmo Ferreira Melo Costaque empreendeu uma verdadeira batalha jurídica para garantir os direitos de um tratamento humano e digno ao paciente.
 
Negligência médica levou paciente à óbito

O advogado à frente do caso aponta os erros cometidos pelo hospital e responsabiliza a instituição pela morte de Jheison da Silva: “Ocorre que por reiteradas vezes o hospital e seus funcionários envolvidos no tratamento do paciente deixaram de efetuar com lisura sua missão de salvar vidas, tendo a instituição viés simples e claro de cunho financeiro. Apesar da decisão judicial que obrigava a ré a fornecer o tratamento, por inúmeras vezes o meu cliente foi deixado sem alimentação na enfermaria, sem cuidados médicos, sem que fosse efetuada sequer a troca de curativos, apesar de seu gravíssimo estado de saúde. A única coisa que a parte autora do processo queria era viver com o mínimo de dignidade os restantes de dias de vida, motivo pelo qual contratou a ré para proceder com seu tratamento. A ré agiu de forma leviana, seja de forma pessoal ou motivos ainda desconhecidos, centralizando unicamente em seus gastos com o tratamento, demonstra total falta de empatia para as condições do autor, o que o levou a óbito prematuro”, ressalta o Dr. Anselmo Ferreira Melo Costa.

Humilhações e descaso do hospital com o paciente

Segundo familiares e amigos de Jheison, as humilhações eram uma constante durante o tratamento no hospital de Guarulhos: “Uma vez que já é sabido que a ré é réu em vários outros processos relacionados pela má prestação de serviços, nota-se que há um padrão na forma como trata pacientes desfavorecidos, que se repetiu com o meu cliente. Além das recusas ao tratamento por diversas vezes, ele era tratado com desdém, chegando a ouvir de um médico que deveria ir para casa porque ali não era nenhum hotel. Houve uma situação em que os funcionários do hospital chamaram a polícia para conter o meu cliente que estava apenas em seu estado psíquico elevado devido a doença, expondo-o ao vexatório em público. O paciente estava sangrando, cheirava mal, com dificuldade motora por estar paraplégico, e além de tudo a ré se recusou totalmente a prover o serviço de Home Care, para que o mesmo pudesse ter seus últimos dias com dignidade.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais