Smartphone x Trabalho: Como estabelecer uma relação saudável

Receba conteúdos e matérias com os maiores especialistas de Direito do Brasil

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Captura de tela 2022 02 02 185206É impossível negar que o celular faz parte do nosso dia a dia. Presente nos mais diversos momentos, esse pequeno equipamento se tornou parte essencial de nossas comunicações e organização, inclusive no trabalho.

Entretanto, algumas empresas entendem que usar o smartphone no trabalho pode ser prejudicial para a produtividade. É possível estabelecer uma relação saudável entre Smartphone x Trabalho?

Para responder a essa pergunta, é preciso analisar não só o cenário atual, mas também o que a legislação brasileira diz sobre o assunto. Afinal, quando uma empresa proíbe o uso de celular no trabalho, ela está dentro da lei? E o que dizer de corporações que enviam mensagens para o funcionário após o expediente?

Confira todas essas informações e veja também 4 dicas para ter uma relação saudável entre Smartphone x Trabalho, para que esse não seja um problema na sua vida profissional.

Como funciona na maioria das empresas

Podemos dividir a maioria das empresas brasileiras em três grupos: aquelas que fornecem um celular para seus profissionais, aquelas que permitem o smartphone e aquelas que proíbem o uso.

No primeiro grupo temos as empresas que optam por fornecer um smartphone para seus profissionais. Isso faz com que o usuário mantenha no equipamento somente dados de trabalho e não se distraia com assuntos pessoais.

Quando esse profissional se desliga da empresa, o celular passa por um processo de eliminação de dados, para ser repassado para uma próxima pessoa. Para isso, softwares como Dr.Fone são utilizados, uma vez que se trata de um kit de ferramentas capaz de reiniciar por completo um celular, além de recuperar dados e gerir informações.

Imagem Freepik | Dr.Fone

No segundo grupo estão as empresas que permitem o uso do smartphone, sendo próprios de seus usuários. Na prática, essas organizações contam com o bom senso dos profissionais, para que o uso do equipamento não prejudique a produtividade.

Por fim, há também as empresas que proíbem totalmente o uso do celular. Muitas delas pedem que o smartphone seja desligado quando a pessoa entra na corporação, para que fique guardado em sua bolsa ou gaveta.

Mas, pela lei, qualquer uma dessas três atitudes é correta?

O que a legislação diz sobre o assunto

Em 2017, foi criado um projeto de lei que pretendia proibir o uso de celular no ambiente de trabalho (PL 9066/2017).

Entretanto, o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) já orienta que as empresas podem estabelecer suas próprias regras em relação ao uso de smartphones. Por isso, o projeto de lei foi retirado da pauta.

Assim, ainda que não exista uma lei que proíbe o smartphone no trabalho, a CLT diz que cada empresa pode criar um estatuto sobre o assunto. Ou seja, se na sua empresa o uso do celular é proibido ou liberado, não há nada que a lei possa fazer.

Mas é importante saber que, mesmo que haja um estatuto sobre o uso, as empresas não devem enviar mensagens para seus profissionais fora do horário do expediente. Isso pode se configurar como hora extra e é passível de processos trabalhistas.

O smartphone em ambiente corporativo

Enquanto algumas empresas proíbem o celular, outras liberam seu uso e contam com a ajuda dos profissionais para criar uma relação saudável com o dispositivo.

De backups de segurança para dados empresariais, até o controle da utilização diária, existem algumas dicas práticas para que o smartphone não se torne um vilão. Confira quatro dicas:

  1. Mantenha informações importantes em segurança:

Fazer o backup dos dados de um celular é uma tarefa que todas as pessoas deveriam fazer, em seus dispositivos pessoais.

Esse backup é ainda mais importante para smartphones utilizados para assuntos do trabalho. Por isso, crie o hábito de fazer backup com frequência, para garantir a segurança das informações.

  1. Controle o uso do smartphone:

Para que seus empregadores não sintam que você está gastando tempo no celular, tente controlar o uso do equipamento.

Para isso, uma dica é configurar suas notificações para que elas não apareçam na tela de bloqueio. Assim, você não fica curioso para desbloquear a tela com muita frequência.

  1. Cuidado com a estrutura física do smartphone:

Especialmente se o seu celular foi cedido pela empresa. Isso porque, muitas vezes, um dano na estrutura física do equipamento é capaz de provocar prejuízos diversos, como a perca de informações relevantes.

Não deixe o smartphone no carro em dias de calor extremo, carregue-o em compartimentos específicos da sua bolsa e evite usá-lo no banheiro (para não ter risco de cair no vaso sanitário).

  1. Coloque limites:

Muitos gestores têm o hábito de enviar mensagens para seus profissionais fora do horário de expediente.

Para que isso não afete a sua vida pessoal, coloque um limite de horário que você olha o aplicativo de mensagens. Você pode, por exemplo, optar por não responder mais depois que você sair da empresa.

Captura de tela 2022 02 02 185152

Trabalho e tecnologia que andam juntos

No mundo ideal, o smartphone e outros dispositivos tecnológicos não seriam vistos como vilões no mundo corporativo. Afinal, tecnologia e produtividade andam juntas.

Aos poucos, é possível que a sociedade empresarial perceba o potencial desse dispositivo e inclua no dia a dia dos profissionais. E quando isso acontecer, o uso consciente fará toda a diferença – como já acontece em milhares de empresas.

Um uso equilibrado do smartphone, tanto para os profissionais quanto para as empresas, é o caminho para aproveitar a tecnologia d

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

A retenção de passaportes e os meios atípicos de execução

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. Atualmente, muito se discute sobre as medidas atípicas adotadas pelo Poder Judiciário com o objetivo de dar maior efetividade ao processo de execução por meio do

Dicas para fazer uma boa gestão de contratos

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. A gestão de contratos é o processo de gerenciamento que envolve a execução e a análise de contratos, a fim de maximizar o desempenho operacional e