Patrimônio cultural material e identidade

Resumo: Este artigo desenvolve a temática interdisciplinar: Patrimônio Cultural Material e Identidade.

As Constituições de 1937 e de 1988, as Leis Infraconstitucionais e as Convenções Internacionais[1] se preocuparam em consagrar o patrimônio, ora chamando de histórico ou cultural, como sendo de interesse coletivo difuso, vale dizer, pertencente a toda coletividade sem particularizar ninguém.

A Carta de 1988[2] avançou ao garantir proteção ao patrimônio material e imaterial, ou seja, não só se preservará o “construído”, mas também o “transmitido”.

Cria-se a idéia de patrimônio cultural ou de meio ambiente cultural, ou ainda, simplesmente ambiente cultural, como uma das fontes necessárias e capazes de alavancar ao patamar de garantia ímpar para a cidadania.

É o que está estabelecido no artigo 216 da Constituição Federal do Brasil:

“O patrimônio cultural é formado por bens de natureza material e imaterial, tomadas individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória[3] dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I – as formas de expressão; II – os modos de criar, fazer e viver; III – as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV – as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artistico-culturais; V – os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico” (grifo nosso).

De acordo com uma política global, a Constituição reconhece que o patrimônio cultural do povo brasileiro faz parte de sua identidade e de sua diversidade cultural.

É, então, um conjunto de elementos que compõe o que se entende por patrimônio cultural.

O patrimônio cultural tem como sujeito de interesses toda a sociedade que reflete sua relevância, trata-se de uma categoria que abrange bens de naturezas diversas, que podem se classificar como bens materiais ou imateriais, móveis ou imóveis, públicos ou privados.

   A proteção que pretendeu o constituinte de 1988 foi de estabelecer e abranger o fenômeno cultural que possui três dimensões fundamentais: criação, difusão e conservação.

Estas dimensões fundamentais – a criação, a difusão e a conservação – estão contempladas no texto constitucional, que põe sob a tutela do Estado (Poder Público), contribuindo, também, a sociedade.

Assim, caberá ao Governo Federal, especialmente por intermédio do Ministério da Cultura, formular e operacionalizar as políticas públicas que assegurem os direitos culturais ao cidadão, criando instrumentos e mecanismos que possibilitem o apoio à criação cultural e artística, o acesso a estes bens culturais e a distribuição destes, bem como a proteção, a preservação e a difusão de todo patrimônio cultural brasileiro.

Deverá, dessa forma, o Estado brasileiro, com a colaboração da comunidade, promover e proteger o patrimônio cultural brasileiro, por meios legislativos ou através de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação e, ainda, de outras formas de acautelamento e preservação.

Juntamente ao Estado, todos nós cidadãos devemos promover a proteção do patrimônio cultural dos municípios, provocando os institutos próprios de preservação ligados à municipalidade, ao Estado, ou, ainda, à União.

Para tal, é importante compreender a ligação existente entre preservação do patrimônio cultural, da memória e da identidade.

Diz Souza Filho (2006, p.53) que o sentido da referida preservação do patrimônio “não é pela materialidade existente, mas pela representação, evocação ou memória que lhe é inerente”.

Pierre Nora (1993, p.7-28) observa que a memória “se enraíza no concreto, no espaço, no gesto, na imagem e no objeto”.

É possível, assim, afirmar que, da maneira como se tratam os monumentos, os edifícios e os fazeres (saberes), se relaciona a sociedade com sua memória e com seu próprio passado.

Como se vê em Pollak (apud Jeudy, 1989, p.3-15):

“As memórias coletivas impostas e defendidas por um trabalho especializado de enquadramento, sem serem o único fator aglutinador, são certamente um ingrediente importante para a perenidade do tecido social e das estruturas institucionais de uma sociedade. Assim, o denominador comum de todas essas memórias, mas também as tensões entre elas, intervêm na definição do consenso social e dos conflitos num determinado momento conjuntural. Mas nenhum grupo social, nenhuma instituição, por mais estáveis e sólidos que possam parecer, têm sua perenidade assegurada. Sua memória, contudo, pode sobreviver a seu desaparecimento, assumindo em geral a forma de um mito que, por não poder se ancorar na realidade política do momento, alimenta-se de referências culturais, literárias ou religiosas. O passado longínquo pode então se tornar promessa de futuro e, às vezes, desafio lançado à ordem estabelecida.”

Segundo Renato Ortiz, a memória nacional pode ser definida como um “universal” que se impõe a todos os grupos sociais, não sendo propriedade de nenhum em particular (1994, p.136).

Continua o autor afirmando que a pluralidade da memória coletiva “não decorre de uma pretensa debilidade imanente ao popular, mas sim da diversidade dos grupos sociais que são portadores de memórias diferenciadas” (Ortiz, 1994, p. 136-138).

De uma forma ou de outra, sempre o que prevalece é a idéia de que a memória coletiva “escolhida” é de quem detém o poder, neste caso o Estado, que é o principal responsável pela preservação do patrimônio.

Lefebvre (1978, p. 226) diz que estes monumentos preservados são partes de um imaginário, o imaginário social.

Aduz que eles são parte de sistemas complexos como os mitos, as utopias, as religiões, através dos quais a sociedade constrói uma representação de si.

Podemos afirmar, então, que este imaginário social traduz-se num processo relacionado à construção de uma identidade coletiva.

É o que advoga Ortiz (1994, p. 138) quando afirma que:

“Toda identidade é uma construção simbólica (e necessária) [4], o que elimina, portanto as dúvidas sobre a veracidade ou a falsidade do que é produzido. Dito de outra forma, não existe uma identidade autêntica, mas uma pluralidade de identidades, construídas por diferentes grupos sociais em diferentes momentos históricos.”

Cito, novamente, o dizer de Milton Santos[5] (1996, p. 263):

“Quando o homem se defronta com um espaço que não ajudou a criar, cuja história desconhece, cuja memória lhe é estranha, esse lugar é a sede de uma vigorosa alienação”.

A identidade cultural nada mais é que um elemento que faz com que tenhamos raízes e estejamos vinculados a alguma coisa ou a alguém Reisewitz[6] (2004, p.102).

Esta vinculação possibilita dar valor ao que é herdado, ou seja, o valor dos bens culturais, assim, tem a magnitude da consciência dos povos a respeito de sua própria vida como em Souza Filho (2006, p.46).

É neste exato momento que parece estarmos diante da derrocado do individualismo exacerbado, momento em que o individuo se encontra com seus pares e consigo mesmo.

Tal é a importância deste patrimônio cultural magnetizando a identidade coletiva que a convenção de Paris de 1972, homologada pelo Decreto n° 80.978, de 12 de dezembro de 1977, aqui no Brasil, sublinhou no:

Artigo 1

Para os fins da presente Convenção serão considerados como "patrimônio cultural":

– os monumentos: obras arquitetônicas, de escultura ou de pintura monumentais, elementos ou estruturas de natureza arqueológica, inscrições, cavernas e grupos de elementos, que tenham um valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência;

– os conjuntos: grupo de construções isoladas ou reunidas que, em virtude da sua arquitetura, unidade ou integração na paisagem, tenham um valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência;

– os lugares notáveis: obras do homem ou obra conjugadas do homem e da natureza, inclusive lugares arqueológicos, que tenham valor universal excepcional do ponto de vista histórico, estético, etnológico ou antropológico.”

De outra face, na órbita estadual[7] e municipal[8] os legisladores não se furtaram de criar fonte conceitual a este patrimônio cultural.

Veja o artigo 1º na norma estadual:

Art. 1º – Os bens, existentes no território estadual ou a ele trazidos, cuja preservação seja de interesse público, quer em razão de seu valor artístico, paisagístico, bibliográfico, documental, arqueológico, paleontológico, etnográfico ou ecológico, quer por sua vinculação a fatos históricos memoráveis, constituem, em seu conjunto, patrimônio cultural do Estado, e serão objeto de seu especial interesse e cuidadosa proteção.

§ 1º – Incluem-se no patrimônio cultural do Estado os bens que, embora localizados fora de seu território, pertençam a ele ou a entidade de sua administração indireta e se revistam das características mencionadas no presente artigo. […].”

E o artigo 1° da Lei municipal de Pelotas no Rio Grande do Sul:

Art. 1º – Constitui patrimônio histórico e cultural do Município de Pelotas o conjunto de bens móveis e imóveis existentes no seu território, que seja do interesse público conservar e proteger contra a ação destruidora decorrentes de atividade humana e do perpassar do tempo, em virtude de:

a) sua vinculação e fatos pretéritos memoráveis ou fatos atuais significativos;

b) seu valor arqueológico, artístico, bibliográfico, etnográfico ou folclórico;

c) sua relação com a vida e a paisagem do Município.

Parágrafo Único – Os bens a que se refere o presente artigo sujeitam-se a tombamento, nos termos desta lei, mediante sua inscrição no livro tombo.”

Nota-se, nas três esferas, a preocupação do legislador em dar guarida a estes conceitos.

Situa-se dentre deste artigo, ainda, a classificação do patrimônio cultural edificado, o chamado patrimônio de “pedra e cal”, ou como alguns autores chamam, monumental (Armelin, 2008, p. 42).

Nesta espécie se encontram os monumentos ou monumentos históricos (Choay, 2001, p.12) obras arquitetônicas, de escultura ou de pintura monumentais, elementos ou estruturas de natureza arqueológica, inscrições, cavernas e grupos de elementos, que tenham um valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência; os conjuntos: grupo de construções isoladas ou reunidas que, em virtude da sua arquitetura, unidade ou integração na paisagem, tenham um valor universal excepcional do ponto de vista da história, da arte ou da ciência e os lugares notáveis: obras do homem ou obra conjugadas do homem e da natureza, inclusive lugares arqueológicos, que tenham valor universal excepcional do ponto de vista histórico, estético, etnológico ou antropológico.

É de ressaltar que no tópico seguinte estar-se-á aprofundando o liame entre patrimônio cultural edificado e cidadania. Entretanto, não se pode olvidar os saberes e os fazeres transmitidos, vale dizer o patrimônio cultural imaterial.

Entende-se por "patrimônio cultural imaterial" as práticas, representações, expressões, os conhecimentos e técnicas – junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural[9].

Este patrimônio cultural imaterial, que se transmite de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade e contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

O "patrimônio cultural imaterial", conforme definido na Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial de Paris acima, se manifesta em particular nos seguintes campos:

a) tradições e expressões orais, incluindo o idioma como veículo do patrimônio cultural imaterial;

b) expressões artísticas;

c) práticas sociais, rituais e atos festivos;

d) conhecimentos e práticas relacionados à natureza e ao universo;

e) técnicas artesanais tradicionais.

Cabe ressaltar que esta distinção atualmente tem servido de referência para que tanto o patrimônio material com o imaterial tenham seu resguardo nas principais normas brasileiras. Contudo, é bom que se frise que o foco deste artigo é delimitado ao patrimônio cultural material e sua percepção pelo olhar jurídico, incluindo a garantia expressa na Constituição Federal como direito à cidadania.

 

Bibliografia
ABREU, Regina. “Tesouros Humanos Vivos” ou quando as pessoas transformam-se em patrimônio cultural – notas sobre a experiência francesa de distinção do “Mestres da Arte”. In: Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
ALMEIDA, Liciane Machado e BASTOS, Michele de Souza. A experiência da cidade de Pelotas no processo de preservação patrimonial. Revista CPC, São Paulo, v.1, n.2, p.96-118, maio/out. 2006.
ARANTES, Antonio Augusto (org.). Produzindo o passado – Estratégias de construção do patrimônio cultural. São Paulo: Brasiliense, 1984.
ARMELIN, Priscila Kutne. Patrimônio cultural & sistema penal. Curitiba: Juruá, 2008.
BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, s/d.
BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Brasília: UnB, 1996.
BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. São Paulo: Malheiros, 1996.
BOSI, Alfredo. Fenomenologia do Olhar. In: NOVAES, Adauto (org.). O Olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Queiroz Editos,1987.
CANDAU, Joël. Antropologia de la memoria. Buenos Aires, Nueva Visión, 2002.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional. Coimbra: Almedina, 1993.
CASTRO, Sonia Rabello de. O Estado na preservação de bens culturais. Rio de Janeiro: Renovar, 1191.
CHAGAS, Mário. Cultura, patrimônio e memória. In: Ciências e Letras, n. 31, jan-jun 2002. Porto Alegre: Editora da PUC, 2002.
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2006.
CHOAY, Françoise. A Alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora Estação Liberdade e Editora UNESP, 2001.
CUNHA FILHO, Francisco Humberto. Direitos culturais como direitos fundamentais no ordenamento jurídico brasileiro. Brasília: Brasília Jurídica, 2000.
DAHL, Robert. Sobre a democracia. Brasília: Editora UnB, 2001.
DIAS, Renato Duro. Memória e identidade: aplicabilidade dos direitos fundamentais na proteção do patrimônio cultural. In: STOLZ, Sheila (org.) Anais do 1º Congresso Sul-Riograndense de Direitos Fundamentais. Rio Grande, FURG, 2007.
DIAS, Renato Duro. Patrimônio cultural: conceitos e legislação. In: CERQUEIRA, Fábio Vergara e outros. Educação patrimonial: perspectivas multidisciplinares. Instituto de Memória e Patrimônio e Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural, Ufpel. Pelotas: Editora da Ufpel, 2008.
FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em processo – Trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; MinC- IPHAN, 2005.
FUNARI, Pedro Paulo e PELEGRINI, Sandra de Cássia Araújo. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2006.
GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.
GONÇALVES, José Reginaldo dos Santos. A Retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; IPHAN, 1996.
GONÇALVES, José Reginaldo dos Santos. O Patrimônio como categoria de Pensamento. In Memória e Patrimônio: Ensaios Contemporâneos. São Paulo: DP& A, 2003.
HALBWACHS, Maurice. A Memória coletiva. São Paulo: Vértice Editora, 1990.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. 6ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.
HOBSBAWN, Eric. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
IZQUIERDO, Juan. Memória. Porta Alegre, Artmed, 2002.
JEUDY, Henri-Pierre. Memórias do social. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.
LABARRE, Eric Mirieu de. Droit du patrimoine architectural. Paris: LexisNexis, 2006.
LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.
LEITE, José Rubens Morato. Dano ambiental: do individual ao coletivo extrapatrimonial. São Paulo: RT, 2000.
LINCH, Kevin. ¿De qué tiempo es este lugar? Para una nueva definición del ambiente. Barcelona: Editorial Gustavo Pili, 1975.
LINTON, Ralph.  O homem: uma introdução à antropologia. São Paulo, Martins, 1965.
MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 7 ed. São Paulo: Malheiros, 1998.
MAGALHÃES, Mário Osório. Opulência e cultura na província de São Pedro do rio Grande do Sul: um estudo sobre a história de Pelotas (1860-1890). Pelotas: Editora da Ufpel e Livraria Mundial, 1993.
MALINOWSKI, Bronislaw.  Uma teoria científica da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.
MEIRA, Ana Lúcia. O passado no futuro da cidade – Políticas públicas e participação dos cidadãos na preservação do patrimônio cultural de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.
MILARÉ, Edis. Direito do ambiente. 3ª. Ed. São Paulo: RT, 2004.
MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Tutela do patrimônio cultural brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.
NORA, Pierre.  Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto história, São Paulo, n.10, 1993.
ORTIZ, Renato. Cultura e modernidade. São Paulo: Brasiliense, 2001.
ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1998.
PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e direito constitucional internacional. São Paulo: Max Limonad, 2000.
PIRES, Maria Coeli Simões. Da proteção ao patrimônio cultural. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.
RAWLS, John. Uma teoria de justiça. São Paulo: Martin Fortes, 1997.
REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. São Paulo: Saraiva, 2003.
REISEWITZ, Lúcia. Direito ambiental e patrimônio cultural – Direito à preservação da memória, ação e identidade do povo brasileiro. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2004.
RICHTER, Rui Arno. Meio ambiente cultural.  Curitiba: Juruá, 1999.
RICOEUR, Paul. Dever de memória e dever de justiça. In: A Crítica e a Convicção. Conversas com François Azouvi e Maré de Launay.  Edições 70, 1997.
ROIG, Carmem Vera. Futuro sem pretérito? As demolições do patrimônio edificado de Pelotas. Monografia de especialização, Pós-graduação em Artes, IAD, Ufpel, 1997.
ROIG, Carmem Vera; POIDORI, Maurício Couto. Patrimônio Cultural, Cidade e Inventário – Um Caminho Possível para a Preservação. PET/FAUrb/Ufpel, 1999.
ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
SANTOS, Boaventura de Souza. O discurso e o poder. Porto Alegre: Fabris, 1988
SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Editora HUCITEC, 1996.
SARLET, Ingo W. A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998.
SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 4ª ed. São Paulo: Malheiros, 2003.
SILVA, José Afonso da. Direito urbanístico brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Malheiros, 2008.
SILVA, José Afonso da. Ordenação constitucional da cultura. São Paulo: Malheiros, 2001.
SIMÃO, Maria Cristina Rocha. Preservação do patrimônio cultural em cidades. Belo Horizonte: Autêntico, 2001.
SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Bens culturais e proteção jurídica. 2 ed. Porto Alegra: UE, Porto Alegre, 2006.
SOUZA, Marcelo Lopes de. O desafio metropolitano – um estudo sobre a problemática sócio-espacial nas metrópoles brasileiras. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
TELLES, Antonio A. Queiroz. Tombamento e seu regime jurídico. São Paulo: RT, 1992.
 
Notas:
[1] Carta de Atenas de 1931, Carta de Veneza de 1964, Normas de Quito de 1967, Declaração de Estocolmo de 1972, Declaração de Nairóbi de 1976, Recomendação Paris 2003, dentre outras.
[2] BRASIL. Constituição Federal de 1988.
[3] Grifo nosso
[4] Grifo e entendimento nosso. Parece que não há como se desprender da noção de participação do sujeito na construção de seus próprios símbolos identitários.
[5] Milton Santos em: A natureza do espaço – técnica e tempo, razão e emoção traz a noção de espaço geográfico, a idéia de paisagem urbana e de ocupação do território. O autor revela que forma o capitalismo acaba por transformar a paisagem urbana numa luta de territórios. A obra é repleta de conceitos e significados, em especial o que Milton Santos chama de meio técnico científico informacional, a era que vivemos.
[6] Lúcia Reisewitz em: Direito Ambiental e Patrimônio Cultural – Direito à preservação da memória, ação e identidade do povo brasileiro e Rui Arno Richter em: Meio Ambiente Cultural traçam as noções de direito à cultura, à memória, à preservação do ambiente cultural.
A primeira traz aporte sobre a discussão, procedente é claro, da existência de um meio ambiente cultural e um meio ambiente natural, ambos partícipes e comungando do chamado Direito Ambiental. O segundo autor traça, ainda, as noções de identidade e memória.
[7] RIO GRANDE DO SUL.  Lei nº. 7.231, de 18 de dezembro de 1978.
[8] PELOTAS. Prefeitura Municipal. Lei 2.708//1982, de 10 de maio de 1982.  
[9] Convenção de Paris de 2003.

Informações Sobre o Autor

Renato Duro Dias

Bacharel em Direito (UFPel). Pós-graduado em Direito de Família e Sucessões (ULBRA). Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural (UFPel). Foi aluno regular do Mestrado em Direito (PUC/RS). Atualmente é Coordenador do Curso de Direito da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Professor Assistente I da FURG, onde ministra Direito Civil, Professor do Curso de Especialização em Educação em Direitos Humanos – FURG/UAB. Membro do Núcleo de Pesquisa, Extensão e Estudos Jurídicos em Direitos Humanos NUPEDH (FURG). Pesquisador do GTJUS – Grupo Transdisciplinar em Pesquisa Jurídica para a Sustentabilidade (CNPq). Advogado. Membro da Comissão Especial de Ensino Jurídico da OAB/RS – Subseção Pelotas. Professor da Escola Superior de Advocacia – ESA – OAB/RS.


Os Limites Jurídicos Para a Exigência de Requisitos de…

Maura Jorge Bordalo Mendonça1   Resumo: Esse estudo tem por escopo a analisar as exigências abusivas concernentes à fase de habilitação do procedimento licitatório,...
MariaEduarda
28 min read

Gestão Organizacional Dos Gabinetes Dos Desembargadores do Tribunal de…

Silvia Maria Lopes Duque: Graduada em Direito pela UFRR (2002). Mestre em Ciências Jurídicas pelo Colegio Universitario Dommingo de Soto Adstrito à Universidade Complutense...
MariaEduarda
23 min read

Princípios da Administração Pública

Nome do Autor: Lucas Amadeu Lucchi Rodrigues – Advogado. Mestre em Segurança Pública pela Universidade Vila Velha. Pós-graduado em Processo Penal pela Faculdade Damásio. Pós-graduado...
MariaEduarda
17 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *