O Direito Agrário e a geopolítica de alimentação

0

Sumário: Introdução. As opções para a reforma agrária no Brasil. Aproveitamento das terras públicas. Indenização da propriedade agrária. Tensões sociais no campo. Imóvel rural. Empresa rural. Espécies de propriedade no Estatuto da Terra. Conclusões.

 

Introdução.

A alimentação pode ser considerada hoje o mais grave problema da nação brasileira.

Mais importante até do que educar o povo é alimenta-lo, na opinião de Pinto Ferreira.[1] O cidadão com fome não trabalha e não produz.

Já em Roma antiga existia a luta pela interferência do Estado no abastecimento. Caio Graco criou a “Lei do Pão” que garantia ao povo receber pão dos armazéns do Estado a um preço reduzido. Entretanto, a oligarquia política assassinou-o.

As grandes revoluções européias foram precedidas de graves crises na alimentação. O exemplo da França, em 1789 e o da Rússia ilustram nossa afirmação.

A grave crise da alimentação de mais de 10 anos de duração foi capaz de exacerbar até a loucura todas as paixões populares. Basta lembrar a afirmação da Rainha francesa, quando do início da Revolução, sugerindo dar brioches ao povo.

Pinto Ferreira comenta que a Revolução Francesa praticamente começou com o povo invadindo as padarias.

Na Rússia revolucionária mais de 12 milhões de pessoas morreram de fome, tendo inclusive a estatura do povo soviético diminuído. Isto porque a natureza protege o ser humano, pois diminuindo o tamanho, favorece a sobrevivência. Basta olhar o povo do nordeste brasileiro.

A crise da alimentação se agrava no país e no continente latino-americano. Basta lembrar o exemplo argentino, no qual as pessoas derrubaram já uma série de presidentes com o movimento do “panelaço”, ou seja, as pessoas estão com fome. E a população faminta derrubará qualquer governante ou qualquer regime político existente.

As opções para a reforma agrária no Brasil.

Três são as posições ideológicas dominantes a respeito da questão agrária no Brasil. Assistencialismo agrário, radicalismo agrário e a reforma agrária gradualista.

Pelo assistencialismo agrário uma política de mera assistência agrária deve ser implementada. A simples divisão de terras não resolve o problema agrário no país. Além de uma reorganização da agricultura nacional, deve existir maior equipe de técnicos, agrônomos, veterinários, comercialização de produtos e educação campesina.

A posse da terra é o elemento decisivo para resolver o problema agrário no país. Pretende-se romper a situação atual que é o de grande concentração de terras nas mãos de poucos. Este é o radicalismo agrário. O eixo do problema está na posse da terra. O essencial é a distribuição imediata de terras ao campesinato.

A reforma agrária gradualista deveria ser feita, então, por meio de lenta e objetiva transformação na estrutura agrária. É a posição ideológica, pragmática do problema. Tem como objetivo além da descentralização da propriedade agrária, medidas concretas de consolidação da reforma na estrutura agrária. O planejamento da reforma agrária deve ser efetivado de modo experimental, para unir tradição com o progresso. Objetiva-se uma reforma agrária cientificamente planejada que distribua as terras e aumente a produtividade pela técnica e pela ciência.

Aproveitamento das terras públicas.

Embora não seja a única solução para o abrandamento das questões sociais no país, a transformação gradativa da estrutura agrária brasileira não pode dispensar a utilização das terras públicas, diminuindo-se, conseqüentemente, a tensão agrária.

Grande parte das terras nacional é pública e está desocupada. O povo brasileiro precisa sair da costa do Atlântico e rumar para o interior do país. Grandes são as extensões de terras desocupadas e o nosso Oeste deve ser ocupado. Antes que o capital internacional o faça.

Indenização da propriedade agrária.

Com o objetivo de descentralizar a propriedade rural por meio de reforma agrária, cogita-se de diferentes formas de desapropriação de terras particulares.

Nos países socialistas as terras dos grandes proprietários foram confiscadas.

A desapropriação pode ser realizada por meio do pagamento pelo Estado de quantia equivalente ao valor da terra a ser desapropriada. O pagamento pode ser feito por dinheiro, por meio de títulos da divida pública ou por ambos simultaneamente.

O grande problema do pagamento feito por títulos da dívida pública é a sua desvalorização. Afinal, todos sabemos das dificuldades em receber um título da dívida pública.

Tensões sociais no campo.

A propriedade rural deve atender à função social, assim como a propriedade em geral.

Existem determinadas zonas críticas ou de tensões sociais que apresentam combinação de potencial,  de índice fundiário, do índice demográfico e do índice sócio-econômico.

São causas de tensões sociais: 1) elevada concentração demográfica rural – caractere de subdesenvolvimento agudo; 2) alto contingente de subempregados, marginalizados, ociosos e espiões; 3) populações flutuantes em empregos temporários; 4) divulgação jornalística; 5) baixo padrão de vida da população; 6) desnível dos padrões de vida da cidade e do campo; 7) imobilidade social; 8) analfabetismo. O resultado de tudo isto é a violência rural.

Imóvel rural.

Para definirmos o imóvel rural podemos utilizar o critério da distinção do imóvel urbano. O imóvel destinado à moradia, ao comércio ou à indústria é urbano. O imóvel destinado à agricultura ou à pecuária é rural, ou rústico.

Também são considerados rurais os imóveis situados fora dos perímetros urbanos.

O Estatuto da Terra define imóvel rural como o prédio rústico, de área contínua, qualquer que seja a sua localização, que se destine à exploração extrativa agrícola, pecuária ou agroindustrial. (art. 4º, I).

O art 4º, inciso I da Lei 8.629, de 25.02.1993, conceitua imóvel rural  como o prédio rústico de área contínua, qualquer que seja a sua localização, que se destine ou possa se destinar à exploração agrícola, pecuária, extrativa vegetal, florestal ou agroindustrial.

Empresa rural.

Já a empresa rural é definida como o empreendimento de pessoa física ou jurídica pública ou privada que explore econômica e racionalmente imóvel rural, dentro de condição de rendimento econômico da região em que se situe e que explore área mínima agricultável segundo padrões fixados, pública e previamente, pelo Poder Executivo. Para esse fim, equiparam-se às áreas cultivadas, as pastagens, as matas naturais e artificiais e as áreas ocupadas com benfeitorias. (Estatuto da Terra, art. 4º, VI).

“Empresa agrária é a unidade econômica constituída pelo complexo dinâmico de capital e trabalho aplicada a uma atividade agrária de natureza permanente, efetuada racionalmente e com o intuito de lucro”.[2]

“Chamamos empresa toda organização cujo objeto é produzir, trocar ou fazer circular os bens ou serviços”.[3]

“A empresa é o local da coordenação dos fatores da produção; o empresário é o coordenador”.[4]

Os próprios decretos que disciplinam o ITR definem a empresa rural como o empreendimento de pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que explore econômica e racionalmente imóvel rural, dentro das condições de cumprimento da função social da terra.

Finalmente Torminn Borges conceitua: “ Afastando-nos do casuísmo legal, podemos definir a empresa rural como o empreendimento que objetiva a exploração econômica e racional do imóvel rural, com a finalidade de produzir bens destinados ao consumo público”.[5]

Espécies de propriedade no Estatuto da Terra.

O Estatuto da Terra prevê três tipos de propriedade, quais sejam a propriedade familiar, o minifúndio e o latifúndio. A Constituição Federal alude à pequena e à média propriedade.

A propriedade familiar é o imóvel rural que, direta e pessoalmente explorado pelo agricultor e sua família, lhes absorva toda a força de trabalho, garantindo-lhes a subsistência e o progresso social e econômico, com área máxima fixada para cada região e tipo de exploração, e eventualmente trabalhado com a ajuda de terceiros. A área será fixada como um módulo rural.

Minifúndio é o imóvel rural de área e possibilidade inferiores às da propriedade familiar.

Já o latifúndio é o imóvel rural que exceda a 600 vezes o módulo médio da propriedade rural ou a área média dos imóveis rurais, na respectiva zona. Se não exceder o limite acima, mas tiver área igual ou superior ao módulo rural e for mantido inexplorado não poderá ser mantido e nem considerado como empresa rural.

Conclusões.

Dentro de um contexto em que é estabelecida a política nacional da fome zero, além de se propor a mesma linha de pensamento nos encontros dos líderes dos demais países do planeta, é essencial que os problemas da humanidade de hoje são muito semelhantes aos problemas de outras eras passadas.

Se as leis e os governantes não trabalharem com a conscientização dos seres humanos, dos indivíduos que estão envolvidos na produção e no consumo dos alimentos, pouco ou quase nada poderá ser concretizado.

Notas
[1] PINTO FERREIRA. “Curso de Direito Agrário” SP: Saraiva, 1994, pp. 119.
[2] RECAGNO, Raul S., “I Congresso Argentino de Direito Agrário”.
[3] TRUCHY, H.
[4] BUDIN, L.
[5]BORGES, Paulo Torminn. “Institutos Básicos do Direito Agrário”, 6º ed, SP: Saraiva, 1991, p.44.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Francisco Mafra.

 

Doutor em direito administrativo pela UFMG, advogado, consultor jurídico, palestrante e professor universitário. Autor de centenas de publicações jurídicas na Internet e do livro “O Servidor Público e a Reforma Administrativa”, Rio de Janeiro: Forense, no prelo.

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais