Estado de perigo

0

Introdução


O presente artigo tem o objetivo de estudar o estado de perigo como o vício do consentimento que é, trazendo todos seus elementos caracterizadores e formas possíveis, além de discussões doutrinárias a respeito e efeitos que acarretam o seu reconhecimento.


Estado de Perigo


Configura-se em estado de perigo a pessoa que assume obrigação excessivamente onerosa para salvar-se, ou pessoa de sua família, de grave dano conhecido da outra parte.


Difere-se, entretanto, a obrigação excessivamente onerosa da onerosidade excessiva. Embora ambas causem a quebra da equivalência entre a prestação e a contraprestação, a obrigação excessivamente onerosa respeita a um negócio jurídico que nasce numa condição de extremo desequilíbrio inter partes, ao passo que a onerosidade excessiva altera as circunstâncias no curso da execução do negócio de prestação continuada.


O estado de perigo está previsto no artigo 156, caput, do Código Civil, e são seus elementos:


a) A existência e a atualidade de um dano grave:


Existência: haver um dano grave à própria pessoa, ou a seu familiar ou a terceiro, que por qualquer circunstância seja beneficiada pela intenção do declarante (devedor).


Atualidade: segundo Teresa Arcona Lopez, “o dano atual significa que o acontecimento que pode originar o dano já existe e, caso não seja interrompido, conseqüências lesivas advirão, com certeza”. Para o declarante deve existir a pressão de escolha entre dois males, isto é, sujeitar-se ao dano ou participar de um negócio em condições desvantajosas.


b) O nexo de causalidade entre o grave dano e a declaração obtemperada para o negócio:


Teoria da equivalência: todas as condições que ensejam um determinado efeito equiparam-se como causa do evento.


Teoria da causalidade adequada: somente a causa direta e imediata que leva ao evento danoso é tida como relação de nexo.


A relação de causalidade, além de interesse teórico, mantém viabilidade prática, já que duas funções podem ser observadas. A primeira aparece como pressuposto da declaração, ou seja, ela só existiu por força do grave dano. A segunda função prende-se justamente na anulação do negócio, porque se a declaração foi feita ignorando-se o dano ou o temor, não se há falar em estado de perigo.


c) Conhecimento do fato de perigo pela contraparte receptora da declaração:


Trata-se de elemento de natureza subjetiva porque o receptor da declaração feita pela pessoa em perigo deve saber do grave dano real ou putativo que atinge o autor da declaração. Aqui fica demonstrada a razão de o estado de perigo situar-se dentre os defeitos do negócio jurídico, já que é a má-fé exaustiva do credor que descumpre o valor constitucional da solidariedade, aproveitando-se do temor do devedor.


d) A assunção de uma obrigação de excessiva onerosidade:


No estado de perigo a prestação é desproporcional à contraprestação, que pode ser um serviço, desde a origem do negócio, o que perturba claramente a noção da equivalência que deve ser mantida. A quebra da equivalência se dará porque o declarante, com raciocínio de que estava diante de um grave dano à pessoa ou aos familiares e afetos afins, compromete seu patrimônio assumindo obrigação excessivamente onerosa. Em contraprestação sempre haverá um serviço de valor inferior, o qual, numa situação de normalidade, não exigiria todo aquele dispêndio.


e) O intuito do declarante de salvar a si próprio, um familiar ou um terceiro:


O parágrafo único do artigo 156 do Código Civil trás a noção de cláusula geral a possibilidade de anulabilidade se estendida a terceiros que não o declarante nem seus parentes, contudo, pela preservação da pessoa humana não seria justo restringi-la somente ao declarante e seus familiares.


Estado de perigo putativo


Encontra-se em estado de perigo putativo a pessoa que julga estar em estado de perigo, concluindo assim certo negócio jurídico. O receptor da declaração, sabendo que a atualidade do dano não é real, aproveita-se do temor mental do declarante para celebrar o negócio.


No dizer de Casare Massino Bianca, “aos fins da rescisão não tem importância que o perigo seja real. Também o perigo putativo é de fato idôneo para comprometer a liberdade de contratação do sujeito”.


Efeito do reconhecimento de estado de perigo


Nos ditames do artigo 178, II do Código Civil, o negócio jurídico celebrado sob estado de perigo será passível de anulação. Para alguns doutrinadores, a solução não estaria na anulação do negócio, mas na redução proporcional do seu valor original ao serviço prestado. Neste diapasão, reza o artigo 606 do Código Civil:


“Se o serviço foi prestado por quem não possua título de habilitação, ou não satisfaça requisitos outros estabelecidos em lei, não poderá quem os prestou cobrar a retribuição normalmente correspondente ao trabalho executado. Mas se deste resultar benefício para a outra parte, o juiz atribuirá a quem o prestou uma compensação razoável, desde que tenha agido com boa fé.”


Moacyr de Oliveira conclui pela impossibilidade dessa redução, asseverando que neste caso o poder do juiz quanto à determinação de pagamento de qualquer remuneração pelo serviço prestado restou limitada, não se filiando à corrente italiana “que opera a redução ou modificação do ônus assumido, com a faculdade expressa na lei de, ao pronunciar a rescisão, atribuir, à vista das circunstâncias, eqüitativa retribuição à outra parte, pelo serviço prestado”.


Nem mesmo se de boa fé estava o receptor da declaração é possível buscar sua remuneração através do estado de perigo, muito embora haja posição divergente. Primeiro porque, a figura do artigo 156 exige a má-fé do receptor. Segundo porque, além disso, nunca deve ser aceito o empobrecimento excessivo do declarante.


Para o Professor Renan Lotufo, ausente a má-fé do credor, aplicar-se-ia no caso a figura da lesão posto não exigir qualquer interação subjetiva (má-fé).


Da aplicação do estado de perigo na hipótese de despesas hospitalares


Há posições que defendem a ocorrência deste vício no ato de garantia, através de cheque caução, prática rotineira nos hospitais particulares que exigem a assinatura de nota promissória em branco a fim de garantir que a parte não descumpra seu dever de adimplemento da obrigação e pela presença da atualidade do dano, que é o da pessoa que se vê compelido a efetuar depósito ou prestar garantia, exigidos pelo hospital, para conseguir internação ou atendimento de urgência de cônjuge ou de parente em perigo de vida.


Trata-se, a meu ver, de relação de consumo, isto porque o devedor é o destinatário final de prestação do serviço realizada por um hospital, que é fornecedor. Considerando que o CDC é norma de ordem pública, portanto cogente nos termos do art. 1º. Não há como se aplicar na hipótese o referido vício de consentimento.


Conclusão


Em suma, o estado de perigo macula a livre declaração de vontade da parte para a realização do negócio jurídico, vez que assume obrigação excessivamente onerosa por encontrar-se diante de um grave dano à sua pessoa, familiar ou afetos afins, o que provoca desequilíbrio entre os pactuantes desde o seu ato de celebração.


O estado de perigo, quando reconhecido judicialmente, importará na anulação do negócio firmado, nos termos do artigo 178, II do Código Civil. Contudo, existe a possibilidade de redução proporcional do valor do contrato, ao invés da sua anulação, quando o serviço prestado resultar benefício para a outra parte, e tenha o prestador dos serviços agido de boa fé, conforme artigo 606 do mesmo diploma.


Inúmeras são as posições doutrinárias que consideram a anulação do negócio jurídico por estado de perigo causa de enriquecimento indevido, haja vista o prestador do serviço ficaria sem a devida contraprestação (pagamento). Neste caso não há que se falar em enriquecimento indevido do declarante, pois sua má-fé lhe retira a causa para cobrança.


 


Bibliografia

LOPES, Teresa Ancona. O negócio jurídico concluído em estado de perigo. In: Estudos em homenagem ao professor Sílvio Rodrigues. São Paulo: Saraiva, 1989.

LOTUFO, Renan. Código civil comentado: parte geral. São Paulo: Saraiva, 2003.

MARTINS, Fernando Rodrigues. O estado de perigo no código civil: uma perspectiva civil constitucional. São Paulo: Saraiva, 2006.

NORONHA, Fernando. O direito dos contratos e seus princípios fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1996.

OLIVEIRA, Moacyr. Estado de perigo. In: enciclopédia Saraiva de Direito. São Paulo: Saraiva, 1977.

RÁO, Vicente. Ato jurídico: noção, pressupostos, elementos essenciais e acidentais: o problema do conflito entre os elementos volitivos e a declaração. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

REALE, Miguel. Um artigo-chave do Código Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

RIPERT, Georges. A regra moral nas obrigações civis. Campinas:Bookseller, 2000.

RODRIGUES, Sílvio. Dos vícios do consentimento. São Paulo: Saraiva, 1979.

Informações Sobre o Autor

Omar Aref Abdul Latif


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais