O problema filosófico da Responsabilidade

0


A grande culpa judaica-cristã que o Ocidente carrega é capaz muitas vezes de trazer um grau insuportável de responsabilidade, nos tornando assim por vezes mais tendentes a ser irresponsáveis do que habitualmente responsáveis…


Seremos nós responsáveis por tudo, e por todos, ou em outro sentido, por ninguém ou por nada. Não é só perquirir sua a validade e crueldade do determinismo. Nossa responsabilidade seria simultaneamente ilimitada e inexistente.


Tal conclusão aporética não é de grande valia se desejamos guiar nossos juízos(sobretudo os morais) diante dos crimes de guerra, da negligência, dos poderes públicos e indo até a danos mais frugais causados pelos animais domésticos, a imóveis em ruína, avalanches, danos morais e, etc.


Parcialmente o que justifica nosso juízo é toda espécie de distinções entre o que é mais ou menos querido e o que não o é aparentemente, entre o que é mais ou  menos sabido, o que é realizado sob constrangimento e aquilo que é realizado espontânea e naturalmente.


Todas essas distinções não têm relevância nenhuma pois nada que acontece depende de nós, nossa responsabilidade é complementa ilusória.


Ou pior, todas essas distinções têm apenas por única função encontrar desculpas para nossas ações deploráveis, são vãs e nossa responsabilidade é absolutamente ilimitada.


Ser responsável significa “ser a causa de”, mas podemos ser responsáveis por atos com que não nos comprometemos voluntariamente e nem conscientemente.


Aliás, a responsabilidade no risco, nada mais é que a causa inconsciente do dano, e é punido extraordinariamente pois ainda prevalece como regra dentro da sistemática jurídica brasileira, a responsabilidade subjetiva, onde se procura a culpa, o nexo causal entre o agir do autor e o dano.


O pânico metafísico desqualifica as diferenças, reduz em muito as causas num plano significativo. Para aplacar os ânimos, analisemos a linguagem, e passemos a mais diversas e usuais significações dos termos como responsável, responsabilidade.


Responsável a grosso modo significa o agir consciente, de forma voluntária e intencional. Responsabilidade refere-se manifestamente aos deveres ou obrigações ligados a um compromisso, um papel, uma função.


Também poderá ter acepção de dever ou de sanção. Não existe identidade conceitual entre ser responsável e ser autor. Assim como não existe também identidade conceitual entre responsabilidade e causalidade. Nem todas as causas são relevantes, assim como nem todas as conseqüências são frutos de nossos atos.


O caráter e as crenças são precisamente coisas que não dependem claramente de nós. E precisamos redescobrir a responsabilidade coletiva que tanto contextualiza nos papéis enquanto ser essencialmente sociais, políticos, culturais e históricos.


O fundamentalismo da responsabilidade reside de fato na historicidade humana.


É absurdo negar o valor moral da responsabilidade coletiva ao lado da responsabilidade positiva representado por um fazer positivo, enquanto que a responsabilidade negativa é representada pelo que deixamos de fazer.


Afinal, pecamos por nossas ações ou por nossas omissões? Difícil dizer. Até mesmo o nosso silêncio pode conspirar contra nós.


Há portanto, uma ausência de identidade conceitual em “ser responsável” e “ser agente consciente” ou voluntário de uma ação, o que justifica em grande parte sermos ilimitadamente responsáveis.


Apesar de que sempre houve filósofos que sustentassem ser injusto, imoral e irracional imputar a quem quer que fosse uma responsabilidade por outra coisa que não depende dele.


Quais os critérios hábeis a distinguir o que depende de nós e o que não depende?


Mas se temos a coerência da idéia da responsabilidade ilimitada e a incoerência da idéia de responsabilidade pessoal estão longe de estar estabelecidas.


A responsabilidade ilimitada esvazia nossas concepções morais, nossos motivos. A justificação racional da responsabilidade é quase tão questionável quanto o conceito de liberdade.


Ainda que renunciássemos a todas as diferenças seria necessário escolher quais valores, razão e experiência são mais relevantes.


De qualquer maneira, é difícil fugirmos do paradigma de sermos responsáveis por tudo e por nada.


A grande culpa judaica-cristã que o Ocidente carrega é capaz muitas vezes de trazer um grau insuportável de responsabilidade, nos tornando assim por vezes mais tendentes a ser irresponsáveis do que habitualmente responsáveis…


Para abordarmos a responsabilidade sempre nos enredaremos aos conceitos de consciência e de vontade. As concepções jurídicas de responsabilidade não refletem obrigatoriamente concepções ordinárias ou filosóficas, são em verdade cortes epistemológicos.


Aristóteles conceituava que o ato é involuntário quando é feito sob coação ou por ignorância, reside no fato do agente não ser ciente do que produz, as vezes localizava a existência doa to na existência da vontade. Sem o que não teríamos nem ato e nem sujeito.


Retornamos ao ponto inicial: Seríamos responsáveis por tudo ou por nada?


Enquanto tivermos um conceito fluido de liberdade teremos também o conceito de responsabilidade. Assim só teremos responsabilidade com a transcendência de nossas forças e obstáculos, com  a efetividade humana sobre a realidade.


Ser responsável inclui os mais céticos a causa mais imediata como também a mediata, talvez a responsabilidade esteja traçada geneticamente, como também pode está registrada em nossa memória histórica e cultural. Quais qualidades humanas superam o mundo exterior e particulariza o agir de cada um? Em qual medida somos únicos e em qual medida somos banais e miscíveis com o todo em torno de nós?


Um dia responderemos a tais questões e seremos todos, responsáveis pela espera e pelas respostas.



Informações Sobre o Autor

Gisele Leite

Professora universitária, Mestre em Direito, Mestre em Filosofia, pedagoga, advogada, conselheira do Instituto Nacional de Pesquisas Jurídicas.


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais