Noções sobre Direitos Fundamentais do Homem e alguns aspectos de uma de suas categorias

0

A expressão direitos fundamentais do homem designa um conjunto de prerrogativas fundamentalmente importantes e iguais para todos os seres humanos, cujo principal escopo é assegurar uma convivência social digna e livre de  privações.

Tais direitos não são apenas comuns a todos os cidadãos de uma determinada unidade política. Estendendo seu significado superior de boa convivência e de bem-estar por toda a Terra como um objetivo que a humanidade pretende concretizar, os direitos fundamentais consistem uma categoria especial de obrigações que encontram sua síntese na solidariedade entre os homens e que se traduzem no exercício de direitos possuidores de um sentido universalmente significativo.

E, devido ao seu sentido universal, o conteúdo dos direitos humanos adquire um valor e reconhecimento que formalizam princípios que são ordinários a todos os povos do mundo, pois todos os homens devem ter iguais direitos, especialmente no que se refere à igualdade de oportunidades, de obtenção de uma boa qualidade de vida e de tratamento fraterno e não discriminativo.

Os direitos fundamentais do homem representam, na verdade, situações reconhecidas juridicamente sem as quais o homem é incapaz de alcançar sua própria realização e desenvolvimento plenamente. Resumindo-se no resultado da luta dos homens por um direito ideal, justo e humano, foram e vão sendo aperfeiçoados e estendidos ao longo do tempo, isto é, a evolução dos direitos fundamentais acompanha a história da humanidade.

E, é em função desta sua qualidade evolutiva na busca por um direito ideal, justo e humano, que se pode afirmar que tais direitos indicam e exprimem a necessidade de verificar a solidariedade entre os homens, a cooperação em cada e em todos os relacionamentos humanos, expressões da vida em comunidade. Por outras palavras, isso quer dizer que a realidade dos direitos fundamentais à existência dos homens, sob a ótica do idealizado pela ética moral de vida vigorante, só pode ser concretizada com o reconhecimento do dever de solidariedade.1

Assim considerados, sob a luz do entendimento da cooperação e da solidariedade entre os homens, os direitos fundamentais designam, portanto, direitos que se erguem constantemente diante do poder estatal, limitando a ação do Estado. Por isso, pode-se afirmar que os direitos fundamentais têm como fonte a vontade soberana de cada povo, quando transportada a questão para o âmbito interno de cada país.

No entanto, há de se dizer que os mesmos não são estabelecidos pelas Constituições políticas, as quais apenas os certificam, declaram e garantem, já que sua realidade é relativamente anterior à formalização da existência do Estado, porquanto aqueles direitos encontram sustentação na vontade soberana do povo. Expressando a unidade política de um povo frente a outros povos, o Estado, que é um simples instrumento a serviço da coletividade, tem, no mínimo, o dever de respeitar os direitos fundamentais erguidos pelos homens que integram a população de um país e, conseqüentemente, de proporcionar as condições para o seu exercício.

Enfim, os princípios do direito universal pertencem a uma ética de vida, a uma ordem moral de vida entre os homens, que os descobrem, aperfeiçoam e nesta moral os transformam, dando-lhes convicção de acordo com a sua própria experiência em busca do ideal.

Os direitos fundamentais do homem estabelecem faculdades da pessoa humana que permitem sua breve classificação do seguinte modo: 1) os direitos de liberdade, como por exemplo, a liberdade de consciência, de propriedade, de manifestação do pensamento,  de associação, etc; 2) os direitos de participação política, tais como a igualdade de sufrágio, o direito de voto e de elegibilidade, o direito de petição, entre outros; 3) os direitos sociais, que abrangem os direitos de natureza econômica, como por exemplo, o direito ao trabalho, de assistência à saúde, à educação, etc; 4) os direitos chamados de quarta geração, por exemplo, o direito à preservação do meio ambiente e à qualidade de vida.

Hoje, a Liberdade Sindical também integra os Direitos Humanos Fundamentais. Consistindo um dos exemplos, dentre as categorias de Direitos Humanos, que claramente demonstra a inexistência de um Direito Natural, como o que tem sido divulgado na doutrina trabalhista, o reconhecimento da Liberdade Sindical como direito fundamental, por todo o planeta, é um perfeito exemplo para certificar que tais direitos têm advindo da evolução da compreensão humana. Ou seja, pertencem a uma ética de vida, a uma ordem moral de vida entre homens, que, descoberta como imprescindível à vida em comunidade, vem evoluindo com a história da humanidade e adquirindo força convicta de verdade.

Veja-se, pois, as resumidas constatações que seguem.

Foi observando o relato histórico da ampliação dos direitos fundamentais do homem, depois dos estudos de Santo Tomás de Aquino sobre a semelhança que há entre os homens, já que todos são filhos de Deus, que se pôde compreender as razões da liberdade sindical.

Para atingir tal objetivo, a abordagem histórica deve partir da análise do ambiente da sociedade medieval, e, em seguida, do estudo da rebelião organizada dos artesãos contra o monopólio da produção exercido pelos mestres. Logo após, conhecendo a humanidade os excessos propiciados pelo individual-liberalismo, que promoveram o desenvolvimento da união clandestina do proletariado em sindicatos e a reivindicação da igualdade por meio do respeito aos direitos sociais, passa, a liberdade associativa, pelos períodos de proibição, tolerância e, finalmente, de permissibilidade só nos fins do século XIX (Lei Waldeck Rousseau, em 1884).

Contudo, o completo reconhecimento do sindicalismo pelo Estado só se deu com a primeira Constituição social do mundo, a mexicana de 1917, acompanhada da Constituição de Weimar.  E, finalmente, alcançou o Tratado de Paz de Versalhes, assinado em 1919, que previu no artigo 427 a liberdade sindical, um documento que é reiterado, em 1948, pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, os dois grandes marcos normativos daquele direito fundamental, que conferiram ao mesmo dimensões internacionais e definitivo reconhecimento neste âmbito.

Daí que, restou comprovado, do estudo histórico, que a liberdade sindical constitui o resultado da luta dos trabalhadores por melhores condições de vida e trabalho. Um direito reconhecido como fundamental, descoberto pouco a pouco, aperfeiçoado e ampliado ao longo da experiência viva dos homens, que acabou transformado em uma ordem moral de vida em sociedade e que tem sua eficácia plenamente respeitada nos países que objetivam o encontro da Justiça Social (o fundamento da paz universal segundo a parte XIII do Tratado de Versalhes), a qual corresponde a um melhor equilíbrio na distribuição e no oferecimento das condições de acesso à democracia nos planos econômico e social.

Confirma a afirmação supra desenvolvida, a certeza de que a descoberta da liberdade sindical é o resultado de convicções que foram sendo adquiridas com o desenrolar da história da humanidade, quer dizer, a observação de que o mencionado direito fundamental não proveio de um suposto direito natural, o simples raciocínio matemático de que, a contar das corporações de ofício, que surgiram por volta de 1351, até a aprovação do Tratado de Versalhes, em 1919, passaram aproximadamente 600 anos.

Nota:

1. O dever de solidariedade, no tocante ao conceito de direitos humanos, consiste noção oferecida em seminário, em março de 1998, pelo Dr. Luís Alberto Warat.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Cristiane Rozicki

 

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais