A toxicomania como doença mental e seus efeitos no processo penal brasileiro

0

Resumo: O presente artigo visa questionar se a dependência de drogas produz efeitos no processo penal brasileiro e, especialmente, se dessas substâncias no organismo durante a prática de algum crime pode gerar a aplicação de medida de segurança. Ao final, o autor propõe um modelo de quesitos a serem usados em eventuais questionamentos feitos aos peritos técnicos para indagar a real extensão dos efeitos das drogas

Palavras chave: drogas, insanidade, penal, medida de segurança, dependência, liberdade.

Abstract: This article aims to question whether drug dependence has an effect on Brazilian criminal proceedings, and especially if the effects of these substances on the body during the practice of a crime can generate the application of a safety measure. In the end, the author proposes a model of questions to be used in eventual questions to be asked for technical experts to investigate the real extent of the effects of drugs

Key words: drugs, insanity, penal, security measure, dependency, freedom.

Sumário: 1. Introdução; 2. Desenvolvimento do tema; 3. Proposta de quesitos acerca da toxicomania ou drogadição; 4. Posição da jurisprudência sobre o tema; 5. Conclusão; 6. Referências.

1. Introdução

Com o artigo que segue se questionará se dependência de drogas[i], conhecida na medicina legal sob o nome de toxicomania ou drogadição, pode implicar em exclusão da culpabilidade do agente por gerar incapacidade de entender o caráter ilícito da conduta. Em específico, também é objetivo do artigo questionar se tal dependência de substâncias ilícitas pode ser debatida no processo penal mediante produção de prova técnica, especificamente, incidente de insanidade mental.

O estudo das perturbações mentais e seus reflexos processuais penais é assunto da mais alta importância técnica e não se restringe apenas ao direito, sendo tema também debatido nos foros acadêmicos da medicina legal. Especificamente, ainda se sabe muito pouco sobre a borda precisa entre a sanidade e a loucura, sendo tal recorte temático de suma importância.

Ao final, e como forma de melhor orientar a atuação de todos os profissionais do direito, se propõe um modelo de quesitos sobre a insanidade mental causada por substâncias que causam dependência e que podem gerar exclusão ou diminuição da responsabilidade penal em juízo.

2. Desenvolvimento do tema

A compreensão exata das doenças mentais incapacitantes e seus efeitos no processo penal é assunto de alta relevância jurídica com expressivos efeitos na relação processual. Especialmente, se ficar comprovado mediante exame de insanidade mental que o acusado, ao momento da ação ou omissão, era incapaz de entender e querer o caráter ilícito do fato será ele absolvido com aplicação de medida de segurança com especial finalidade terapêutica. Esta é a previsão expressa do artigo 26 em combinação com o artigo 96 e incisos do Código Penal (Brasil, 2012)

O estudo das doenças mentais é assunto alta relevância e que corriqueiramente assola os juristas do Brasil em face a sua complexidade na medicina legal. Da mesma forma, os limites dos efeitos da dependência química, seja ela qual for, devem ser estudados com precisão a fim de se ter a melhor resposta penal possível.

O vício ou drogadição[ii] tem sido causa de grandes estudos e a medicina legal tem se dedicado ferozmente a pontuar os problemas sociais e jurídicos causados pelo uso indiscriminado de substâncias  psicoativas. Esta questão toma um contorno mais profundo quando avaliada para a caracterização da responsabilidade penal.

A presença de tais substâncias o organismo pode ter reflexos sobre a culpabilidade do agente, a saber:

“O princípio da culpabilidade deve ser entendido, em primeiro lugar, como repúdio a qualquer espécie de responsabilidade pelo resultado, ou responsabilidade objetiva. Mas deve igualmente ser entendido como exigência de que a pena não seja infligida senão quando a conduta do sujeito, mesmo associada causalmente a um resultado, lhe seja reprovável. … Para além de simples laços subjetivos entre o autor e o resultado objetivo de sua conduta, assinala-se a reprovabilidade da conduta como núcleo da ideia de culpabilidade, que passa a funcionar como fundamento e limite da pena. As relações entre culpabilidade e pena constituem matéria polêmica, que integra a teoria do crime, onde a estrutura e as funções dogmáticas da culpabilidade, seja na economia do crime, seja na fundamentação da pena, são minuciosamente examinadas. Em primeiro lugar, pois, o princípio da culpabilidade impõe a subjetividade da responsabilidade penal. Não cabe, em direito penal, uma responsabilidade objetiva, derivada tão-só de uma associação causal entre a conduta e um resultado de lesão ou perigo para um bem jurídico. É indispensável a culpabilidade. No nível do processo penal, a exigência de provas quanto a esse aspecto conduz ao aforisma ‘a culpabilidade não se presume’, que, no terreno dos crimes culposos (negligentes), nos quais os riscos de uma consideração puramente causal entre a conduta e o resultado são maiores, figura como constante estribilho em decisões judiciais: ‘a culpa não se presume’. A responsabilidade penal é sempre subjetiva’ (BATISTA,1990)

A embriaguez provocada pelo álcool ou outra substância de efeitos análogos, voluntária ou culposa, não exclui a imputabilidade penal. A respeito, ver inciso II do art. 28 do Código Penal. Todavia, os pa­rágrafos desse artigo fazem duas exceções na apuração da responsabilidade penal. O primeiro diz respeito à embriaguez completa decorrente de caso fortuito ou força maior, que retira totalmente, ao tempo da ação ou da omissão, a capacidade de entendimento do caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento – inteira incapacidade. No segundo momento, a Lei se manifesta sobre a embriaguez proveniente de caso fortuito ou força maior que diminui, mas não extermina, ao tempo da ação ou omissão, a capacidade de entendimento do caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento – não possuir plena capacidade. 

Observa-se, portanto, a necessidade premente de se definir com a máxima exatidão possível o que se compreende tecnicamente por embria­guez ou intoxicação aguda provocada por substâncias químicas conhecida como drogadição. Levando em consideração as consequências legais, normalmente se adota o conceito do CID-10, que assim é discriminado:

"Estado consequente ao uso de uma subs­tância psicoativa e compreendendo pertur­bações da consciência, das faculdades cog­nitivas, da percepção, do afeto ou do com­portamento, ou de outras funções e res­postas fisiológicas. As perturbações estão na relação direta dos efeitos farmaco­lógicos agudos da substância consumida e desaparecem com o tempo, com cura com­pleta, salvo nos casos em que surgiram lesões orgânicas ou outras complicações. (on line, 2017)

Neste contexto, podemos dizer que que a drogadição ou toxicomania pode gerar ou a isenção de pena quando total ou a re­dução facultativa da pena quando parcial e ocorrida no momento conduta.

Júlio Fabrini Mirabete (1985), em abalizada doutrina leciona sobre o assunto que:

“O agente que pratica a conduta quando sujeito à ação dessas substâncias tóxicas é tratado pela lei nos mesmos termos reservados ao ébrio etílico (excetuados os crimes relacionados ao tráfico e porte de drogas, sujeitos a legislação especial.”

Tecnicamente falando, a luta do direito processual penal hodierno é justamente o de tentar chegar o mais próximo possível de uma verdade real ou substancial, tornando inadmissível na esfera penal as constatações baseadas em ficções ou presunções.

A Constituição Federal alerta para a necessidade da utilização do máximo de cautela na busca das provas quando do julgamento de uma determinada conduta. Assim, a prova deve gerar no magistrado a convicção de que necessita para o seu pronunciamento, declarando a existência ou não da responsabilidade criminal.

Dessa feita, se o réu faz uso de substâncias químicas psicoativas capazes de alterar a sua conduta e compreensão dos fatos sociais que o cercam, necessita-se consequentemente de peritos determinem qual o grau de intervenção física que estas substâncias provocam no mesmo. Logo, a constatação de insanidade mental do acusado associada a produção de provas é assunto tecnicamente interligado e que pode gerar reflexos no conteúdo do julgamento.

Para se delimitar melhor a extensão das toxicomanias e segundo as pesquisas de saúde pública, sociais e educacionais da Organização das Nações Unidas, constantes do site do Instituto de Medicina Social e Criminologia de São Paulo, podemos distinguir quatro tipos de usuários:

“Usuário experimental ou experimentador: limita-se a experimentar uma ou várias drogas, por diversos motivos, como curiosidade, desejo de novas experiências, pressão de grupo etc. Via de regra, este contato não ultrapassará as primeiras vezes.

 Usuário ocasional: utiliza um ou vários produtos, de vez em quando, se o ambiente for favorável e a droga disponível. Nestes casos, os pesquisadores não identificam o desenvolvimento de dependência, nem corte das relações afetivas, sociais ou profissionais.

Usuário habitual ou "funcional": faz uso frequente de drogas. Em suas relações sociais já é possível se verificar uma certa dissolução. Mesmo assim, ainda tem uma vida social razoável, embora de forma precária e correndo riscos de dependência. É aquele usuário vulgarmente chamado como “viciado”.

Usuário dependente ou "disfuncional" (dependente, toxicômano, drogativo, farmacodependente, dependente químico): estes são os casos mais severos. O indivíduo que alcança esse estágio vive pela droga e para a droga, quase que exclusivamente. Rompe vínculos sociais e afetivos, o que acaba por leva-lo ao isolamento e à marginalização, acompanhados, eventualmente, de decadência física e moral.”

Temos que aceitar, portanto, que a identificação do grau de envolvimento dos autores de delitos com substâncias psicoativas depende de informação fornecida por perito da área após análise clínica e laboratorial e deve ser devidamente considerada pelo juiz de direito de acordo com o seu livre convencimento motivado e se balizando em todas as características acima descritas.

Os artigos 45 até 47 da própria Lei Federal nº 11.343, de 26 de agosto de 2006, dizem expressamente que:

“Art. 45. É isento de pena o agente que, em razão da dependência, ou sob o efeito, proveniente de caso fortuito ou força maior, de droga, era, ao tempo da ação ou da omissão, qualquer que tenha sido a infração penal praticada, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

Parágrafo único.  Quando absolver o agente, reconhecendo, por força pericial, que este apresentava, à época do fato previsto neste artigo, as condições referidas no caput deste artigo, poderá determinar o juiz, na sentença, o seu encaminhamento para tratamento médico adequado.

Art. 46.  As penas podem ser reduzidas de um terço a dois terços se, por força das circunstâncias previstas no art. 45 desta Lei, o agente não possuía, ao tempo da ação ou da omissão, a plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

Art. 47.  Na sentença condenatória, o juiz, com base em avaliação que ateste a necessidade de encaminhamento do agente para tratamento, realizada por profissional de saúde com competência específica na forma da lei, determinará que a tal se proceda, observado o disposto no art. 26 desta Lei.”  

Diante das descrições legais supra ditas, podemos entender que se o corpo probatório contido nos autos indicar que o réu é dependente do uso de substâncias psicoativas, será imprescindível a realização de exame pericial para a averiguação da capacidade plena de entendimento do caráter ilícito do fato e/ou de autodeterminação conforme esse entendimento. Vale ressaltar que a Lei Penal mantém o critério biopsicológico na apuração da responsabilidade penal.

3. Proposta de quesitos acerca da toxicomania ou drogadição.

Havendo, portanto, a possibilidade técnica de que os acusados em processo penal sofram de transtornos de comportamento decorrentes da dependência química, fato que poderá influenciar no livre convencimento motivado do julgador e nos termos do artigo 149[iii] do Código de Processo Penal propõe-se a seguinte forma de quesitos a serem respondidos pelos peritos técnicos:

1ª. SÉRIE

1) Se é possível, através dos exames clínicos ou de laboratório, procedidos na pessoa do Réu, concluir ser ele dependente de substâncias químicas psicoativas capazes de causar distúrbios comportamentais de natureza violenta?

2) Qual é a diagnose?

3) Em caso positivo, que substância pode ter sido usada pelo réu, quando da prática criminosa?

4) Em função do transtorno di­agnosticado, qual é o estado da capa­cidade de entendimento? Normal, abolida, reduzida.

5) Em função do transtorno di­agnosticado, qual é o estado da capa­cidade de determinação? normal, abolida, reduzida.

6) Se o próprio réu afirmou ao perito ser usuário de substância entorpecente?

7) Em caso positivo, se quando fez essa afirmação informou ao perito qual a substância mais consumida por ele?

8) Em caso positivo de sete (7), se dentre essas substâncias possivelmente usadas pelo Réu, pode-se incluir a erva cannabis cativa lineu, vulgarmente conhecida como maconha e∕ou cocaína e∕ou cack?

9) Em caso positivo de sete (7) ou oito (8), pela gravidade e violência do ato criminoso praticado pelo Réu, pode-se afirmar, ou pelo menos supor, com razoável margem de acerto, que o réu estava sob o efeito de uma ou algumas das drogas mencionadas em sete (7) ou oito (8), quando da prática dos atos descritos na Denúncia ?

2ª. SÉRIE

1) Se pelas características fisiológicas-psiquícas apresentadas pelo réu é possível concluir, pelo menos aproximadamente, ser ele portador de distúrbio mental predisponente a atos de violência

2) Se estando o réu sob o efeito de bebida alcoólica, maconha ou cocaina, perdeu a capacidade de entender o caráter criminoso do fato que estava praticando?

3) Em caso negativo de dois (2), mesmo entendendo o caráter criminoso do fato que praticava, estava impossibilitado de determinar-se diante deste entendimento?”

 A proposta de quesitos como acima exemplificados atende a necessidade de se questionar dos peritos responsáveis a extensão dos efeitos das substâncias químicas que, se incapacitantes, podem levar a absolvição dos réus com a aplicação de medidas de segurança com especial finalidade terapêutica.

4. Posição da jurisprudência sobre o tema.

A questão da toxicomania ou drogadição tem sido objeto de intensos debates na jurisprudência, havendo vários precedentes sobre o assunto que já reconheceram que a sua incidência ocasiona importantes reflexos na decisão judicial impondo-se medida de segurança com especial finalidade terapêutica.

Em julgado do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul já se entendeu que se o réu ao tempo da ação, por doença mental (intoxicação por múltiplas substâncias psicoativas, estado alterado de consciência e distimia) é totalmente incapaz de entender o caráter ilícito de seus atos e, também, totalmente incapaz de determinar-se de forma diversa da que se conduziu deve-se nos termos do artigo 26 do Código Penal impor o reconhecimento da inimputabilidade penal que isenta o agente de pena (Brasil, 2014).

No mesmo sentido, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais já entendeu que é necessária a internação de dependente químico para tratamento psiquiátrico e de desintoxicação, atestado em relatório médico como meio hábil a reduzir o risco de morte bem como o perigo de dano irreparável à saúde do paciente interessado (Brasil, 2013).

Não menos importante é o entendimento proferido pelo Superior Tribunal Militar que, na mesma esteira do raciocínio exarou a decisão que se o réu no incidente de insanidade mental respondeu positivamente ao quesito relativo à existência de doença mental sofrendo de síndrome de dependência de cocaína e transtorno de personalidade emocionalmente instável impõe-se medida de segurança na modalidade de tratamento ambulatorial (Brasil, 2004).

Por fim, em importante e recente julgado, o Supremo Tribunal Federal no voto proferido pela Excelentíssima Ministra Rosa Weber entendeu que a prisão preventiva não é o instrumento processual penal hábil para enfrentar a situação pessoal do paciente diante dos fortes indícios de que seja portador de enfermidade mental capaz de sujeitá-lo a medida de segurança futura com relatos de internamentos e de tratamento ambulatorial anteriores, de diagnósticos psicóticos, de adição a drogas e de déficit de atenção. No caso julgado a “dúvida sobre a integridade mental do acusado” (artigo 149 do Código de Processo Penal) orientou a Corte Suprema que a prisão fosse substituída por regime de internação provisória compulsória conforme artigo 319, VII do CPP (Brasil, 2015).

Como se pode notar pelos julgados compilados o processo penal não pode desprezar o fato de que a drogadição ou toxicomania pode causar doenças mentais graves e, desde que provada tal situação, é juridicamente possível imposição de medidas de segurança.

5. Conclusão

A luta do processo penal é a busca da verdade real para o alcance da justiça. Se ficar comprovado através de exame técnico, denominado incidente de insanidade mental que réu em razão de dependência de drogas não poderia entender o caráter ilícito a conduta ser-lhe-á aplicada medida de segurança com especial finalidade terapêutica.

 Embora a compreensão de limitações mentais incapacitantes em razão de toxicomania seja tecnicamente difícil é notório que determinadas substâncias que geram drogadição causam incapacidade de entender o caráter ilícito de condutas criminosas e de se determinar de acordo com o livre arbítrio e entendimento pessoal.

A lei 11.343 de 2006, conhecida como lei de drogas proíbe em todo o território nacional, as drogas, bem como o plantio, a cultura, a colheita e a exploração de vegetais e substratos dos quais possam ser extraídas ou produzidas drogas, ressalvada a hipótese de autorização legal ou regulamentar, bem como o que estabelece a Convenção de Viena, das Nações Unidas, sobre Substâncias Psicotrópicas, de 1971, a respeito de plantas de uso estritamente ritualístico-religioso (Brasil, 2006).

Delimitar o mecanismo de ação das drogas sob o organismo humano é questão de elevada importância. Se através do incidente de insanidade mental se comprovar que a droga usada foi determinante ou influenciadora na compreensão e entendimento sob a prática do crime impor-se-á, inevitavelmente, a medida de segurança com especial finalidade terapêutica.

 

Referências:
BRASIL. Código Penal. 14ª. Ed. São Paulo: Saraiva, 2012.  
______. Código de Processo Penal. 14ª  Ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
______. Lei Federal n° 11.343/2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 ago. 2006. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm. Acesso em 18 de abril de 2017.
______. Superior Tribunal Militar (Plenário). Apelação – 2003.01.049319-2/RJ
Data de julgamento 27/08/2004. Acessado em http://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:superior.tribunal.militar;plenario:acordao:2004-08-27;30_2003010493192. Data de acesso. 20 de abril de 2017
______. Supremo Tribunal Federal. 1ª. Turma. HC HC 125370 / SP – SÃO PAULO. Julgado em 19/05/2015. Encontrado em http://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:supremo.tribunal.federal;turma.1:acordao;hc:2015-05-19;125370-4672403. Acesso em 20/04/2017.
______. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apelação criminal 70055652465 RS, Relator: Nereu José Giacomolli, Data de Julgamento: 08/05/2014, Terceira Câmara Criminal, Data de Publicação: Diário da Justiça do dia 23/05/2014. Acessado em  https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/120459915/apelacao-crime-acr 70055652465-rs. Acesso em 20 de abril de 2017.
_____. Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Autos 10515120015919001, Relator: Sandra Fonseca, Data de Julgamento: 11/12/2012, Câmaras Cíveis Isoladas. Encontrado em https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/114625620/agravo-de-instrumento-cv-ai-10515120015919001-mg. Acesso dia 20 de abril de 2017.
Info drogas. Disponível em http://www.imesc.sp.gov.br/infodrogas/Usuar.htm. Acesso em 20 de abril de 2017.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de Direito Penal, vol. I, Editora: Atlas, São Paulo, 2. ed., 1985.
BATISTA, Nilo. Introdução crítica do Direito Penal Brasileiro. Editora: Revan. Rio de Janeiro. 1990.
Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa. Encontrado em: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/f10_f19.htm. Acesso em 18 de abril de 2017.
 
Notas
[i] O artigo 1º, parágrafo único da Lei 11.343 assim diz: Para fins desta Lei, consideram-se como drogas as substâncias ou os produtos capazes de causar dependência, assim especificados em lei ou relacionados em listas atualizadas periodicamente pelo Poder Executivo da União.
[ii] De acordo com o vernáculo Drogadição (Brasil) ou drogadicção (Portugal) é termo genérico criado para compreender qualquer e toda modalidade de adição bioquímica por parte de um ser humano ou a alguma droga (substância química) ou à superveniente interação entre drogas (substâncias químicas), que seja causada ou precipitada por complexo de fatores genéticos, bio-farmacológicos e sociais (fonte: http://dicionario.sensagent.com/Drogadi%C3%A7%C3%A3o/pt-pt/)
[iii] CPP – Decreto Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941. Art. 149. Quando houver dúvida sobre a integridade mental do acusado, o juiz ordenará, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, do defensor, do curador, do ascendente, descendente, irmão ou cônjuge do acusado, seja este submetido a exame médico-legal

Informações Sobre o Autor

Adriano Gouveia Lima

Mestre e Especialista em Direito Penal. Advogado criminalista. Professor de Direito Penal na UniEvangélica de Anápolis


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais