O artigo 366 e sua nova redação. Porque aplicá-lo nos processos em curso

0

Polêmica
se formou, quando a lei 9.271/96, que traz a nova redação dada ao artigo 366 do
Código de Processo Penal, passou a vigorar. A redação dada ao artigo, se
notabilizou pela confusão e insegurança que trouxe aos aplicadores das leis,
visto que o dispositivo misturou norma de Direito Processual e Direito Material
Penal.

É
certo que a norma teve por objetivo privilegiar o Princípio da Informação, que
intimamente se coaduna com o da Ampla Defesa e da Presunção do Estado de
Inocência, ambos elevados ao nível constitucional. No entanto, quis o
Legislador pátrio, evitar a impunidade, prevendo, na mesma norma, “infiltrada a
porretes”, a suspensão do curso prescricional. Assim, ao réu citado por edital,
que não comparece ao interrogatório, é dada a oportunidade de conhecer
pessoalmente da acusação que lhe é feita, suspendendo-se por isso, o curso do
processo criminal. Outrossim, para evitar que o foragido ou desavisado réu, se
beneficie com a extinção do processo, pela perda do direito de agir do Estado,
deve ser suspensa a contagem do prazo prescricional.
Desta forma, o legislador misturou duas classes de normas penais: uma
processual e outra material.

Essa
mistura “brasileira” importou em uma polêmica deveras empolgante. Enquanto
alguns juristas criticam o Legislador pela falta de senso lógico jurídico, que
com certeza exigiria uma norma mais bem elaborada. Outros, como nós, estão
preocupados em tentar consertar a quase irremediável  asneira legislativa.

Um
grande problema deve ser resolvido. É caso de aplicar-se a norma nos feitos
criminais em andamento? Aqueles processos que se encontram, muitos deles, na
fase de alegações finais, ou conclusos para sentença, onde o réu foi citado por
edital e não compareceu ao interrogatório, são o alvo
da maior e empolgante discussão surgida nos últimos tempos, em termos de
Direito Processual Penal, depois é claro, da lei que instituiu os Juizados
Especiais Criminais.

Seria
impossível sua aplicação, face a impossibilidade jurídica de se fazer uma
cisão, separando o que se refere a norma processual e
norma penal?

Seria
perdoável aplicar a suspensão do processo e não fazê-lo com a prescrição, face
ser esta a melhor interpretação dada para o benefício do réu?

Seria
incorreto aplicar o princípio da irretroatividade da lei in pejus,
no que se referir a norma, ao Direito Material (prescrição) e o princípio do tempus regit actum,
no que se referir ao Direito Objetivo?

Ora,
estamos diante de um atropelo jurídico, seja aplicando ou não, a retroatividade
da norma. Assim sendo, é  inadmissível deixar de fazer a seguinte
pergunta: O QUE É MELHOR PARA O RÉU?

Para
ela não deixaria de se encontrar uma única resposta: SUSPENDER O PROCESSO E
DEIXAR FLUIR O PRAZO PRESCRICIONAL.

Os
mais perfeccionistas, como já lemos, têm opiniões
divergentes. Diriam que “TALVEZ O RÉU, FOSSE ABSOLVIDO DA ACUSAÇÃO QUE LHE É
IMPUTADA, DESTA FORMA, NÃO  SERIA PARA ELE, VANTAGEM O PRAZO PRECRICIONAL
FLUIR, MUITO MENOS O FEITO SER SUSPENSO”. Neste ponto é de se indagar: como
poderia o réu, sem ter sequer, ciência da acusação feita contra sua pessoa;
sendo-lhe nomeado um profissional mais acessível ao Magistrado, sem que este
tenha qualquer referência fática, ou outra versão do fato, providenciar em seu
prol, uma defesa de qualidade? Nesse particular, é de bom termo esclarecer, que
o Legislador, mal ou bem, quis que o réu soubesse da acusação e tivesse um
advogado para defendê-lo, só resultando uma má defesa de sua própria desídia.

Outros
diriam que a norma não pode ser partida, e por isso não se deve aplicar o
artigo aos processos em
andamento. Isso significaria desprezar o texto
constitucional, principalmente no que diz respeito ao princípio da
retroatividade da lei mais benéfica.

Se
as recentes normas penais que são modificadoras, trazem um benefício para o
réu, estas retroagem no tempo, para alcançar os fatos ocorridos, trazendo
proveito ao acusado ou mesmo ao sentenciado. É impossível deixar de observar
tal princípio, particularmente quando, para o caso sob análise, isso significa
a possibilidade de se rever uma falta para com os direitos do réu,
representados pelo  pleno conhecimento da acusação feita contra a sua
pessoa.

Anteriormente
lhe era negada tal vantagem, pois o Princípio da Informação não era relevado ao
plano do absolutismo, sendo hoje patente, a necessidade de oferecer aos réus
revéis citados por edital, no curso do processo, a oportunidade de conhecer da
acusação.

Ou seja, hoje o réu tem direito de saber dos
limites de sua acusação e não seria justo aos acusados (que tiveram o
desconforto de serem citados por edital, quando o Direito Processual pátrio não
tinha ainda ascendido a este nível de consciência jurídica criminal), não terem
direito ao benefício que ora traz o Princípio da Informação, quando, ainda, não
é tarde. É uma questão de justiça, de boa justiça. Por
isso, não é maior aberração, a cisão da norma, se comparada com a não aplicação
do dispositivo ora em estudo, ou mesmo, com a falta de senso lógico jurídico do
Legislador.

É
fato, que a norma penal ou processual penal mista, deve seguir a regra da retroatividade
in mellius, assim como a lei processual deve ser
aplicada imediatamente, e no momento em que se encontra o procedimento,
resguardados os atos processuais já praticados.

Assim,
sendo a prescrição instituto de Direito Penal, visto que põe termo à
punibilidade, à norma, é imposta a retroatividade,
desde que seja para beneficiar o réu. Por certo, que a suspensão do processo
não poderia ocorrer no tempo passado, porque neste caso, não se pode desprezar
os atos processuais já praticados. Por este motivo, o feito deve ser suspenso
na fase em que se encontra. Já a suspensão da contagem do prazo prescricional,
não pode ser aplicada, pois haveria  prejuízo para o réu, visto que esta
suspensão, importaria na impossibilidade de extinção
da punibilidade.

A
mais, se é possível entender-se a junção de uma nova norma penal, com outra
antiga, para beneficiar o réu,1 por que não
seria possível cindir o artigo 366 do Código de Processo Penal, para alcançar o
mesmo objetivo? Afinal o Magistrado não estará criando uma norma, apenas estará
se movimentando dentro do que permite os Princípios de Direito Penal.2

Por
fim, deixar de aplicar a suspensão da prescrição nos feitos em andamento, que
se coadunam com as circunstâncias previstas no artigo 366, bem como aplicá-la
no que pertine ao andamento do processo, é mais que
lógico jurídico, é fazer, em relação ao réu citado por edital e revel, que não
teve oportunidade de se defender a contento, justiça. E como já foi dito, estamos diante de um atropelo jurídico, aplicando-se, ou não
a norma do referido artigo em vigor, se assim o é, que se interprete de maneira
mais favorável ao réu.

 

Notas:
1. Jesus, Damásio E. de – Direito Penal – 1º Volume – Parte geral
Editora Saraiva – pág. 82.

2. Costa Jr., Paulo José da – Comentários ao Código Penal – Editora
Saraiva – pág. 5, citando Antônio José Fabrício Leiria,
em sua monografia Teoria e Aplicação da Lei Penal, p. 82.


Informações Sobre o Autor

Humberto Ibiapina

Promotor de Justiça no Ceará


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais