País de miseráveis

0

Eta! Que
País é este,
dito abençoado
por Deus
e bonito por
natureza? Que
País é este,
onde o dito
fica pelo não
dito e os homens
se valem da desvalia intelectual de um
povo para lhe perpetuarem a submissão?
Que País
é este, onde
a miséria vai muito
além da fome
do estômago para
habitar a mente
e o espírito famintos
de seus filhos?
Que País
é este, onde
o que está ruim
assim deve permanecer
e o que está menos
ruim deve, igualitária
e tiranicamente, fazer parceria
à ruindade? Que
País é este,
onde se nivela tudo
por baixo?
Que País
é este, onde
a esperança sempre
cede passo ao compasso
da desilusão? Que País
é este, onde
o que está acima
deve cair e o que
está abaixo não
tem o direito de subir?
Que País
é este, onde
se foge do enfrentamento das verdadeiras
causas dos erros
e se estabelecem “bodes expiatórios” como
saída fictícia
de crises que
não causaram? Que
País é este,
onde a autoridade
não tem autoridade,
porque desautorizada por outra autoridade? Que País é este, onde os recursos
destinados à educação nem sempre se
destinam à instrução do povo? Que País é este, onde um Poder constituído, supondo-se mais
poderoso que
outro, se atribui o direito
de ditar-lhe regras, alterando-lhe o destino, em prejuízo da população
– disso ignorante? Que
País é este,
onde a dedicação
e o estudo são
comparados, como se no mesmo nível estivessem, com a atividade
braçal, embora respeitável?
Que País
é este, onde
se podem modificar regras
do jogo no final
deste? Que País
é este, onde
as alocuções – discursos
breves, em
ocasião solene
– irrefletidas ganham o sensacionalismo
de uma mídia despreparada à realização de seus
fins? Que
País é este,
onde o que
é garantia vira
privilégio, pela
incompetência ou
má-fé conveniente
de alguns? Que
País é este,
onde a força
do Direito cede passo
ao direito da Força?
Que País
é este, onde
se tem uma Constituição no papel e, não raras vezes, só nele?
Que País
é este, onde
os direitos, adquiridos ao longo do tempo
e com muito
suor, viram massa
de manobra na mão
de políticos distanciados do ideal de servir, a se
servirem do povo? Que
País é este,
onde a indigência
moral ecoa nos
locais mais
“altos”, donde se deveria esperar
o exemplo melhor?
Que País
é este, onde,
ao invés de se buscar
a melhoria das condições de vida de quem ainda não
conhece a dignidade em
Vida, se busca
o rebaixamento de todos, rumo à indignidade geral? Que País é este, onde se tem medo de dizer o que se pensa, sobretudo, em sendo verdade? Que País é este, onde se
dinamitam as bases institucionais da sociedade inda
constituída? Que País
é este, onde
as invasões se multiplicam, às barbas da lei, sem que nada se faça? Que
País é este,
onde domina a crise
de autoridade? Que
País é este,
onde a coerência
das posições pessoais
é suscetível de punição?
Que País
é este, onde,
na contramão da história,
se tenciona tratar igualmente
situações desiguais?
Que País
é este, onde
se faz e desfaz, a bel-prazer, sob a complacência
servil de quem
tem o dever de agir? Que País é este, onde se
está a ponto de acabar com os alicerces
do serviço público,
fundamento indiscutível
da boa vivência social?
Que País
é este, onde
as vozes dissonantes têm o tratamento da execração,
próprio dos vanguardeiros de outrora?
Que País
é este, onde
a política da conveniência pessoal se impõe ao dever
do bem comum?
Que País
é este, onde
a voz do bom
senso cede ao ludíbrio
da insensatez planejada? Que País é este, onde não se dá oportunidade
ao povo de aprender
a andar com
as próprias pernas? Que
País é este,
onde se continua a dar
o peixe, negando-se o direito de aprender a pescar? Que País é este, onde a população,
insciente de seus
direitos, se deixa
levar, ao embalo
de interesses inconfessáveis?
Que País
é este, onde
o “pão e o circo”
continuam a prevalecer? Que
País é este…

Este é o Brasil de hoje, onde
impera a hipocrisia, mal disfarçada, a esconder
a incapacidade dos governantes
– de todos os níveis
– de dar solução justa aos problemas
que afligem o povo
brasileiro. Sendo, como
é, um País
bonito por
natureza, peçamos, mais
que nunca,
a bênção de Deus,
para que a sociedade não se
desorganize, ao sabor de atitudes precipitadas que
firam de morte direitos
arduamente conquistados. Que os homens de bem, deste País, unam suas
forças, neste momento
difícil e excruciante da vida da Nação,
de molde a mitigar
a miséria circunstancial entrevista
em horizonte
próximo.


Informações Sobre o Autor

Edison Vicentini Barroso

Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo. Mestre em Direito Processual Civil pela PUC-SP


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais