Análise acadêmica de julgados jurídicos: uma proposta metodológica

0

Resumo: Neste ensaio, proponho uma metodologia para a análise crítica de julgados jurídicos que pode ser utilizada nos cursos tanto de graduação como de especialização da área do Direito. A proposta está assentada nos preceitos da elaboração de trabalhos acadêmicos com vista à avaliação de âmbito mais qualitativo, capaz de propiciar o desenvolvimento de competências e habilidades pressupostas aos acadêmicos em geral e, algumas delas, específicas e necessárias à formação jurídica.

Palavras-chave: Análise crítica. Julgados jurídicos. Proposta Metodológica. Ensino. Metodologia ativa.

Sumário: 1. Introdução. 2. Proposta de roteiro metodológico para análise. Organização estrutural proposta. 3. Estrutura do texto. 4. A avaliação da análise crítica elaborada. 5. Considerações finais

Introdução

No contexto da formação acadêmica, alguns trabalhos auxiliam no desenvolvimento da capacidade analítica e crítica, uma vez que possibilitam aos estudantes que exponham, escrita ou oralmente, suas interpretações e compreensões sobre determinado assunto apresentado. Essa atividade crítica pode dar origem a outras situações interessantes à ampliação do senso crítico, abrindo espaço para debates, posicionamentos, comparações e contraposições de posicionamentos, articulações de conteúdos diversos, diálogos com outras áreas e com a realidade tanto imediata quanto distante, análises de tendências etc.

Como propõe Pedro Demo, em seu livro Educar para a Pesquisa[1], a educação, de uma forma geral, não apenas nas universidades, mas em todos os seus âmbitos precisa atentar para o fato de ser “fundamental que os alunos escrevam, redijam, coloquem no papel o que querem dizer e fazer, sobretudo alcancem a capacidade de formular”. Dessa forma, torna-se possível transformar o simples repasse de reconhecimento, de coisas lidas, em um laboratório de construção de ideias próprias. Para o autor:

“Formular, elaborar são termos essenciais da formação do sujeito, porque significam propriamente a competência, à medida que se supera a recepção passiva do conhecimento, passando a participar como sujeito capaz de propor e contrapor…Aprende a duvidar, a perguntar, a querer saber, sempre mais e melhor. A partir daí, surge o desafio da elaboração própria, através da qual o sujeito que desperta começa a ganhar forma, expressão, contorno, perfil. Deixa-se para trás a condição de objeto”. (DEMO, 2007, p.28)

Trabalhar em prol dessa formulação ou elaboração de uma postura crítica do sujeito diante do conhecimento pode ser a chave para se reposicionar e se repensar a educação universitária guiada pela simples reprodução do conhecimento, estruturada na aula repassada pelo professor e copiada pelo aluno, tão questionada atualmente pelos estudiosos de didática e ensino no ensino superior.

Essa educação para a pesquisa precisa ser cada vez mais estimulada e fomentada pelos cursos superiores de uma forma geral, afinal, a educação não é só ensino, instrução, treino, mas, sobretudo, formação da autonomia crítica e criativa do sujeito-aluno competente. E esse fomento pode se dar tanto pela metodologia de ensino empregada quanto pela forma de atividades e de avaliações desenvolvidas, tendo em vista que algumas metodologias são mais estimulantes, mais ativas que outras e algumas formas de avaliação são menos centradas no simples ato de examinar, por isso, mais preocupadas com os aspectos qualitativos e formativos que com aspectos puramente quantitativos.

Neste âmbito, uma das atividades de análise crítica que tem muito a agregar à formação de competências e habilidades dos alunos do curso de Direito é, sem dúvida, a análise sistemática de julgados atuais ou não[2]. Entretanto, é preciso lembrar que para se realizar a análise crítica de qualquer texto, antes é necessário que o texto seja lido e compreendido[3]. Só se faz análise crítica de fato daquilo que foi compreendido! Esse preceito não é diferente na área jurídica. Essa informação, pois mais óbvia que possa parecer, precisa ser ressaltada, para que se compreenda que, possivelmente, a análise demandará de seu elaborador mais de uma leitura do texto base e, talvez, a leitura de outros materiais para ajudá-lo a “enxergar” questões importantes nos textos lidos ou para construir associações, contrapontos ou comparações.

Com a crescente disponibilização das decisões dos tribunais em meio eletrônico, muitos dos quais de livre acesso, é possível selecionar textos relacionados às mais diferentes disciplinas e conteúdos do curso de Direito ou aos estudos complementares, para se realizar um trabalho instigante e analítico de alta envergadura, totalmente diferente de outros trabalhos acadêmicos, sem, no entanto, destoar do que se espera do desenvolvimento de competências e habilidades de um aluno da graduação ou da especialização. Competências e habilidades relacionadas, dentre outros aspectos:

– à escrita acadêmica: elaboração própria de texto analítico e de formulação crítica;

– à apresentação oral acadêmica: se o texto elaborado é para apresentação oral;

– à leitura analítica e crítica de gêneros textuais característicos da área jurídica.

– à argumentação: pois ao se levantar a tese e os argumentos mais importantes empregados no julgado para sustentá-lo – argumentos tanto de ordem jurídica quanto não jurídica – se tem a possibilidade de desenvolver mais o conhecimento sobre essa importante ferramenta do direito e sua empregabilidade na práxis;

– ao raciocínio: identificar proposições, estabelecer relações, inferir, demonstrar por argumentação;

– à linguagem jurídica: maior contato com a linguagem jurídica, sua terminologia, jargões, brocardos, formalidade etc.;

– à capacidade de discutir questões e de se posicionar diante delas;

– à associação e conexão de conteúdos: uma decisão, muitas vezes, associa inúmeros conteúdos na análise e sustentação de uma tese, o que propicia a percepção de formas de desenvolvimentos dessas associações e de sua importância. Além disso, permite ao próprio analista que estabeleça associação a outros conteúdos por extensão, criando redes de significados;

– à capacidade de síntese de ideias;

– à fomentação de pesquisas futuras;

– à ampliação dos conhecimentos jurídicos: discussão de aspectos legais, doutrinários e jurisprudenciais que agregam à formação do aluno do Direito.

Além disso, considerando-se que a pirâmide de aprendizagem proposta por William Glasser tenha fundo de verdade, já que tem sido citada em algumas dissertações brasileiras[4], a atividade proposta poderia trabalhar em prol de aumentar o nível de aprendizagem sobre um tema discutido, uma vez que objetiva uma leitura mais aprofundada do julgado, sua análise em termos de informações essenciais, a organização sistemática dessas informações levantadas para que se transformem em conhecimento, a crítica e expressão do posicionamento diante do discutido, podendo ainda, se apresentada para os demais colegas, alcançar o maior percentual de aprendizagem proposto.

De acordo com tal pirâmide, a aprendizagem opera em níveis que vão desde aquelas atividades que, se não complementadas por outras, tendem a resultar em menor “retenção” de informações e, portanto, menos conexões capazes de serem transformadas em conhecimento até as que mais têm possibilidade de resultar em maior aprendizado.

A pirâmide prevê os seguintes níveis e propõe possíveis percentuais alinhados à aprendizagem, como evidencio adiante:

 

Percebe-se, pela análise da pirâmide, que a atividade proposta estaria trabalhando nos níveis verde, amarelo e azul, todos mais elaborados e com pressupostos de aprendizados mais eficientes.

2. Proposta de roteiro metodológico para análise

Nesta exploração textual, especialmente no início do trabalho com essa modalidade crítico-analítica, é válido guiar-se por alguns pontos que podem compor um roteiro metodológico para elaboração da análise crítica do julgado, tais como:

3. Organização estrutural proposta

Se digitado, é interessante seguir as regras de formatação de trabalhos acadêmicos propostas pela ABNT, para que assim se continue a preparação dos alunos para a redação de outros trabalhos deste meio, como ensaios, artigos, paper e monografias.

O ideal é que o trabalho seja elaborado individualmente, em dupla ou em grupos pequenos, pois grupos maiores, se mal administrados pelos membros, sobrecarregam alguns e desobriga outros da elaboração. Também é desejável que, no total, o texto ocupe entre 02 e 05 páginas devidamente formatadas, a fim de que se possa trabalhar a capacidade de síntese dos alunos.

     O quadro abaixo dispõe os dados da formatação mencionada:

4. Estrutura do texto

Seguindo-se o roteiro traçado, a estrutura do texto seria a seguinte:

Essa estrutura, portanto, atende de forma geral a todos os julgados, especialmente os votos dos ministros, que são textos de relevância destacada na área e podem fornecer inúmeros elementos para o debate, análise crítica dos conteúdos tratados e posicionamento dos estudantes em relação às teses defendidas, dentre inúmeras outras possibilidades.

4. A avaliação da análise crítica elaborada

     Importante momento em qualquer proposta de atividade está relacionado à sua avaliação, todavia, como preceitua as correntes que defendem a avaliação formativa e qualitativa, é interessante que tanto professor quanto aluno tenham conhecimento de aspectos relevantes que poderão ser considerados no momento de se avaliar o trabalho, tais como:

– Capacidade do analista em detectar a tese defendida;

– Levantamento dos argumentos jurídicos mais importantes, devidamente sintetizados;

– Levantamentos dos argumentos não jurídicos mais importantes, devidamente sintetizados;

– Qualidade do comentário elaborado (pertinente, fundamentado ou justificado);

– Qualidade do posicionamento do analista (está bem definido e justificado);

– Atendimento à norma culta da língua portuguesa;

– Aspectos relacionados à formatação do texto (afinal, trabalho acadêmico relaciona-se ao conjunto: forma e conteúdo).

Considerações finais

Como toda metodologia de trabalho, essa depende mais da forma como será “operacionalizada” pelo professor e aluno que propriamente de sua estrutura. Todavia, esse ensaio oferece uma proposta norteadora para aqueles que desejam realizar atividades mais significativas e capazes de suscitar debates mais consistentes nas aulas e desenvolvimento de competências e habilidades que agreguem valor à formação acadêmica e profissional.

 

Notas
[1] DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 8 ed. Campinas: Autores Associados, 2007.
[2] Às vezes, é preciso recuperar um julgado de anos passados para se promover comparações e expansões em relação a uma decisão mais recente, por exemplo.
[3] Adoto aqui o termo compreensão como a junção dos níveis de compreensão e de interpretação de um texto, ou seja, níveis que relacionam texto/ contexto/ discurso.
[4] Um exemplo é a menção na dissertação de Isaías Pessoa da Silva, na Universidade Estadual da Paraíba, aprovada em 2015, intitulada Estilos de aprendizagem e materiais didáticos digitais nos cursos de licenciatura em matemática a distância (p.13).

Informações Sobre o Autor

Magna Campos

Mestre em Letras, Professora de Técnica de Redação Jurídica e de Leitura e Produção de Textos no curso de Direito. Autora dos livros: Ensaios de Leitura Crítica Leitura e Escrita: Nuances Discursivo-Culturais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais