Publicidade de Advogados – Continuação

0

Continuando o “Ponto Final” relativo à publicidade de advogados, incursione-se em terreno perigoso. Aliás, prossiga-se no mesmo, porque a primeira crônica despertou debate acirrado, uns defendendo a velhice do Estatuto da OAB, por alguns chamado “dos cartolas”, outros reivindicando punição exemplar àqueles violadores do Código de Ética. Existe indubitável pressão sobre a Ordem dos Advogados para o laceamento da censura. Na verdade, ao lado do aviltamento da advocacia, concorrendo para tanto o apodrecimento de setores diversos do Ministério da Educação, desindividualizou-se em grande parte o exercício da profissão.

É preciso separar bem as vertentes: tenho nos meus arquivos, que dizem fatais porque bem organizados, algumas primeiras páginas de revistas de primeira linha mostrando a efígie de criminalistas destacados. Uns são fotografados enquanto participando de causas célebres, outros veraneando em Nice, mais uns tantos sendo languidamente massageados. Não se dirá tratar-se de propaganda profissional, porque a massagem e o gozo de merecidas férias (que o cronista procura desfrutar mas não consegue) não serviriam a angariar clientela. Abra-se exceção para o dimensionamento do exercício da defesa num processo rumoroso. Aí, quer o criminalista queira ou não queira, há uma espontânea figuração do defensor no trato da evolução da causa, a menos que o advogado, munindo-se de assessor de imprensa, venha a estimular artificiosamente o noticiário a seu favor.

Tais reflexões são incidentais, porque o centro da disputa é o noticiário, posto no Consultor Jurídico, indicando as empresas de advocacia melhor colocadas no “ranking” latino-americano. Tocante àquele contexto, valem poucas observações. Realmente, a proteção a ser prestada a grandes grupos financeiros tem sido extremamente despersonalizada, não se podendo pretender que um advogado noviço contratado para integrar tais corporações seja posto em contato direto com, por exemplo, o presidente de uma instituição financeira portentosa. Isso é coisa de cacique. Falando-se em instituições de grande porte, vale a lembrança de um recém-formado que fumava demais.

Convidado a participar de reunião num conglomerado oriental, procurou acender um cigarro. Não tinha cinzeiro mas havia, providencialmente, uma delicada xícara de café vazia. Tradicionalmente, o pires, à falta de outro assessório, é depositário das cinzas vertidas por tão venenoso hábito. O presidente da instituição contratante, na outra ponta da comprida mesa de conferência, apertou os olhinhos, chamou o intérprete e disse alguma coisa baixinho. Veio o tradutor e advertiu o recém-formado. O presidente não permitia o fumo naquela sala. O advogado, dono de um gênio ruim depois curado, redargüiu à pequena e ágil criatura: “– Meu raciocínio funciona com fumaça. Se eu apagar o cigarro, paro de pensar. Se eu parar, ele vai pra cadeia…!” Foi imediatamente dispensado.

Voltando-se às grandes associações de advocacia, vale dizer que fica muito difícil defender um ser humano sem que o outro – o defensor – possa vê-lo. A dificuldade se reduz quando a defesa é exercida em nome de sociedade de advogados dedicada à proteção de outra entidade vestida com os denominados “nomes de fantasia”. Perdoa-se, ali, a não identificação dos partícipes, resolvendo-se a linha da defesa nos compartimentos reservados ao “júnior”, ao “médio” ou ao “master”.

A advocacia criminal não tem dessas coisas. A desindividualização, na especialidade criminal, seria terrível, impedindo-se, por razões óbvias, a prestação de serviços pré-contratados porque, diferentemente do sucedido em outras áreas do direito, o criminalista só surge depois do fato.

A massificação da advocacia tem, na prática cível, aspectos positivos – poucos – e muitos negativos. De um lado, permite ao jovem a sobrevivência, na medida em que integra uma estrutura fartamente dimensionada; de outra parte, prepara-o para o futuro, porque, no presente, não tem experiência adequada. Ao lado disso, ou em sentido contrário, o fenômeno tem a castração do estímulo adequado ao autêntico exercício da profissão. Eis aí a grande contradição: submetendo-se ao coletivismo, o moço leva o sustento para casa. Entretanto, livrando-se dos grilhões, pode fenecer à margem da estrada. Sempre foi assim. O caçador famélico que acede ao convite do dono da caravana consegue satisfazer a fome e a sede mas, no fim de tudo, se transforma em outro remador  no barco do Grão-Vizir. Assim diz a lenda.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Paulo Sérgio Leite Fernandes

 

Advogado criminalista em São Paulo e presidente, no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas do Advogado.

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais