Sociedade de garantia solidária: A saída para os pequenos

0

Sabe-se
que no Brasil é obrigatória, para as empresas, a adoção de um dos modelos
estabelecidos pela lei para dar legalidade ao exercício da atividade. Segue-se
a exigência de registro e atos burocráticos não desconhecidos de toda sociedade
brasileira, pelos ônus que acarretam ao consumidor ou usuário de serviços.
Também se sabe que os modelos são antigos (somente a sociedade limitada nasceu
neste século, em 1919; todas as demais se originaram nos séculos XVIII e XIX).
Pequenas modificações, como a que se discute atualmente no Congresso Nacional
sobre os direitos das minorias dissidentes nas deliberações das sociedades
anônimas, são casuísticas e visam atender a um objetivo imediato.

Talvez
por isso está passando despercebida a introdução no
direito societário nacional da sociedade de garantia solidária. O que é e para
o que serve?

Não
é uma novidade no mundo. A Espanha autoriza a constituição de “sociedades de
garantia recíproca” desde 1978. E mais recentemente, em 1993, regulamentou em
detalhes esse mecanismo de facilitação de acesso ao crédito e melhora das
condições financeiras das pequenas e médias empresas. No Brasil, a “sociedade
de garantia solidária” (a pequena mudança no nome não retira a evidência de ser
cópia do modelo estrangeiro) está autorizada desde 5/10/1999, pela Lei nº 9.841. Trata-se da lei que instituiu, mais uma vez, o
Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. As alterações do
estatuto são mínimas em relação ao regime anterior, de 1994, a não ser mesmo pela
disciplina, nos artigos 25 a
31, da sociedade de garantia solidária.

O
objetivo da sociedade tem de ser unicamente a concessão de garantia a seus sócios participantes mediante a celebração de
contratos. Tendo a forma de sociedade anônima, os sócios investidores colocam
recursos à disposição dos sócios participantes. Os investidores podem ser
pessoas físicas ou jurídicas que farão aportes de capital na sociedade com o
objetivo exclusivo de auferir rendimentos. Os sócios participantes serão,
exclusivamente, microempresas e empresas de pequeno porte. O número destas, em
cada sociedade de garantia solidária que for constituída, não pode ser inferior
a 10, e nenhuma delas poderá ter mais de 10% do capital social.


os sócios investidores, no seu conjunto, não podem exceder a 49% do capital
social.

A
sociedade fará contratos de garantia solidária com seus sócios participantes
(as micro e empresas de pequeno porte), que poderão oferecer as suas contas e
valores a receber como lastro para a emissão de valores mobiliários a serem
colocados junto aos investidores no mercado de capitais. O contrato tem por
finalidade regular a concessão de garantia pela sociedade ao sócio
participante, mediante o recebimento da taxa de remuneração pelo serviço
prestado, devendo fixar as cláusulas necessárias ao cumprimento das obrigações
do sócio beneficiário perante a sociedade.

O
mérito do novo sistema é a formação de parcerias nos negócios, ao contrário dos
mecanismos tradicionais de concessão de crédito, em que os bancos não têm como
meta financiar empreendimentos, mas obter remuneração para o capital dos seus
acionistas e emprestadores. A nova figura vai
depender muito do apoio das entidades vinculadas às microempresas e às empresas
de pequeno porte, em especial o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas – SEBRAE. Aliás, a Lei 9841/99 diz que o Poder Executivo firmará
convênio com o Sebrae para o registro, acompanhamento e fiscalização das
sociedades de garantia solidária.

Não vai dar ainda para
viver sem banco. Mas a dependência em relação ao mercado financeiro dos
gigantes, dessa os micro e pequenos empresários podem ficar
livres.


Informações Sobre o Autor

Luiz Antônio Soares Hentz

Juiz Aposentado e Advogado em Ribeirão Preto/SP
Professor de Direito da UNESP/Franca/SP.


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais