Malas de dinheiro

0

Vai de muito o tempo em que se deixou de transportar dinheiro em espécie, para se utilizar os bancos e seus instrumentos bancários.

A criação dos bancos deve-se, segundo se tem notícia, a um dos méritos da chamada “revolução comercial”. Na idade média observou-se a supervalorização dos conceitos religiosos, em especial da Igreja Católica, com conseqüente “condenação religiosa” da usura pela jurisdição eclesiástica. Sem ter em conta os fatos de significação puramente espiritual, o foro eclesiástico surgia quando se afetavam os interesses de fé, qualquer que fosse o infrator. Delitos exclusivamente eclesiásticos eram a heresia (doutrina contrária ao que era definido pela Igreja em matéria de fé) e a simonia (tráfico de coisas sagradas ou espirituais); enquanto o sacrilégio (uso profano de pessoa, lugar ou objeto sagrado) a usura (juro de capital exorbitante), o rapto e o adultério constituíam mixti fiori, o que explica os inúmeros conflitos jurisdicionais que se discutiam.

Durante séculos a atividade bancária foi reduzida, praticamente monopolizada por judeus. Havia algumas exceções de famílias italianas, já que a Igreja as autorizava quando considerava haver riscos de perdas, e não obstante tivessem obtido algum lucro, acabaram arruinadas. No século XV o negócio bancário expandiu-se pelo sul da Alemanha e pela França. A principal atividade bancária de então era a dos Fuggers, de Augsburg. Eles emprestavam dinheiro aos reis e bispos, serviram de corretores para o Papa na venda de indulgências e adiantaram os recursos dos quais se serviu Carlos V na compra da eleição ao trono do Sacro Império Romano. Seguiu-se então a fundação de Bancos estatais, dos governos, que se destinavam às necessidades próprias. Primeiro o Banco da Suécia (1657), depois o Banco da Inglaterra (1694), e outros, onde eram depositados os fundos públicos. Seguiram-se os instrumentos bancários, vindos para facilitar as transações comerciais, que àquela altura já se expandiam sobremaneira fora do continente europeu, como a letra de câmbio. O comerciante recebia o dinheiro apresentando a letra de câmbio ao banco local, e depois os dois bancos, o emissor da letra e o local acertavam as contas. Deixou-se então de carregar moedas, para facilitar as operações comerciais.

Nos dias atuais, o que se vê, ou é o retorno, ou melhor, retrocesso àquela origem, ou então, o mais provável, a prática desavergonhada de “ocultação”, ou “dissimulação” da origem do dinheiro, para esconder a prática criminosa que lhe deu origem. Traduzindo em miúdos, a verdadeira ação do crime de lavagem de dinheiro. O transporte físico de dinheiro (em cash) para outros países, normalmente já convertido na moeda forte, – US$ dólares americanos ou Euros, ou mesmo dentro do próprio País também se insere na caracterização de técnica de lavagem. O agente transporta consigo o dinheiro em espécie e o deposita em outras contas bancárias rompendo assim a ligação física do dinheiro obtido com o negócio ilícito praticado. Alguns incluem essa técnica no âmbito da estruturação (smurfing). É eficiente para dificultar o rastreamento do dinheiro.

Com tantas facilidades de transferência de fundos, “TEDs”, “DOCs”, cheques, etc. difícil imaginar que alguém se proporia a transportar, fisicamente, quantidades vultuosas como as vistas recentemente, logo por deputados ou prepostos. Quantias como aquelas para pagar “fornecedores” de empresa de propaganda; US$ 100 mil (na cueca), R$ 200 mil em mala, mais de R$ 1 milhão em várias malas, em avião fretado…! É dízimo para lá de fiel!

Ninguém, em sã consciência, pode acreditar que não tinham nada a esconder. Quem não tem anda a esconder opta pela transferência segura, seja por internet (mais usada na atualidade, pela rapidez) ou ainda pelo cheque, nominativo, e até sem endosso.

O transporte físico do dinheiro é, ao mesmo tempo, o mais difícil de ser apanhado pelas autoridades, e se bem sucedido, quase impede a imputação da culpa, pela ausência dos registros bancários, mas, se apanhado, reveste-se no indício mais claro da prática de crime de lavagem. Então, se é verdade que o transporte de moeda corrente, por si só, é dizer, isoladamente, não consiste na prática de crime, por outro lado serve de fundamento à saciedade para inicio de investigação, como inevitável apreensão do dinheiro, que tanto pode ser produto, como instrumento de crime, tendo como conseqüência final, em caso de condenação, a perda dos valores.

Com efeito, ninguém, mais duvida que a história se repete na humanidade, e compra de cargos, votos, perdões e privilégios, mesmo que com o dinheiro público, não são  artifício de novidade. Tampouco são os políticos brasileiros os seus criadores, embora eventualmente, alguns deles, os que mais o utilizem. Tampouco deixarão de existir, infelizmente, para desespero da democracia. Afinal de contas, o dinheiro gera poder, e o poder gera dinheiro. O problema é quando acende o sinal de alerta, dos níveis insuportáveis.

Mas, como a destinação final de toda essa dinheirama é a União, pelo tesouro nacional, nos termos do Código de Processo Penal (se não houver vítima – pessoa física ou jurídica para reavê-lo), como se decidirá no caso em que se vier a constatar que ele deverá retornar exatamente à origem?


Informações Sobre o Autor

Marcelo Batlouni Mendroni

Promotor de Justiça/SP – GEDEC, Doutor em Processo Penal pela Universidad de Madrid, Pós-Doutorado na Università di Bologna/Italia


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais