Prêmio Innovare 2006

0


Rui Barbosa disse que, num país, o povo pode perder a crença em todas as instituições. Entretanto se, depois de um vendaval de decepções, restar a confiança na Justiça, esse povo recuperará as rédeas de seu destino.


Nos últimos tempos de Brasil fatos de grande repercussão têm comprometido a imagem do Poder Judiciário. Não importa se mil juízes, perdidos em comarcas distantes, cumprem sua vocação com dignidade. Basta que alguns magistrados profanem a toga para que a Justiça seja desmoralizada.


Visando justamente a destacar as coisas boas da Justiça, a Fundação Getúlio Vargas, com apoio do Ministério da Justiça, Associação dos Magistrados Brasileiros e outras instituições, criou o Prêmio Innovare que está tendo, neste ano, sua terceira edição.


O Prêmio Innovare, como é expresso na sua justificativa, foi criado para “identificar, premiar, sistematizar e disseminar práticas pioneiras e bem sucedidas” na Justiça (Juiz individual, Juizado Especial, Tribunal), no Ministério Público e na Defensoria Pública.


Em cada uma dessas categorias duas práticas são destacadas: uma que recebe um prêmio em dinheiro, outra que recebe um prêmio de honra (menção honrosa).


No ano passado, uma Juíza de Direito de meu Estado (ES) recebeu o prêmio de honra. Trata-se de Gladys Henriques Pinheiro com a prática denominada “Sistema integrado de atendimento à criança”. A experiência de Gladys desenvolveu-se no município da Serra, integrante da Grande Vitória.


Neste ano novamente um capixaba, juiz aposentado, recebe láurea idêntica à de Gladys.


O juiz aposentado apresentou uma prática que ele desenvolveu, em diversas comarcas do Espírito Santo, a partir de 1967. Sua experiência consistiu na utilização, em larga escala, de medidas que substituíssem o encarceramento de pessoas e foi denominada “Crime, tratamento sem prisão”. Depois de realizar a experiência, esse juiz, com ajuda de dezesseis alunos seus da UFES, fez uma pesquisa para verificar o que havia acontecido com as pessoas que foram beneficiadas pelas medidas liberalizantes. Constatou-se que o índice de reincidência nesse grupo foi de dez por cento, em números redondos, em contraste com o índice de reincidência de sessenta e sete por cento, nas prisões brasileiras. A experiência relatada mostrou que a questão não era somente soltar o preso, ou deixar de prender alguém. Era preciso que o juiz acompanhasse a vida desse alguém, estabelecendo com esse alguém um liame existencial, um como que “pacto de honra”.


Na época em que levou a cabo sua experiência, o juiz não foi compreendido no seu propósito.


Como é reconfortante que, quatro décadas depois, o juiz, ainda vivo, possa ouvir da Comissão do Prêmio Innovare que aquela experiência dos idos de 60 ainda é válida e atual no Brasil de 2006 e que, por esse motivo, será disseminada por todo o país.


Posso assegurar, sem qualquer sombra de dúvida, que o juiz aposentado está muito feliz porque esse juiz sou eu.



Informações Sobre o Autor

João Baptista Herkenhoff

Livre-docente da Universidade Federal do Espírito Santo e escritor


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais