Noções de direito romano sob a análise de Mauss

0

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Sociologia e Antropologia. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003, p. 153-162.[1]


Marcel Mauss apresenta sua obra, a teoria sobre o dom, como um fundamento para as relações sociais nas civilizações arcaicas, e, tenta demonstrar, os resquícios da dádiva nas sociedades antigas e modernas, “Elas podem servir para explicar historicamente as nossas sociedades.” [2]. Percebe-se então que “o objeto do Ensaio não é a economia primitiva, mas a circulação de valores como um momento do estabelecimento do contrato social.” [3]. Esses vestígios da dádiva também podem ser encontrados no direito romano, e isso fica bastante claro com a explanação de algumas características desse direito, o traditio e o furtum, por exemplo. É importante ressaltar que a sociedade romana se situa historicamente na idade antiga, uma fase de transição entre a predominância da dádiva de um lado, nas sociedades arcaicas (ou primitivas), e a compra e venda do outro lado, nas sociedades contemporâneas.


É possível perceber algumas características dos povos primitivos que reincidem no direito romano. Encontra-se, nas instituições contratuais do antigo direito romano, sinais que evidenciam essas características reincidentes.


“Exemplo de contrato inominado encontra-se no caso em que um romano convenciona em dar a outro um escravoPlautus – que, em compensação, receberá outro escravo, Maevius. Quando se convenciona tal troca, ainda não existe nenhuma obrigação, mas assim que é transferido o escravo Plautus, a outra parte está obrigada a entregar o escravo Maevius.”[4]


Nesse trecho é evidente a obrigação da retribuição da dádiva. Na verdade se dá e se retribui respeito. Percebem-se, no contrato, os dois elementos do potlatch: a honra, o prestígio, e a obrigação de retribuir a dádiva [5]. Na Troca (permutatio rerum) essa obrigação se torna ainda mais clara, “Troca (…) é um contrato inominado (…) pelo qual uma pessoa entrega uma coisa determinada a outra pessoa, obrigando esta a entregar-lhe outra coisa.”[6]. É importante lembrar que os contratos inominados, atípicos e sem nomenclatura específica, só foram reconhecidos pelo direito romano depois de um determinado tempo, “Em princípio as convenções inominadas são simples pactos (…) que não dão nascimento a nenhuma actio…” [7], ou seja, eram contratos espontâneos e obrigatórios, simultaneamente, pois não gerava a nenhuma “actio, a ‘ação’, ou seja, o direito de perseguir diante do magistrado aquilo que nos é devido…” [8].


A noção de força da coisa, de um vínculo espiritual da coisa, não foi totalmente abandonada no direito romano, estando presente na tradição:


“Mauss nota a associação entre essas “coisas que passam” e a idéia de tradição. A raiz dessa palavra é a mesma da palavra que significa “comércio” em inglês (trade). A idéia é que as coisas criam vínculos espirituais: tradição. Neste sentido, a tradição é o que fica daquilo que passa”.[9]


A tradição para os romanos é bastante semelhante ao hau dos povos primitivos. “Quase todos os termos do contrato e da obrigação, e um certo número das formas desses contratos, parecem relacionados a esse sistema de vínculos espirituais criados pelo fato bruto da traditio.” [10]. Existe um vínculo espiritual nas coisas que parece explicar essa retribuição obrigatória nos contratos romanos, pode-se ver que a não circulação das coisas significa paralisar o fluxo da traditio, perder a tradição é perder a “honra”, isso também implica a obrigação de retribuir. Mauss mostra como esse fluxo se apresenta no contrato, “O contratante é, em primeiro lugar, reus: é antes de tudo o homem que recebeu a res de outrem, tornando-se assim o seu reus, isto é, o indivíduo que está ligado a ele pela coisa mesma, ou seja, por seu espírito.” [11]. No contrato os indivíduos criam esses vínculos espirituais pela coisa mesma, o seu espírito, ou tradição. “Mauss nota que a noção romana de réu, antes de assumir o sentido de ‘culpado’, indicava o homem possuído pela coisa. ‘A inferioridade espiritual’ que caracteriza aquele que recebe algo seria uma ‘quase culpa’.” [12].


Outra instituição romana que exemplifica esse vínculo da pessoa com a coisa é o nexum, a mais antiga forma de contrato do direito romano:


“Mauss mostra que, no nexum romano, o credor se vincula ao devedor como recipiente de uma dádiva ao seu doador: em uma relação de empréstimo, ‘o indivíduo que recebeu a coisa é ele mesmo, ainda mais que comprado, aceito pelo empréstimo’, ou ainda, ‘o mero fato de ter aceito algo de alguém torna o indivíduo obrigado’.”[13]


Percebe-se então que se fundem pessoas e coisas, tal é o liame entre eles. Esse vínculo espiritual que existia entre a coisa e o indivíduo só é possível porque, a princípio, no antigo direito romano, não existia uma separação precisa entre Direito Real e Direito Pessoal, ou seja, entre a pessoa e a coisa. Gradativamente, com o fortalecimento da distinção entre esses direitos, o vínculo que existia entre a pessoa e o objeto vai se enfraquecendo. Obstante essas distinções só ganharam a força que possuem recentemente.


Mas ainda assim é possível encontrar vestígios do dom nas sociedades modernas. “Uma parte considerável de nossa moral e de nossa própria vida permanece estacionada nessa mesma atmosfera em que a dádiva, obrigação e liberdade se misturam.” [14].


“Para Mauss, a dádiva, nas sociedades modernas, estaria “embutida na compra e venda”, e não paralela ou independente desta. Mauss minimiza a importância das relações de “pura dádiva” no capitalismo, eximindo-se de uma análise de momentos como o do Natal, o das festas e das relações de hospitalidade na moderna civilização ocidental.”[15]


Pode-se concluir que, da mesma forma que a dádiva, como circulação de valores, esteve presente na sociedade romana, ela pode ser encontrada nas sociedades modernas, ainda que sufocada pelo capitalismo e pelo liberalismo econômico.


 


Notas:

[1] As citações deste texto serão marcadas pela sigla ESD, seguida pelo número da página citada.

[2] ESD, p.265.

[3] LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Ver. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 14, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782000000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 Nov. 2007.

[4] JÚNIOR, José Cretella. Direito Romano Moderno: introdução ao direito civil brasileiro. 8ª.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1985, p. 190, negrito nosso.

[5] ESD, p.195.

[6] JÚNIOR, José Cretella, op. cit., p. 191.

[7] JÚNIOR, José Cretella, op. cit., p. 190.

[8] JÚNIOR, José Cretella, op. cit., p. 7.

[9] LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Ver. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 14, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782000000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 Nov. 2007, negrito nosso.

[10] ESD, p.272.

[11] ESD, p.272

[12] LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Ver. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 14, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782000000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 Nov. 2007.

[13] LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Ver. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 14, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782000000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 Nov. 2007, negrito nosso.

[14] ESD, p.294.

[15] LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a dádiva. Ver. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 14, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782000000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 Nov. 2007, negrito nosso.

Informações Sobre o Autor

Ataul David de Souza Castro

Acadêmico de Direito pela Faculdade Milton Campos


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais