O Exame da Ordem dos Advogados do Brasil

0


Com o advento da decisão do Tribunal Regional Federal de Pernambuco, que declarou, em sede de liminar, a inconstitucionalidade do Exame da Ordem, dispensando a realização da prova a dois bacharéis em Direito, ressurgiu uma discussão que estava um tanto adormecida no âmbito jurídico: a necessidade ou não dos bacharéis em Direito prestarem o referido Exame. Não há como negar que o assunto divide opiniões, embora o método de avaliação/habilitação, até o momento, permaneça em vigor.


De início, anota-se que o Exame da Ordem surgiu como uma espécie de “filtro”, com a finalidade de selecionar os profissionais mais bem preparados para atuar junto aos órgãos administrativos e judiciários do Estado. A necessidade, assim, se fez mais presente com o aumento considerável do número de faculdades de Direito no País, na medida em que muitas delas não oferecem ensino de qualidade aos alunos. O Exame da Ordem, nessa esteira, também não deixa de ser uma proteção ao cidadão, que confia sua pretensão ao advogado e dele espera o seu melhor desempenho.


Recentemente, vislumbra-se que a exigência de exame para habilitação profissional é uma tendência moderna que, provavelmente, será ampliada a outros ramos científicos. Recorda-se, a título exemplificativo, o movimento para a implantação de semelhante prova aos bacharéis em Medicina, o que nos faz pensar que o exame de habilitação deve ser aplicado não somente aos profissionais do ramo jurídico, mas a todos que lidam com os principais bens pertencentes ao ser humano, tais como a vida, a saúde, a liberdade, o patrimônio…


Agora, é injusto que somente os profissionais do ramo jurídico tenham de prestar um exame. Como se sabe, o estudante de Direito, que se dedica durante cinco ou seis anos aos estudos, sai da faculdade sem uma profissão definida: não é advogado, pois necessita de aprovação no Exame da Ordem; não é juiz ou promotor, porque além da prática jurídica, necessita passar em um concurso, e assim por diante. Cabe ao bacharel, então, somente a prestação de consultoria jurídica (na prática, nada!), pois está impedido de ingressar com qualquer tipo de ação judicial.


Assim, a solução para tal impasse estaria na reforma da estrutura curricular dos cursos de Direito – aqueles que desejam advogar optariam pelo curso de Direito – Habilitação em Advocacia, enquanto que os demais optariam pelo curso de Direito – Bacharelado. Naturalmente, o curso de Direito – Habilitação em Advocacia seria mais longo e com enfoque prático, a exemplo da Faculdade de Medicina, que exige dos estudantes grande carga horária dentro dos hospitais. Isso sem contar que a reforma aqui proposta traria benefícios à sociedade em geral, uma vez que surgiriam novos órgãos de assistência judiciária gratuita, havendo também o fortalecimento dos já existentes. 


Portanto, acredita-se que os exames de admissão profissional são importantes, devendo ser mantidos e expandidos a outros cursos. Contudo, enquanto não forem devidamente ampliados, defende-se a reforma curricular do Curso de Direito, dispensando-se a prestação de prova para todos aqueles que optarem pelo curso de Direito – Habilitação em Advocacia.   



Informações Sobre o Autor

Enzo Carlo Di Gesu

Pós-graduando em Ciências Penais Latu Sensu pela Rede de Ensino LFG, Advogado


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais