A função social da propriedade e os contornos constitucionais

0

Resumo: Este trabalho tem como objetivo abordar a função social da propriedade em conformidade com os contornos constitucionais do texto da constituição federal vigente. Após o período do estado novo, rumo a redemocratização, a Constituição de 1946 restaurou a função social da propriedade integrando-se como um dos princípios da ordem econômica e fins sociais visando garantir os direitos fundamentais 


 INTRODUÇÃO


Este trabalho tem como objetivo abordar a função social da propriedade em conformidade com os contornos constitucionais do texto da constituição federal vigente. Após o período do estado novo, rumo a redemocratização, a Constituição de 1946 restaurou a função social da propriedade integrando-se como um dos princípios da ordem econômica e fins sociais visando garantir os direitos fundamentais.


Na constituição de 1934, que se falou pela primeira vez em condicionar o direito de propriedade ao cumprimento de sua função social.


Dentre todas constituições brasileiras, a que mais se preocupou com a função social da propriedade é a atual Constituição Federal de 1988.Pois este texto constitucional além de um perfeito posicionamento no sistema constitucional e a expressão de um conteúdo mínimo indicado a respeito da propriedade imobiliária garante o direito a somente aquela propriedade que cumpra a sua função social,conforme disposto no artigo 5º, incisos XXII e XXXIII da Constituição Federal de 1988,bem como o disposto no artigo 170, inciso III,do mesmo texto constitucional.


A exigência da função social da propriedade para garantirem-se os direitos tutelados constitucionalmente, impõe uma série deveres ao titular desses direitos, que se compõe pelas restrições de exercício à proibição de uso exclusivo, incluindo-se a observância de um aproveitamento eficiente e racional, utilizando-se adequadamente dos recursos naturais e preservando o meio ambiente. Logo, a garantia do direito de propriedade no Brasil existe em razão da função social, o que é tão importante, que está previsto constitucionalmente em cláusula pétrea, conforme o disposto no artigo 60, parágrafo 4º, da Constituição Federal de 1988. 


Desenvolvimento


Analisando o contexto histórico da propriedade, verifica-se presente já no Direito Romano à idéia de limitar o direito de propriedade. Segundo os historiadores, a Lei das XXII Tábuas, continha limitações ao uso da propriedade, dentro de uma concepção individualista.


Na Revolução Francesa de 1789, que inspirou o Código Civil Francês de 1804, chamado de Código da Propriedade, cogitou-se a idéia da supremacia do direito de propriedade. Estas influências tiveram tamanha importância, que a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 26 de agosto de 1789, especificou a propriedade como um direito sagrado e inviolável.


A mesma França que foi capaz de conceber a propriedade como um dos direitos mais absolutos, e difundir essa concepção no âmbito jurídico da época, refletiu sobre essa concepção numa posição totalmente antagônica, concluiu que o Estado só poderá garantir juridicamente, aquela propriedade que desempenhar uma função social.


O Código de Beviláqua baseou-se no código alemão, que instituiu a abrangência do direito de propriedade sob o espaço aéreo e o subsolo, em altura e profundidade necessárias ao seu exercício. Valorizava-se a supremacia do indivíduo em sobre o Estado, que se fundamentava numa economia rudimentarmente rural, que tinha como base à mão-de-obra migratória e escrava.


No Brasil, até o advento da Constituição Federal de 1988, a propriedade se focava no individualismo econômico, pois o Código Civil de 1916, somente a normatizou.


A propriedade sempre foi preservada pelas constituições brasileiras, mas o seu direito começou a ser preservado, a partir da Carta Imperial de 1824, que o classificou como um direito fundamental.


A Constituição de 1934, no artigo 113, inciso XVII e no seu artigo 118, começou a considerar as minas e demais riquezas do solo e quedas-d água, como propriedades distintas do solo para efeito de aproveitamento industrial ou exploração, e que esse direito não poderia ser utilizado com o objetivo de exercer os interesses sociais e coletivos.


Nos textos constitucionais de 1937 e 1942 se mantiveram esses princípios.


A Constituição federal de 1946 exigiu que o uso da propriedade fosse condicionado ao bem-estar social, conforme seu artigo141, parágrafo 16, e artigo 147, que dispõe sobre a justa distribuição da propriedade, com igual oportunidade para todos.


Na Carta Magna de 1962, editou-se a Lei nº 4.132, que começou a regular a desapropriação com intuito de interesse social, de uma forma precária no que tange aos imóveis rurais para fins agrários.


Em 1988, o texto constitucional tratou a propriedade como um direito fundamental do indivíduo, garantindo esse direito como algo de natureza inviolável, conforme o disposto no Caput do seu artigo 5º, embora o inciso XXIII, do artigo citado expressa que a propriedade deverá atender a sua função social.


No decorrer dos anos, essas concepções acerca da propriedade foram amenizadas por leis esparsas, que inseriram a propriedade no contexto constitucional, discorrendo sobre a função social da mesma, com base na nova ordem econômica e anseios sociais da atualidade.


  Neste contexto histórico do ordenamento jurídico, em que os princípios constitucionais prevalecem sob a legislação infraconstitucional, as normas são expressas de forma mais setorial e menos jurídica, discorrendo sobre a função social da propriedade, como um princípio fundamental.


 O papel da função social da propriedade privada é submeter aos interesses coletivos os interesses individuais. O que significa não diminuir nenhum direito de propriedade ao invocar-se a função social da mesma, mas significa a existência do poder-dever do proprietário, devendo este dar uma destinação determinada a propriedade.


No artigo 60, da constituição federal de 1988, parágrafo 4º, inciso 4º expressa que “Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: (…)”.


IV – os direitos e as garantias individuais.


Ou seja, enquanto vigorar a constituição Federal de 1988, a função social da propriedade não poderá ser mudada.


  Ao analisar-se o artigo 170, incisos II e III, da Constituição Federal de 1988, percebe-se a importância da função social da propriedade no ordenamento econômico:


Art. 170, CF/88: A ordem econômica…(…)


II – propriedade privada;


III – função social da propriedade.”


 O artigo anteriormente citado encontra-se no Capítulo I – “Dos Princípios Gerais da Atividade Econômica”, do Título VII – “Da Ordem Econômica e Financeira”, propiciando a conclusão de que tanto a propriedade privada quanto a sua função social são consideradas em princípios gerais, fundamentando todo um sistema.


Um marco teórico no âmbito econômico é o artigo 186 do texto constitucional que dispõe sobre a constitucionalização da função social da propriedade rural e sob seus requisitos.


De suma importância é citar o artigo 9º, da Lei 8.629, de 25 de fevereiro de 1993, que tem o objetivo de explicitar os preceitos constitucionais que referem-se a função social da propriedade.


A União pode desapropriar os imóveis rurais, que não estejam cumprindo a sua função social, com o objetivo de promover à igualdade de acesso a propriedade e a melhoria do bem-estar social coletivo, conforme o artigo 184, do texto constitucional de 1988.


Importante frisar que somente a União tem competência exclusiva para tal, limitando-se à propriedade rural, tendo como requisito principal o não cumprimento da função social, que autoriza a ocorrência da desapropriação.


No artigo 185, no seu inciso II,da Carta Magna de 1988 esta disposto que a propriedade rural que for produtiva se encontra insuscetível de desapropriação para a finalidade da reforma agrária.


Já o artigo 186, da Constituição federal de 1988 expressa que o imóvel rural deve ser aproveitado de forma racional e adequada, na utilização dos recursos naturais disponíveis, visando preservar o meio-ambiente, considerando que a terra é um bem da coletividade.


Este artigo também dispõe sobre as relações de trabalho e a respeito de uma exploração que beneficie o bem-estar dos trabalhadores e dos proprietários da terra.


Conclusão


Devido ao Brasil ter uma herança rural cheia de ranços no que concerne a função social da propriedade, incluindo-se aí os aspectos econômicos, social e ambiental o que ocorre na prática dessa doutrina e ordenamento jurídico é bem distinto, na maioria dos casos, não em todos.


Pode-se compreender que a função social da propriedade funciona como uma espécie de limite usado pelo legislador com intuito de contornar a propriedade, seguindo o princípio da superveniência do interesse particular em detrimento do interesse público, que representa a vontade da coletividade. Logo, se a função da propriedade não for cumprida, o proprietário da mesma ficará sujeito ao disposto no artigo 184, da Constituição Federal de 1988; que expressa o direito da União desapropriar os imóveis rurais, que não estejam cumprido a sua função social, para fins de reforma agrária e interesses sociais.


  Importantíssimo frisar que ao ser definido como Direito Fundamental, a função social da propriedade passou a ser Cláusula Pétrea, do artigo 60, parágrafo 4º, inciso IV da Constituição Federal de 1988. Logo, conclui-se tratar a propriedade de um direito fundamental, que necessita de cumprir ou exercer a sua função social (utilização adequada dos recursos naturais disponíveis, aproveitamento racional da propriedade, relações de trabalho e exploração que visem favorecer ao bem-estar dos trabalhadores e dos proprietários de terra, bem como o aproveitamento racional da propriedade) para que efetivamente ocorra o cumprimento e a garantia desse direito. 


 


 Referências Bibliográficas

BESSONE, Darcy. Direitos reais. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 1996.

BOBBIO, Noberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus,1992.

GOMES, Orlando. Direitos reais. Rio de janeiro: Forense, 2002.

MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Informações Sobre o Autor

Márcia Nazaré Silva

Bacharel em Direito


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais