Contribuinte indefeso

0

No dia 23 de agosto de 2004, foi publicado no D.O.U., um despacho, ato este, do gabinete do Sr. Ministro da Fazenda, Aprovando o Parecer PGFN/CRJ Nº 1087 /2004, de 19 de julho de 2004, que previa a possibilidade de anulação, mediante ação judicial, de decisões de mérito proferidas pelos Conselhos de Contribuintes do Ministério da Fazenda, órgãos administrativos responsáveis pelo julgamento dos processos administrativos referentes a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal.

Provavelmente a equipe do Ministro da Fazenda, percebeu, que a aplicabilidade do ato, não iria surtir os efeitos positivos almejados e sim muitos problemas jurídicos, então, resolveram o problema, editando uma medida provisória a de nº 232 de 30 de Dezembro de 2004, na qual alteraram a legislação tributária federal, aumentando a carga tributária de forma absurda, também efetuando uma significativa alteração no artigo 10, no qual modifica o artigo 25 do Decreto nº 70.235 de 06 de março de 1972, que passa ter a seguinte redação:

Art. 25- O julgamento de processo relativo a tributos e contribuições administrados pela Secretaria da Receita Federal compete:

I – às Delegacias da Receita Federal de Julgamento, órgão de deliberação interna e natureza colegiada da Secretaria da Receita Federal:

a) em instância única, quanto aos processos relativos a penalidade por descumprimento de obrigação acessória e a restituição, a ressarcimento, a compensação, a redução, a isenção, e a imunidade de tributos e contribuições, bem como ao Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte – Simples; e aos processos de exigência de crédito tributário de valor inferior a R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais), assim considerado principal e multa de ofício;

b) em primeira instância, quanto aos demais processos;

II – ao Primeiro, Segundo e Terceiro Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda, em segunda instância, quanto aos processos referidos na alínea “b” do inciso I do caput deste artigo.

Essa nova redação atribuída ao artigo 25, como disse, é uma profunda modificação na relação entre o fisco e o contribuinte, na esfera administrativa, pois, a partir do dia 01 de Janeiro de 2005, todas as autuações fiscais, com exigência do crédito tributário inferior a R$ 50.000,00 (Cinqüenta mil reais), serão julgadas administrativamente pelas Delegacias de julgamento da Receita Federal, denominada de primeira instância, não podendo o autuado recorrer a segunda instancia denominada conselho de contribuinte. Também não poderá mais recorrer a essa instância com causas relativas ao descumprimento de obrigação acessória, restituição, ressarcimento, compensação, redução, isenção e imunidade, não restando outra alternativa a não ser de recorrer ao judiciário. Podemos caracterizar tal atitude de uma ação impeditiva ao recurso em segunda instância. Ressalta-se que, os membros julgadores são auditores da Receita Federal, funcionários comandados pelo Secretario da Receita Federal, esse fato nos deixa preocupado, pois, quase todas as decisões destes julgadores são a favor do governo.

A dificuldade imposta ao contribuinte, talvez seja em função das diversas decisões que ultimamente o Conselho de Contribuinte vem tomando, pois, esta cancelando a maioria das autuações, devido ao abuso de poder dos fiscais e incoerências nas autuações.

Uma coisa é certa, com essa atitude, nos da a impressão de quererem a extinção do Conselho de Contribuintes, quando deveriam dar-lhes maior independência e autonomia, desta forma, diminuindo a competência do conselho, estará impedindo tanto as pessoas físicas quanto às jurídicas de discutirem seus débitos, pois, não suportarão o custo de uma ação para se recorrer ao judiciário, tornando-se totalmente indefesos, havendo assim,  uma arrecadação maior por parte do governo.

É lamentável que no momento em que se busca desafogar o Judiciário, dando-lhe maior agilidade, a União vindo em contramão, publica uma medida provisória e cria a necessidade dos contribuintes buscarem soluções por via judicial, agindo assim, os mentores dessa insanidade, não querem enxergar o enorme prejuízo que estão causando ao cidadão brasileiro e as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples.

Apesar de ser veemente contra a nova roupagem dada ao artigo 25, entendo não estar ferindo nenhum principio constitucional, pois, dizer que estaria prejudicando o direito de ampla defesa, seria um equivoco, a medida garante o direito do contribuinte produzir todos os meios de provas, quando ingressar com o recurso junto a Delegacias de julgamento da Receita Federal, denominada de primeira instância. Em relação ao principio da isonomia, dentro do limite estabelecido de R$ 50.000,00 (Cinqüenta mil reais) todos os contribuintes são iguais, inexistindo desigualdade, desta forma, esta garantida o principio do devido processo legal, como também o principio do acesso ao judiciário, pois, se não obtiver êxito na primeira instância poderá ingressar com ação no judiciário.

Diante da mudança promovida pela medida provisória, resta, a sociedade brasileira, através dos grupos organizados, manifestar-se contra, não só com o aumento da carga tributária, mas, também com essa ação impeditiva ao recurso em segunda instância, quem sabe, possa repercutir de forma positiva e nossos congressistas se sensibilizem e vetem tais medidas.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Mazenildo Feliciano Pereira

 

Contador, Bacharel em Direito e Pós Graduando em Direito Tributário, Profissional Liberal com profissão regulamentada. 27 anos de trabalho na área Fiscal, Contábil, Trabalhista e Tributário.

 


 

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais